Pular para o conteúdo principal

BRIC'S: Brasil abre mão da presidência e viabiliza acordo

O Brasil decidiu abrir mão de querer indicar o primeiro presidente do Novo Banco de Desenvolvimento para evitar o vexame de não conseguir que o acordo fosse firmado depois de tanta expectativa. A instituição ainda precisa passar pelo crivo do parlamento de cada integrantes do bloco formado por Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul (Brics) para ser instalada, o que deve demorar mais de um ano.

Em discurso na sessão plenária da cúpula do Brics, a presidente Dilma Rousseff anunciou que a Índia indicará o primeiro presidente do banco. A partilha ainda conta com a direção russa do primeiro conselho de governadores; a direção brasileira do primeiro conselho de diretores; a África do Sul como primeiro escritório da instituição; e Xangai (China) como sede do Novo Banco de Desenvolvimento do Brics. O Brasil será o segundo na rotação de presidência, seguido por Rússia, África do Sul e, por último, China.

Para que o acordo saísse hoje, no entanto, foi necessário muito jogo de cintura diplomático, porque havia disputa entre qual cidade sediaria a instituição e também quem indicaria o primeiro presidente do banco. A princípio, o Brasil fazia questão de indicar o primeiro presidente e, para isso, nem entrou na concorrência pela sede – que implicaria ficar em último para assumir a presidência.

O acordo deveria ter sido fechado na reunião ministerial da última segunda-feira e, no meio da tarde, tudo indicava para um desfecho que teria o Brasil na primeira presidência do banco e Xangai (China) como a primeira sede. No entanto, uma reviravolta envolvendo a Índia retomou o impasse e o acordo teve de ser definido em outra rodada de negociação na manhã desta terça-feira.

Para evitar sobreposição de poder, os cinco sócios terão cotas igualitárias, de 20% cada. O capital inicial da instituição será de US$ 50 bilhões para investimentos em projetos de infraestrutura e desenvolvimento sustentável. Já a organização do banco será nos moldes de uma sociedade anônima (S.A.), com conselho de governadores (representado os países), conselho de administração e um presidente (CEO).

A principal implicação política de poder indicar o primeiro presidente do banco está relacionada ao ato de tomar as primeiras decisões e fazer as primeiras definições de operação do banco. Um ponto que incomodava aos membros também era o fato de o mandato ser de cinco anos por presidente. Desta maneira, a última presidência do rodízio só se iniciaria 20 anos após a primeira.

Por esse motivo, o Brasil levou à mesa de negociação a possibilidade de reduzir esse mandato. Mais tarde, no entanto, o ministro da Fazenda, Guido Mantega, disse ao Terra que está mantido o mandato de cinco anos.

Expansão de empréstimos para não-membros

Assim que começar a operar, o Novo Banco de Desenvolvimento financiará apenas projetos nos países-membro do Brics. Até desenvolver expertise, a prioridade inicial será voltada aos projetos governamentais. Num segundo momento, projetos da iniciativa privada, ainda localizados no Brasil, na Rússia, na Índia, na China ou na África do Sul.

Depois que o banco já tiver engrenado, a proposta dos emergentes é a de poder ampliar a atuação para projetos localizados em outros países – o que pode aumentar o poder de influência do bloco emergentes sobre outras regiões do planeta.

Arranjo Contingente de Reservas (CRA)

Sem grandes impasses, os líderes dos países Brics também aprovaram um acordo que cria o Arranjo Contingente de Reservas (CRA, na sigla em inglês), que é um mecanismo anticrise em caso de problemas de pagamento dos Estados-membro. O CRA se assemelha a um fundo (apesar de tecnicamente não ser) aos moldes do Fundo Monetário Internacional (FMI).

Para o ministro da Fazenda, Guido Mantega, os Brics vão além de Bretton Woods com a criação do CRA. Nos anos 1940, passada a segunda guerra mundial, a conferência de Bretton Woods criou instituições multilaterais como o FMI e o Banco Mundial para salvar a economia. O Arranjo Contingente de Reservas mobiliza US$ 100 bilhões na seguinte divisão: China, 41%; Brasil, 18%; Rússia, 18%; Índia, 18%; e África do Sul, 5%.

Ao contrário de um fundo, um arranjo contingente de reservas não tem uma instituição que administre os recursos dos países-membro, isto é, não há um repasse de recursos, mas um compromisso entre os bancos centrais. A autoridade monetária de cada país se compromete a fazer os repasses se houver problemas de balanço de pagamentos com algum dos sócios.

Outros acordos

Além do ato que cria o Novo Banco de Desenvolvimento e o CRA, Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul também firmaram um acordo entre seus bancos de desenvolvimento e assinaram um memorando de cooperação entre as agências de garantia de crédito à exportação.


Fonte: Terra
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

TAGUATINGA ESTÁ COM 12OO VAGAS EM SEIS CURSOS

Com o objetivo de apoiar o trabalho de lideranças comunitárias, a Administração Regional de Taguatinga, tem o programa Escola da Comunidade, um espaço voltado para a promoção de cursos e palestras para zeladores, porteiros, síndicos, prefeitos comunitários e membros de associações de moradores. A Escola da Comunidade está com inscrições abertas para cursos de formação em cursos de formação de prefeito comunitário, síndico profissional, direito condominial, engenharia condominial, agente de portaria e primeiros socorros.


Andréa Serra, uma ex-aluna do curso de formação para síndicos, aprovou a iniciativa da escola e hoje usa o que aprendeu na gestão de seu condomínio. “Com as palestras de direito e dos engenheiros pude saber mais sobre legislação e engenharia, o que eu estou aplicando em meu condomínio”. O administrador de Taguatinga, Ricardo Lustosa Jacobina afirma que a iniciativa é um programa de sucesso da administração de Taguatinga. “A Escola da Comunidade é uma conquista de toda a p…

CONCURSO PARA CÃMARA LEGISLATIVA TERÁ 100 MIL CANDIDATOS

O tão esperado edital de abertura do concurso da Câmara Legislativa do Distrito Federal (CLDF) deverá ser lançado até o mês de agosto. A informação foi divulgada pela própria Casa, que assinou o contrato com a Fundação Carlos Chagas (FCC) na última sexta-feira (7/7). Mas a espera pela distribuição das vagas nos cargos não é mais necessária. Veja abaixo para quais áreas serão destinadas as 86 oportunidades: divididas entre os cargos de técnico, consultor técnico, consultor e procurador.
O presidente da Câmara, deputado Joe Valle (PDT), espera que o concurso selecione os candidatos mais interessados em fazer carreira na casa, que tem atualmente o salário inicial de nível médio em R$ 10.143,07 e de nível superior em R$ 15.123,30. Segundo ele, a expectativa é de mais de 100 mil candidatos inscritos. Leia também:Mais de 15 mil vagas serão abertas no país até dezembro De acordo com a Casa, não haverá gastos para a realização do certame, pois a seleção será totalmente custeada pelos valores …

O SERVIDOR QUE ESPERA AUMENTO EM OUTUBRO "PODE TIRAR O CAVALINHO DACHUVA"

Escrevo este post com a profunda vontade de estar errado, todavia não sou tão otimista assim. A categoria funcional vinculada ao Governo Do Distrito Federal deverá ter uma visão de águia e planejar qualitativamente suas finanças nos próximos meses. Todos nós temos uma tendência em contar com o "ovo dentro da galinha" e realizar despesas ou pagar dívidas com créditos a receber.
O GDF tem se lastreado e se calçado por uma única linha de defesa e planejamento de governança, a Lei de Responsabilidade Fiscal. Não há outra ação propositiva concreta de desenvolvimento econômico para a capital. A "muleta" utilizada só é esquecida quando o governo anterior, o de Agnelo, se sobre põe ao atual na ingerência econômica social.
Vivemos uma crise, nisso não há novidade. Vivemos uma caos não há novidade alguma nisso. A novidade é na desculpa utilizada para justificar ações sem prumo. Falar que arrecadação não tem suprido as expectativas já não justifica o intenso e sistemático discu…