Pular para o conteúdo principal

Especulação no setor imobiliário

É preocupante e estarrecedor o volume e a velocidade com que os negócios neste setor da economia crescem. No primeiro momento este fator gerador de emprego empolga aqueles que nada tem a perder e investem no setor imobiliário maciçamente com o apoio do Estado e os bancos/financeiras. A diferença do mercado brasileiro para os especuladores dos  EUA, responsáveis pela "grande bolha", é que aqui as avaliações e critérios para se liberar créditos financeiros são mais rígidos e com o grau de risco avaliado em maior profundidade. Leia esses dados fornecidos pela SECOVI DF. São bastante estimulantes para aqueles que desejam uma rentabilidade no médio prazo.
O  Índice Nacional do Custo da Construção (INCC),  determinado novamente pela FGV/IBRE, registrou uma variação positiva com uma taxa de 0,41%. Porém, o resultado foi inferior ao  do mês anterior, que foi de 0,67%.Dos três componentes do índice, Mão de Obra foi responsável e apenas esta apresentou desaceleração, tendo a taxa recuado de 1,28% em dezembro para 0,12% em janeiro. Em sentido inverso, a taxa do grupo Materiais e Equipamentos  passou de 0,05% para 0,35%, enquanto a do grupo  Serviços avançou de 0,24% para 1,95%. 
A capacidade de endividamento cresce assustadoramente. A classe média agora já volta seus objetivos para a compra do um segundo ou terceiro imóvel com objetivos claro de lucro. Os créditos referentes a recursos  direcionados alcançaram R$586,2 bilhões em dezembro, elevando-se 1,7% no mês e 27,5% em doze meses. Contribuídos pelo aumento de 3,8% no crédito habitacional, saldo de R$131,4 bilhões, e o crescimento de 1% nos financiamentos contratados com o BNDES, cujo saldo alcançou R$355,5 bilhões.
Na maioria das categorias, Brasília apresentou os maiores valores de comercialização de imóveis residências, não só no preço das unidades como no preço do metro quadrado.O comportamento geral foi de valorização em todas as cidades, havendo apenas alguns com desvalorização como é o caso da Loja-comercial em Brasília que de R$ 5.387,00 em dezembro de 2010 passou pra R$ 5.051,00 o preço do metro quadrado. Um levantamento da Universidade Católica de Brasília aponta que este pode não ser um bom investimento. O estudo analisou o preço da locação nas Asas Sul e Norte, no Sudoeste e em Águas Claras, e mostra que comprar um imóvel para alugar não é rentável nas áreas mais nobres do Distrito Federal.

Quando um investimento tem retorno pequeno, mas continua a atrair pessoas, é possível que haja especulação. De acordo com a pesquisa, esse é o caso dos aluguéis em Brasília. Eles não dariam muito lucro e o investimento dos donos só se justificaria porque eles acreditam na valorização dos imóveis.

“O tempo vai passando, o preço dos imóveis vai ficando cada vez mais caro, até que um belo dia os preços dos imóveis caem e muita gente perde dinheiro”, explica o autor da pesquisa Adolfo Sachsida.
Os pesquisadores criaram um índice bolha, que aponta grandes chances de especulação imobiliária na capital. O cálculo é o mesmo que foi usado nos Estados Unidos na época do estouro da bolha imobiliária e início da crise financeira internacional.
O índice bolha abaixo de 20 significa baixo risco especulativo e retorno de investimento maior que 5%, ao ano, para o locador. Foi o caso de apartamentos de dois quartos em Águas Claras. Entre 20 e 40, quer dizer bolha em formação e retorno entre 2,5% e 5% ao ano. O índice foi encontrado nas Asas Sul e Norte, no Sudoeste e em apartamentos de três quartos em Águas Claras. Acima de 40, há grande probabilidade de a bolha estourar. Não foi registrado em nenhuma área pesquisada. Esses dados são do ano passado.


Fonte: Secovi-DF.


Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

TAGUATINGA ESTÁ COM 12OO VAGAS EM SEIS CURSOS

Com o objetivo de apoiar o trabalho de lideranças comunitárias, a Administração Regional de Taguatinga, tem o programa Escola da Comunidade, um espaço voltado para a promoção de cursos e palestras para zeladores, porteiros, síndicos, prefeitos comunitários e membros de associações de moradores. A Escola da Comunidade está com inscrições abertas para cursos de formação em cursos de formação de prefeito comunitário, síndico profissional, direito condominial, engenharia condominial, agente de portaria e primeiros socorros.


Andréa Serra, uma ex-aluna do curso de formação para síndicos, aprovou a iniciativa da escola e hoje usa o que aprendeu na gestão de seu condomínio. “Com as palestras de direito e dos engenheiros pude saber mais sobre legislação e engenharia, o que eu estou aplicando em meu condomínio”. O administrador de Taguatinga, Ricardo Lustosa Jacobina afirma que a iniciativa é um programa de sucesso da administração de Taguatinga. “A Escola da Comunidade é uma conquista de toda a p…

CONCURSO PARA CÃMARA LEGISLATIVA TERÁ 100 MIL CANDIDATOS

O tão esperado edital de abertura do concurso da Câmara Legislativa do Distrito Federal (CLDF) deverá ser lançado até o mês de agosto. A informação foi divulgada pela própria Casa, que assinou o contrato com a Fundação Carlos Chagas (FCC) na última sexta-feira (7/7). Mas a espera pela distribuição das vagas nos cargos não é mais necessária. Veja abaixo para quais áreas serão destinadas as 86 oportunidades: divididas entre os cargos de técnico, consultor técnico, consultor e procurador.
O presidente da Câmara, deputado Joe Valle (PDT), espera que o concurso selecione os candidatos mais interessados em fazer carreira na casa, que tem atualmente o salário inicial de nível médio em R$ 10.143,07 e de nível superior em R$ 15.123,30. Segundo ele, a expectativa é de mais de 100 mil candidatos inscritos. Leia também:Mais de 15 mil vagas serão abertas no país até dezembro De acordo com a Casa, não haverá gastos para a realização do certame, pois a seleção será totalmente custeada pelos valores …

O SERVIDOR QUE ESPERA AUMENTO EM OUTUBRO "PODE TIRAR O CAVALINHO DACHUVA"

Escrevo este post com a profunda vontade de estar errado, todavia não sou tão otimista assim. A categoria funcional vinculada ao Governo Do Distrito Federal deverá ter uma visão de águia e planejar qualitativamente suas finanças nos próximos meses. Todos nós temos uma tendência em contar com o "ovo dentro da galinha" e realizar despesas ou pagar dívidas com créditos a receber.
O GDF tem se lastreado e se calçado por uma única linha de defesa e planejamento de governança, a Lei de Responsabilidade Fiscal. Não há outra ação propositiva concreta de desenvolvimento econômico para a capital. A "muleta" utilizada só é esquecida quando o governo anterior, o de Agnelo, se sobre põe ao atual na ingerência econômica social.
Vivemos uma crise, nisso não há novidade. Vivemos uma caos não há novidade alguma nisso. A novidade é na desculpa utilizada para justificar ações sem prumo. Falar que arrecadação não tem suprido as expectativas já não justifica o intenso e sistemático discu…