Pular para o conteúdo principal

A FORMAÇÃO DE PREÇOS, UMA APOSTA NO ERRO







Nas fábricas, produzimos cosméticos. Nas lojas, vendemos esperança (Charles Revson, fundador da Revlon


Bem verdade que  nós brasileiros estamos vivendo um momento único no que diz respeito à nossa economia. Fase de grande crescimento, de desenvolvimento crescente e aceleração moderada de nossa sociedade. Na década de 80, me lembro, que estávamos sem nenhuma perspectiva. Vivíamos numa incerteza sem fim que proclamava momentos sombrios e sem nenhuma perspectiva concreta. Muitos dizima que o Brasil seria o país do Futuro. Testemunhei uma enlouquecida e histérica vida de adolescente da inflação, Quem não se lembra do Overnight?

Hoje estamos passando por uma situação completamente diferente.Uma inflação controlada e um desenvolvimento de nossa indústria que jamais aconteceu na história brasileira. Vivemos um crescimento significativo e uma formação de cidadãos realmente conscientes da necessidade de participar efetivamente dos grandes temas mundiais e locais, seja,  em seu município ou em sua nação, Pena isto não resultar em políticos decentes, mas enfim esse é assunto para outro post.


Quero relatar hoje uma preocupação que só os empreendedores capitalistas natos tem manipulado e tem colocado de forma muito competente. A questão dos valores agregados aos seus produtos.

Temos, hoje, uma economia muito movimentada e próspera. Temos um segmento de empresários muito felizes com tudo o que vem acontecendo. Muita movimentação e migração nas classes sociais. Enfim, constituir valor para os bens e serviços tornou-se algo muito agradável.

A indústria bélica americana está passando por momento de readaptação num mundo sem guerra, entretanto, a indústria automobilística vive um momento precioso na transição imposta pelos comércios ditos subdesenvolvidos. Na mesma década de oitenta, tínhamos qutro ou cinco marcas de carros para escolhermos. Hoje são quase trezentos modelos. Hoje o "cliente" pode pagar mais.

Encontramos bens de grande valor com uma procura jamais vistas no Brasil. A composição dos preços parecem não estar refletindo o que víamos há alguns anos. Porém, isto não é verdade. Os lucros estão "bombando". Compor preços, hoje, parece ser a coisa mais notável e mais agradável para empreendedores e empresários, já consolidados no mercado.

Ignorar as reclamações, não é tema para os empresários modernos. Atender bem é ponto vital. Satisfazer as necessidades dos deprimidos e consumidor com baixa estima é um prazer inenarrável.

Levantar objeções aos preços sugeridos é normal, mas, já que temos cartão de crédito ou podemos recorrer ao banco, esta objeção caí por terra. O verdadeiro empresário acredita no valor ou no sobrevalor, hoje colocado em seus produtos. E chega a provar isto com uma máquina HP. E os próprios empresários levantam a questão d preço e se prepara para responder a todas as questões levantadas pelo comprador.


As qualidades de nossos comerciantes, seja na internet, seja na forma tradicional crescem a cada dia e isto agrega valor. Nossos mercados estão se ampliando de tal maneira, que não questionamos o valor de seus objetos.

Resumindo, os valores dos bens, hoje, estão com margens de lucros exorbitadas. Acredite






Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

TAGUATINGA ESTÁ COM 12OO VAGAS EM SEIS CURSOS

Com o objetivo de apoiar o trabalho de lideranças comunitárias, a Administração Regional de Taguatinga, tem o programa Escola da Comunidade, um espaço voltado para a promoção de cursos e palestras para zeladores, porteiros, síndicos, prefeitos comunitários e membros de associações de moradores. A Escola da Comunidade está com inscrições abertas para cursos de formação em cursos de formação de prefeito comunitário, síndico profissional, direito condominial, engenharia condominial, agente de portaria e primeiros socorros.


Andréa Serra, uma ex-aluna do curso de formação para síndicos, aprovou a iniciativa da escola e hoje usa o que aprendeu na gestão de seu condomínio. “Com as palestras de direito e dos engenheiros pude saber mais sobre legislação e engenharia, o que eu estou aplicando em meu condomínio”. O administrador de Taguatinga, Ricardo Lustosa Jacobina afirma que a iniciativa é um programa de sucesso da administração de Taguatinga. “A Escola da Comunidade é uma conquista de toda a p…

CONCURSO PARA CÃMARA LEGISLATIVA TERÁ 100 MIL CANDIDATOS

O tão esperado edital de abertura do concurso da Câmara Legislativa do Distrito Federal (CLDF) deverá ser lançado até o mês de agosto. A informação foi divulgada pela própria Casa, que assinou o contrato com a Fundação Carlos Chagas (FCC) na última sexta-feira (7/7). Mas a espera pela distribuição das vagas nos cargos não é mais necessária. Veja abaixo para quais áreas serão destinadas as 86 oportunidades: divididas entre os cargos de técnico, consultor técnico, consultor e procurador.
O presidente da Câmara, deputado Joe Valle (PDT), espera que o concurso selecione os candidatos mais interessados em fazer carreira na casa, que tem atualmente o salário inicial de nível médio em R$ 10.143,07 e de nível superior em R$ 15.123,30. Segundo ele, a expectativa é de mais de 100 mil candidatos inscritos. Leia também:Mais de 15 mil vagas serão abertas no país até dezembro De acordo com a Casa, não haverá gastos para a realização do certame, pois a seleção será totalmente custeada pelos valores …

O SERVIDOR QUE ESPERA AUMENTO EM OUTUBRO "PODE TIRAR O CAVALINHO DACHUVA"

Escrevo este post com a profunda vontade de estar errado, todavia não sou tão otimista assim. A categoria funcional vinculada ao Governo Do Distrito Federal deverá ter uma visão de águia e planejar qualitativamente suas finanças nos próximos meses. Todos nós temos uma tendência em contar com o "ovo dentro da galinha" e realizar despesas ou pagar dívidas com créditos a receber.
O GDF tem se lastreado e se calçado por uma única linha de defesa e planejamento de governança, a Lei de Responsabilidade Fiscal. Não há outra ação propositiva concreta de desenvolvimento econômico para a capital. A "muleta" utilizada só é esquecida quando o governo anterior, o de Agnelo, se sobre põe ao atual na ingerência econômica social.
Vivemos uma crise, nisso não há novidade. Vivemos uma caos não há novidade alguma nisso. A novidade é na desculpa utilizada para justificar ações sem prumo. Falar que arrecadação não tem suprido as expectativas já não justifica o intenso e sistemático discu…