Pular para o conteúdo principal

Internet, a mais nova aliada eleitoral

Com cerca de 58 milhões de brasileiros com acesso à internet, candidatos terão novas oportunidades de interagir com os eleitores por meio de sites, redes sociais e outras ferramentas

Usada por cerca de 50% da população brasileira, a internet tornou-se uma peça fundamental nas campanhas eleitorais. Um exemplo do sucesso desse tipo de campanha foram as eleições presidenciais dos Estados Unidos, que elegeram Barack Obama com o slogan “Yes, we can”. No Brasil, o cenário não deve ser diferente, já que os candidatos estão se mobilizando para angariar seguidores em suas redes sociais.


Para o cientista político Antônio Testa, os avanços tecnológicos podem ser poderosas armas de marketing. “O candidato terá que segmentar bem seu público e se relacionar com ele utilizando o potencial das redes sociais e as demais ferramentas da internet”, afirma.

Por outro lado, o cientista político acredita que essa aproximação deve ser feita de forma cautelosa, já que os eleitores estão acostumados com o contato direto entre os candidatos e o povo, corpo a corpo. “O eleitor ainda está acostumado ao contato pessoal. Isso não ocorre na internet. O ideal é compatibilizar ações pela internet e o modelo tradicional de campanha”, destaca.

A presidente Dilma Rousseff, por exemplo, manteve seu perfil no Twitter inativo por cerca de três anos, até que, em setembro do ano passado, reativou a conta e tem aparecido com posts diários. De acordo com Testa, os candidatos já se deram conta da importância da participação política na web. “Alguns candidatos estão indo bem. Outros, ainda não despertaram para o potencial da rede, que terá papel decisivo na divulgação dos candidatos e suas propostas. Na minha opinião, a ferramenta é bastante favorável, afinal, a internet é algo fantástico e pode beneficiar a todos”, explica.

Segundo dados do Nielsen Ibope, de dezembro de 2013, atualmente há mais de 58 milhões de brasileiros com acesso à internet. Deste total, 45 milhões estão conectados às redes sociais. 

Candidatos ao Buriti
Na coligação Respeito por Brasília, em que Agnelo Queiroz (PT) concorre à reeleição, o trabalho pelas redes sociais tem sido bem intenso. De acordo com eles, existe uma coordenação de comunicação digital com equipe de redes sociais.

O site entrou no ar no fim desta semana e ainda trabalha com perfis no Facebook e no Twitter. “Investir nesse tipo de campanha é respeitar um público que decidiu se formar e informar por um outro veículo de comunicação, que é mais democrático e horizontal na maneira do diálogo”, afirmou Agnelo Queiroz por meio de sua assessoria de campanha.

“Para termos noção do volume de acesso proporcionado pelos cidadãos do DF, em 30 dias de funcionamento o programa de internet pública do DF, Sinal Livre, atingiu a marca de 50 mil acessos e 23 mil usuários cadastrados. Em 2013, a Secretaria do Idoso ofereceu um curso e formou centenas de pessoas”.

De acordo com Rodrigo Rollemberg (PSD), também candidato ao Buriti, ele faz um trabalho de interação pelas redes sociais muito forte e usa a hashtag #AtitudeparaMudar. “Temos sites, Instagran, Facebook, Twitter, todas essas ferramentas são muito importantes e temos que nos adequar a elas”, conta. Rollemberg tem site, onde mostra suas propostas. O mesmo acontece com José Roberto Arruda (PR), que lançou o site nessa semana, em que mostra as obras que fez no DF enquanto governou.

Regras diferentes para o Twitter
Em setembro de 2013, o TSE decidiu que manifestações políticas feitas por meio do Twitter não são propaganda eleitoral antecipada. De acordo com o ministro Dias Toffoli, as mensagens podem ser consideradas conversas restritas entre usuários. “Não há como falar em propaganda eleitoral realizada por meio de Twitter, uma vez que essa rede social não leva ao conhecimento geral e indeterminado as manifestações nela divulgadas”, afirmou Toffoli.

Seguindo a mesma linha, os ministros Castro Meira, Luciana Lóssio, Admar Gonzaga e Cármen Lúcia concordaram com a posição de Toffoli. Para Luciana Lóssio, no caso do Twitter, só recebe mensagens “quem vai atrás da informação”, o que é totalmente diferente de um outdoor colocado no meio de uma grande avenida ou de uma rua. “Você passa e é obrigado a ver aquela propaganda”.

Legislação
A campanha política na internet é regulamentada pela Lei nº 9.504/1997. Segundo a norma, no ano de eleição é permitida a propaganda eleitoral na internet a partir de 5 de julho, com algumas restrições como: ser veiculada em sites pagos, como de notícias, de festas, de fotos, ou qualquer site considerado comercial. Ou seja, são permitidas apenas as propagandas veiculadas em sites do candidato, com endereço eletrônico comunicado à Justiça Eleitoral e hospedado, direta ou indiretamente, em provedor do serviço de internet estabelecido no país.

O presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), ministro Marco Aurélio Mello, alertou que os pré-candidatos devem ser cautelosos para que seu engajamento virtual não ganhe contornos de campanha antecipada, que pode ser punida com multa de R$ 5 mil a R$ 30 mil.

Rejane Evaristo 
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

TAGUATINGA ESTÁ COM 12OO VAGAS EM SEIS CURSOS

Com o objetivo de apoiar o trabalho de lideranças comunitárias, a Administração Regional de Taguatinga, tem o programa Escola da Comunidade, um espaço voltado para a promoção de cursos e palestras para zeladores, porteiros, síndicos, prefeitos comunitários e membros de associações de moradores. A Escola da Comunidade está com inscrições abertas para cursos de formação em cursos de formação de prefeito comunitário, síndico profissional, direito condominial, engenharia condominial, agente de portaria e primeiros socorros.


Andréa Serra, uma ex-aluna do curso de formação para síndicos, aprovou a iniciativa da escola e hoje usa o que aprendeu na gestão de seu condomínio. “Com as palestras de direito e dos engenheiros pude saber mais sobre legislação e engenharia, o que eu estou aplicando em meu condomínio”. O administrador de Taguatinga, Ricardo Lustosa Jacobina afirma que a iniciativa é um programa de sucesso da administração de Taguatinga. “A Escola da Comunidade é uma conquista de toda a p…

CONCURSO PARA CÃMARA LEGISLATIVA TERÁ 100 MIL CANDIDATOS

O tão esperado edital de abertura do concurso da Câmara Legislativa do Distrito Federal (CLDF) deverá ser lançado até o mês de agosto. A informação foi divulgada pela própria Casa, que assinou o contrato com a Fundação Carlos Chagas (FCC) na última sexta-feira (7/7). Mas a espera pela distribuição das vagas nos cargos não é mais necessária. Veja abaixo para quais áreas serão destinadas as 86 oportunidades: divididas entre os cargos de técnico, consultor técnico, consultor e procurador.
O presidente da Câmara, deputado Joe Valle (PDT), espera que o concurso selecione os candidatos mais interessados em fazer carreira na casa, que tem atualmente o salário inicial de nível médio em R$ 10.143,07 e de nível superior em R$ 15.123,30. Segundo ele, a expectativa é de mais de 100 mil candidatos inscritos. Leia também:Mais de 15 mil vagas serão abertas no país até dezembro De acordo com a Casa, não haverá gastos para a realização do certame, pois a seleção será totalmente custeada pelos valores …

O SERVIDOR QUE ESPERA AUMENTO EM OUTUBRO "PODE TIRAR O CAVALINHO DACHUVA"

Escrevo este post com a profunda vontade de estar errado, todavia não sou tão otimista assim. A categoria funcional vinculada ao Governo Do Distrito Federal deverá ter uma visão de águia e planejar qualitativamente suas finanças nos próximos meses. Todos nós temos uma tendência em contar com o "ovo dentro da galinha" e realizar despesas ou pagar dívidas com créditos a receber.
O GDF tem se lastreado e se calçado por uma única linha de defesa e planejamento de governança, a Lei de Responsabilidade Fiscal. Não há outra ação propositiva concreta de desenvolvimento econômico para a capital. A "muleta" utilizada só é esquecida quando o governo anterior, o de Agnelo, se sobre põe ao atual na ingerência econômica social.
Vivemos uma crise, nisso não há novidade. Vivemos uma caos não há novidade alguma nisso. A novidade é na desculpa utilizada para justificar ações sem prumo. Falar que arrecadação não tem suprido as expectativas já não justifica o intenso e sistemático discu…