Pular para o conteúdo principal

As prioridades da Mobilidade para os 120 primeiros dias de governo

Desde o primeiro domingo do ano, quando foi realizado um seminário sobre os objetivos do governo e foram levantados os problemas da capital, a equipe do secretário de Mobilidade, Carlos Tomé, trabalha de forma intensa. Agora, o titular da pasta explica as prioridades para a área — uma das que mais afligem o DF — nos 120 dias iniciais de gestão, contados a partir de 1º de janeiro. Elucida, ainda, ações como a adoção do bilhete único.

"Começamos um trabalho de base para fazer as modificações necessárias e merecidas em relação à mobilidade do Distrito Federal", conta Tomé. "A primeira medida nestes 120 dias é uma reforma institucional no setor — Secretaria de Mobilidade, DFTrans (Transporte Urbano do Distrito Federal), TCB (Sociedade de Transportes Coletivos de Brasília) e Metrô (Companhia do Metropolitano do DF). Vamos readequar o papel de cada uma dessas instâncias."
 
Carlos Tomé


Além dessa definição de atribuições, outros três pontos estão sendo desenvolvidos por uma equipe de trabalho formada na reunião de 4 de janeiro. O grupo inclui os órgãos citados por Tomé, o Departamento de Estradas de Rodagem (DER-DF) e a Secretaria de Planejamento, Orçamento e Gestão.


Um desses pontos é o início dos estudos para aumentar a eficiência operacional do sistema de mobilidade. Hoje, o Metrô e cada uma das cinco empresas de ônibus que atuam no DF têm um centro de comando operacional com informações sobre a respectiva frota. "É preciso criar um controle central que permita o funcionamento articulado de todos os operadores", diz o secretário. Segundo ele, o monitoramento será feito pelo governo em tempo real.


Com isso, de acordo com o gestor, será possível trabalhar em três dimensões de integração: a física, que ofereça ao passageiro infraestrutura adequada nas operações de transbordo; a operacional, que possibilite descer de um carro para entrar em outro num curto espaço de tempo; e a tarifária, relacionada ao bilhete único. "A pessoa vai pagar uma passagem apenas e fazer o trajeto todo."


Outro item elencado pelo grupo de trabalho diz respeito ao início da licitação de obras com recursos assegurados. Entre elas estão a implantação do corredor de transporte coletivo norte, ligando o Plano Piloto a Sobradinho e a Planaltina, e a conclusão das estações de metrô na Asa Sul e na Estrada Parque Taguatinga (EPTG), além da extensão de linhas para Asa Norte, Samambaia e Ceilândia.


O último ponto é começar os projetos que não foram feitos. São exemplos a Via Interbairros — irá do Setor Policial Sul a Samambaia, passando pelo Guará, por Águas Claras e por Taguatinga — e o corredor de transporte coletivo com veículos leves sobre trilhos (VLTs)— contemplará Sol Nascente, Ceilândia, Taguatinga e Riacho Fundo I, via avenidas Hélio Prates, comerciais Norte e Sul e Pistão Sul.


As ações de mobilidade para os primeiros quatro meses de governo incluem ainda melhorias em calçadas e ciclovias, identificação de locais que exigem a ampliação da malha para bicicletas, e a volta do programa Paz no Trânsito, que está no âmbito do programa Pacto pela Vida e funciona, basicamente, por meio de campanhas educativas. "O Paz no Trânsito resultou no respeito à faixa de pedestres, por exemplo; muito disso, a gente vem perdendo com o tempo", diz Carlos Tomé, que considera o trânsito de Brasília muito violento.


Outras ações

A Secretaria de Mobilidade tem definido atividades a serem pensadas em longo, médio e curto prazos. "Há medidas estruturantes, que devem ser tomadas de maneira responsável. Brasília não merece improvisos nem medidas apressadas, que não resolvem os problemas de modo definitivo. O trabalho começa agora para dar frutos o mais rápido possível", ressalta o chefe da pasta.


Na opinião do secretário, é preciso romper ou modificar o padrão de ocupação do solo de Brasília, descentralizando atividades econômicas, de modo que as pessoas que moram nas regiões administrativas possam nelas trabalhar. "Em muitos casos, a solução para a mobilidade não é fazer com que as pessoas se desloquem para mais longe em menos tempo; é diminuir a necessidade de deslocamento." Essa ordem de problemas exige solução de longo prazo, uma vez que mudanças na dinâmica econômica de uma cidade requerem até aproximadamente uma década, observa Tomé.


"Partindo do pressuposto de que esse padrão de ocupação territorial não se resolve no médio nem no curto prazo, as pessoas precisam ter facilidade de se deslocar dentro da dinâmica já instalada", analisa. As soluções de quatro a seis anos são as de médio prazo, como a construção de corredores de transporte. São exemplos os corredores sul e norte, em que foi definida a tecnologia BRT (do inglês bus rapid transit – transporte rápido por ônibus), e os corredores da EPTG e da Estrada Parque Núcleo Bandeirante (EPNB), em que é preciso definir ou redefinir a tecnologia de engenharia a ser aplicada.


Em curto prazo, estão medidas de um a dois anos, que independem de grandes obras e visam aprimorar instrumentos existentes, como o BRT Sul. "É necessário incorporá-lo ao sistema de mobilidade de maneira racional, ou seja, deve haver um sistema de gestão e de operação das linhas associado à obra de engenharia", defende.


Trens regionais

Carlos Tomé afirmou que a posição do Governo do Distrito Federal será de comprometimento quanto às ligações ferroviárias, como o trem metropolitano Brasília-Luziânia, o trem de média velocidade Brasília-Goiânia e o aproveitamento da infraestrutura da futura ferrovia Brasília-Goiânia para a criação de uma linha de trem regional entre Águas Lindas (GO), Ceilândia, Taguatinga, Cidade Estrutural, Setor de Indústria e Abastecimento (SIA) e rodoferroviária. As questões demandam articulação com Goiás e a União.


"Vamos assumir a liderança nos assuntos que dizem respeito ao DF, porque é de total interesse do governo privilegiar as soluções ferroviárias para o transporte que liga o DF às cidades mais populosas da área metropolitana, os municípios adjacentes", afirma


Fonte: Agência Brasília
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

TAGUATINGA ESTÁ COM 12OO VAGAS EM SEIS CURSOS

Com o objetivo de apoiar o trabalho de lideranças comunitárias, a Administração Regional de Taguatinga, tem o programa Escola da Comunidade, um espaço voltado para a promoção de cursos e palestras para zeladores, porteiros, síndicos, prefeitos comunitários e membros de associações de moradores. A Escola da Comunidade está com inscrições abertas para cursos de formação em cursos de formação de prefeito comunitário, síndico profissional, direito condominial, engenharia condominial, agente de portaria e primeiros socorros.


Andréa Serra, uma ex-aluna do curso de formação para síndicos, aprovou a iniciativa da escola e hoje usa o que aprendeu na gestão de seu condomínio. “Com as palestras de direito e dos engenheiros pude saber mais sobre legislação e engenharia, o que eu estou aplicando em meu condomínio”. O administrador de Taguatinga, Ricardo Lustosa Jacobina afirma que a iniciativa é um programa de sucesso da administração de Taguatinga. “A Escola da Comunidade é uma conquista de toda a p…

CONCURSO PARA CÃMARA LEGISLATIVA TERÁ 100 MIL CANDIDATOS

O tão esperado edital de abertura do concurso da Câmara Legislativa do Distrito Federal (CLDF) deverá ser lançado até o mês de agosto. A informação foi divulgada pela própria Casa, que assinou o contrato com a Fundação Carlos Chagas (FCC) na última sexta-feira (7/7). Mas a espera pela distribuição das vagas nos cargos não é mais necessária. Veja abaixo para quais áreas serão destinadas as 86 oportunidades: divididas entre os cargos de técnico, consultor técnico, consultor e procurador.
O presidente da Câmara, deputado Joe Valle (PDT), espera que o concurso selecione os candidatos mais interessados em fazer carreira na casa, que tem atualmente o salário inicial de nível médio em R$ 10.143,07 e de nível superior em R$ 15.123,30. Segundo ele, a expectativa é de mais de 100 mil candidatos inscritos. Leia também:Mais de 15 mil vagas serão abertas no país até dezembro De acordo com a Casa, não haverá gastos para a realização do certame, pois a seleção será totalmente custeada pelos valores …

O SERVIDOR QUE ESPERA AUMENTO EM OUTUBRO "PODE TIRAR O CAVALINHO DACHUVA"

Escrevo este post com a profunda vontade de estar errado, todavia não sou tão otimista assim. A categoria funcional vinculada ao Governo Do Distrito Federal deverá ter uma visão de águia e planejar qualitativamente suas finanças nos próximos meses. Todos nós temos uma tendência em contar com o "ovo dentro da galinha" e realizar despesas ou pagar dívidas com créditos a receber.
O GDF tem se lastreado e se calçado por uma única linha de defesa e planejamento de governança, a Lei de Responsabilidade Fiscal. Não há outra ação propositiva concreta de desenvolvimento econômico para a capital. A "muleta" utilizada só é esquecida quando o governo anterior, o de Agnelo, se sobre põe ao atual na ingerência econômica social.
Vivemos uma crise, nisso não há novidade. Vivemos uma caos não há novidade alguma nisso. A novidade é na desculpa utilizada para justificar ações sem prumo. Falar que arrecadação não tem suprido as expectativas já não justifica o intenso e sistemático discu…