Pular para o conteúdo principal

Equipe de Transição do GDF


O governador do Distrito Federal eleito, Rodrigo Rollemberg (PSB), terminou de definir, nesta terça-feira (4/11), os nomes que farão parte do seu grupo de transição. Além da coordenação geral, composta por seis nomes, ao todo serão oito grupos temáticos subdividos em várias áreas. Confira a composição abaixo:

Coordenação da equipe: 

Coordenador-geral: Hélio Doyle. Também foi coordenador geral da campanha. Tem função central na transição, com responsabilidades técnicas e políticas. É o porta-voz do governador eleito. É jornalista com mestrado em Comunicação pela UnB (cursou doutorado em Relação Internacionais, mas não concluiu)

Coordenadora-executiva: Leany Lemos. Servidora de carreira do Senado, trabalhar na liderança do PSB. Auxilia Doyle e é responsável por cuidar de questões internas, como articulações.

Coordenador de Área Técnica: Carlos Henrique Tomé. Servidor de carreira do Senado, também trabalha na liderança do PSB. Coordena e faz articulações entre grupos temáticos.

Coordenador de Relação com o Governo: Rômulo Neves. Diplomata, é a ponte para questões cotidianas entre as equipes de transição do atual e do futuro governos.

Coordenador de Objetivos Estratégicos: Paulo Salles. Biólogo, é professor aposentado da UnB. Está em suas mãos a responsabilidade de definir o tamanho da estrutura do novo governo.

Coordenador de Relações Políticas e com a Sociedade: Marcos Dantas. Presidente regional do PSB, tem formação em administração. Trata de assuntos políticos (articulação com partidos) e relacionados com movimentos sociais.

Grupos temáticos: 

1) Saúde

Coordenador: Tiago Araújo Coelho de Souza. Doutor em Saúde Pública na área de epidemiologia pela Universidade de Kentucky (UKY) (2009). É professor adjunto do Departamento de Odontologia da Universidade de Brasília (UnB) e foi bolsista de várias entidades de pesquisa como PIPES/UFPA, CNPq, CAPES e Fulbright.

2) Educação

Coordenador: Júlio Gregório. Professor, formado em Química pela Universidade de Brasília e pós-graduado em Administração da Educação e Avaliação Institucional. Foi Diretor do Centro de Ensino Médio Setor Oeste e de escolas particulares. Atuou como Diretor do Departamento de Planejamento da Secretaria de Educação do DF e integrou o Conselho de Educação do Distrito Federal. Atualmente é membro do Conselho Técnico Científico para Educação Básica da Capes.

3) Mobilidade

Coordenador: Higor Guerra. Mestre em Transportes pela Universidade de Brasília. Analista de Infraestrutura do Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão, com exercício na Secretaria Nacional de Transporte e da Mobilidade Urbana do Ministério das Cidades (desde 10/2008). Trabalha com a Política Nacional de Mobilidade Urbana e é coordenador do Grupo de Trabalho de Mobilidade Urbana do PDT-DF.

4) Segurança

Coordenador: Arthur Trindade Maranhão Costa. Doutor em Sociologia pela UnB (2003). É Professor Adjunto da Universidade de Brasília, onde também coordena o Núcleo de Estudos sobre Violência e Segurança (NEVIS), com quase 20 anos de pesquisa na área de Segurança Pública. Atualmente é ainda integrante do Conselho de Administração do Fórum Brasileiro de Segurança Pública.

5) Planejamento, Orçamento e Gestão

Coordenadora: Rita de Cássia Leal dos Santos. É Doutora em Políticas Públicas e Gestão para o Desenvolvimento pela Universidade de Manchester (2005). Atualmente é Consultora de Orçamentos, Fiscalização e Controle do Senado Federal.

5.1 - Subgrupos:

a) Orçamento e Finanças;
b) Organização Administrativa do GDF;
c) Administração das Empresas Públicas;
d) Administrações Regionais;
e) Gestão, Transparência e Participação Popular.

6) Políticas Sociais

Coordenadora: Cleide Lemos. Graduada em Letras, Letras Tradução e Direito, todos pela Universidade de Brasília. Especialista em Políticas Públicas e Gestão Governamental (ENAP) e em Direitos Humanos (UnB/Escola do MPDFT/University of Essex). Mestre em Letras. Foi técnica do Tesouro Nacional e analista de finanças e controle (Ministério da Fazenda); analista judiciária (Superior Tribunal de Justiça); e é consultora legislativa do Senado Federal na área de Direitos Humanos e Cidadania há 18 anos.

6.1 - Subgrupos:

a) Cultura;
b) Esportes;
c) Habitação;
d) Trabalho;
e) Segmentos Sociais;
f) Assistência Social.

7) Infraestrutura

Coordenador: Maurício Ludovice. Engenheiro Químico, Master of Science em engenharia ambiental e PhD em Engenharia pela Universidade de Newcastle - Inglaterra. Atuou como consultor do Banco Mundial, BID e KfW. Projetista de estações de tratamento de água e esgotos no Brasil e exterior. Atualmente é Superintendente de Meio Ambiente e Recursos Hídricos da Caesb.

7.1 - Subgrupos:

a) Urbanismo;
b) Energia;
c) Resíduos Sólidos;
d) Saneamento;
e) Regulação Fundiária.

8) Desenvolvimento Sustentável


Coordenador: Marcelo Dourado. Formado em História pela Universidade de Brasília, com pós-graduação em Administração Pública na Universidade Federal do Rio de Janeiro. Foi secretário de Turismo do Distrito Federal, secretário de Desenvolvimento do Centro-Oeste (SCO), órgão do Ministério da Integração Nacional, e diretor da Superintendência de Desenvolvimento do Centro-Oeste (Sudeco).

8.1 - Subgrupos:

a) Comércio, Indústria e Serviços;
b) Agricultura;
c) Turismo;
d) Ciência, Tecnologia e Inovação;
e) Políticas para o Entorno;
f) Meio Ambiente.


CB
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

TAGUATINGA ESTÁ COM 12OO VAGAS EM SEIS CURSOS

Com o objetivo de apoiar o trabalho de lideranças comunitárias, a Administração Regional de Taguatinga, tem o programa Escola da Comunidade, um espaço voltado para a promoção de cursos e palestras para zeladores, porteiros, síndicos, prefeitos comunitários e membros de associações de moradores. A Escola da Comunidade está com inscrições abertas para cursos de formação em cursos de formação de prefeito comunitário, síndico profissional, direito condominial, engenharia condominial, agente de portaria e primeiros socorros.


Andréa Serra, uma ex-aluna do curso de formação para síndicos, aprovou a iniciativa da escola e hoje usa o que aprendeu na gestão de seu condomínio. “Com as palestras de direito e dos engenheiros pude saber mais sobre legislação e engenharia, o que eu estou aplicando em meu condomínio”. O administrador de Taguatinga, Ricardo Lustosa Jacobina afirma que a iniciativa é um programa de sucesso da administração de Taguatinga. “A Escola da Comunidade é uma conquista de toda a p…

CONCURSO PARA CÃMARA LEGISLATIVA TERÁ 100 MIL CANDIDATOS

O tão esperado edital de abertura do concurso da Câmara Legislativa do Distrito Federal (CLDF) deverá ser lançado até o mês de agosto. A informação foi divulgada pela própria Casa, que assinou o contrato com a Fundação Carlos Chagas (FCC) na última sexta-feira (7/7). Mas a espera pela distribuição das vagas nos cargos não é mais necessária. Veja abaixo para quais áreas serão destinadas as 86 oportunidades: divididas entre os cargos de técnico, consultor técnico, consultor e procurador.
O presidente da Câmara, deputado Joe Valle (PDT), espera que o concurso selecione os candidatos mais interessados em fazer carreira na casa, que tem atualmente o salário inicial de nível médio em R$ 10.143,07 e de nível superior em R$ 15.123,30. Segundo ele, a expectativa é de mais de 100 mil candidatos inscritos. Leia também:Mais de 15 mil vagas serão abertas no país até dezembro De acordo com a Casa, não haverá gastos para a realização do certame, pois a seleção será totalmente custeada pelos valores …

O SERVIDOR QUE ESPERA AUMENTO EM OUTUBRO "PODE TIRAR O CAVALINHO DACHUVA"

Escrevo este post com a profunda vontade de estar errado, todavia não sou tão otimista assim. A categoria funcional vinculada ao Governo Do Distrito Federal deverá ter uma visão de águia e planejar qualitativamente suas finanças nos próximos meses. Todos nós temos uma tendência em contar com o "ovo dentro da galinha" e realizar despesas ou pagar dívidas com créditos a receber.
O GDF tem se lastreado e se calçado por uma única linha de defesa e planejamento de governança, a Lei de Responsabilidade Fiscal. Não há outra ação propositiva concreta de desenvolvimento econômico para a capital. A "muleta" utilizada só é esquecida quando o governo anterior, o de Agnelo, se sobre põe ao atual na ingerência econômica social.
Vivemos uma crise, nisso não há novidade. Vivemos uma caos não há novidade alguma nisso. A novidade é na desculpa utilizada para justificar ações sem prumo. Falar que arrecadação não tem suprido as expectativas já não justifica o intenso e sistemático discu…