Pular para o conteúdo principal

Administração Pública Brasileira: O modelo a ser seguido, características e problemas enfrentados


O Desafio de Acertar

Ainda em processo de aprofundamento e adequação a Administração Pública Brasileira vive um debate(devia ser mais intenso) sem fim a respeito do modelo que deve ser absorvido pela gestão. Em simpósio realizado em 13 de abril sobre "Inovação em Gestão Pública" a ministra Mirian Belchior ressaltou que, para alcançarmos o objetivo de erradicar a pobreza e prosseguir as mudanças iniciadas no governo Lula, “teremos que enfrentar sistemicamente e com empenho ainda maior os desafios de inovação na gestão, tanto na área pública, quanto na privada”.


No Brasil basicamente três modelos de Administração Públicas foram e estão sendo utilizados:


O Modelo Patrimonialista;
 Com base estamental e com uma ausência clara de separação entre o público privado e uma aristocracia muito fortalecida privilegiada. Nota-se o vencimento desse modelo . Gerou um nepotismo desenfreado e criou um clientelismo cultural. Esse modelo não tem mais espaço na Administração Pública brasileira.

Modelo Racional-Legal (Burocrático); Com uma separação nítida das esferas pública privada ganhou um espaço significativo nos administradores públicos em um passado não muito recente. Isso, porque gerou impessoalidade e neutralidade no funcionalismo, causando assim: discilplina, obrigações objetivas, hierarquia, qualificação e competência. Os principais problemas desse modelo ainda nos cercam. Vejamos: separação entre política e administração, fortalecimento do formalismo, problemas de desempenho e evolução em favor do insulamento. 
Modelo Gerencial (Empreendedorismo Público, Pós-Burocrático, Gerencialista): Esse surge inspirado pelo setor privado que tem o modelo ideal de gestão, ou seja, aumento de eficiência e produtividade da organização com redução significativa de custos. A privatização no pós-guerra e a posterior desregulamentação são caractristicas do "managerialism" que ganhou simpatia de todos pelos resultados alcançados e pelo formato envolvente de toda a máquina administrativa seja pela responsabilidade, seja pela consciência gerada no corpo funcional. Os problemas deste enfoque: Os critérios de eficiência extremamente rígidos, avaliação qualitativa menosprezada pecou na análise das diferenças interna da Administração Pública, baseou-se na crença do insulamento burocrático. 
Tem ignorado os conceitos de equidade. Reinventar o governo torna-se necessário. Tornar a competição entre os prestadores de serviços mais real e com fiscalização rígida, transferir o controle das atividades para a comunidade, dar maior poder aos cidadãos. Monitorar e medir as ações das Agências governamentais através de resultados qualitativos. Orientar-se por objetivos e não somente por leis, regras e regulamentos. E finalmente redefinir os usuários como clientes que merecem respeito e transparência na tomada decisões. No planejamento e na execução orçamentária deve-se priorizar investimento na produção de recursos e não no gasto, deve-se ainda atuar na prevenção de problemas e não na remediação utilizando a descentralização da autoridade. A Gestão Pública deve também preferir os mecanismos de mercados favoráveis ao bem comum em detrimento de soluções burocráticas que se demonstraram ineficientes no trato da "coisa pública".




Fonte: Oborne e Gaebler
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

TAGUATINGA ESTÁ COM 12OO VAGAS EM SEIS CURSOS

Com o objetivo de apoiar o trabalho de lideranças comunitárias, a Administração Regional de Taguatinga, tem o programa Escola da Comunidade, um espaço voltado para a promoção de cursos e palestras para zeladores, porteiros, síndicos, prefeitos comunitários e membros de associações de moradores. A Escola da Comunidade está com inscrições abertas para cursos de formação em cursos de formação de prefeito comunitário, síndico profissional, direito condominial, engenharia condominial, agente de portaria e primeiros socorros.


Andréa Serra, uma ex-aluna do curso de formação para síndicos, aprovou a iniciativa da escola e hoje usa o que aprendeu na gestão de seu condomínio. “Com as palestras de direito e dos engenheiros pude saber mais sobre legislação e engenharia, o que eu estou aplicando em meu condomínio”. O administrador de Taguatinga, Ricardo Lustosa Jacobina afirma que a iniciativa é um programa de sucesso da administração de Taguatinga. “A Escola da Comunidade é uma conquista de toda a p…

CONCURSO PARA CÃMARA LEGISLATIVA TERÁ 100 MIL CANDIDATOS

O tão esperado edital de abertura do concurso da Câmara Legislativa do Distrito Federal (CLDF) deverá ser lançado até o mês de agosto. A informação foi divulgada pela própria Casa, que assinou o contrato com a Fundação Carlos Chagas (FCC) na última sexta-feira (7/7). Mas a espera pela distribuição das vagas nos cargos não é mais necessária. Veja abaixo para quais áreas serão destinadas as 86 oportunidades: divididas entre os cargos de técnico, consultor técnico, consultor e procurador.
O presidente da Câmara, deputado Joe Valle (PDT), espera que o concurso selecione os candidatos mais interessados em fazer carreira na casa, que tem atualmente o salário inicial de nível médio em R$ 10.143,07 e de nível superior em R$ 15.123,30. Segundo ele, a expectativa é de mais de 100 mil candidatos inscritos. Leia também:Mais de 15 mil vagas serão abertas no país até dezembro De acordo com a Casa, não haverá gastos para a realização do certame, pois a seleção será totalmente custeada pelos valores …

O SERVIDOR QUE ESPERA AUMENTO EM OUTUBRO "PODE TIRAR O CAVALINHO DACHUVA"

Escrevo este post com a profunda vontade de estar errado, todavia não sou tão otimista assim. A categoria funcional vinculada ao Governo Do Distrito Federal deverá ter uma visão de águia e planejar qualitativamente suas finanças nos próximos meses. Todos nós temos uma tendência em contar com o "ovo dentro da galinha" e realizar despesas ou pagar dívidas com créditos a receber.
O GDF tem se lastreado e se calçado por uma única linha de defesa e planejamento de governança, a Lei de Responsabilidade Fiscal. Não há outra ação propositiva concreta de desenvolvimento econômico para a capital. A "muleta" utilizada só é esquecida quando o governo anterior, o de Agnelo, se sobre põe ao atual na ingerência econômica social.
Vivemos uma crise, nisso não há novidade. Vivemos uma caos não há novidade alguma nisso. A novidade é na desculpa utilizada para justificar ações sem prumo. Falar que arrecadação não tem suprido as expectativas já não justifica o intenso e sistemático discu…