Pular para o conteúdo principal

Empreededorismo é o caminho para Brasília



De cada quatro trabalhadores do Distrito Federal, um se encaixa na definição de empreendedor: são 299.181 autônomos, profissionais liberais e empregadores, que representam 24,5% das pessoas ocupadas. Divulgado ontem pela Companhia de Planejamento do DF (Codeplan), o estudo Potencial Empreendedor no Distrito Federal tem por objetivo fornecer subsídios ao governo e às demais instituições que podem traçar políticas de desenvolvimento. Em uma unidade da Federação onde o setor público tem presença marcante na economia, o empreendedorismo é visto como uma das saídas para descentralizar e diversificar a estrutura produtiva.

O presidente da Codeplan, Júlio Miragaya, chama a atenção para o fato de que a renda média do DF é três vezes superior à nacional, o que representa "amplo espaço" de crescimento para o empreendedorismo. "Até pela renda excepcional, a economia local se especializou no serviço às pessoas, e não às empresas", explica. Mais do que apresentar respostas, diz, o objetivo do trabalho é pautar o debate do empreendedorismo.


No evento de lançamento do estudo, no auditório da Codeplan, o superintendente do Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas no Distrito Federal (Sebrae-DF), Valdir Oliveira, afirmou que a principal meta da entidade de 2015 a 2018 foi estabelecida pelo governador Rodrigo Rollemberg: fortalecer a atuação fora do Plano Piloto. Embora apenas 6,32% dos autônomos, profissionais liberais e empregadores do DF estejam no Plano Piloto, é nessa região administrativa que o Sebrae faz 32% dos atendimentos.

"Na nossa posse, o compromisso com o Rollemberg foi o de descentralizar", lembrou Oliveira, referindo-se ao evento de 5 de janeiro, quando tomaram posse a diretoria e o conselho administrativo do Sebrae-DF. Uma das prioridades da entidade é aumentar a presença em Ceilândia, Samambaia, Taguatinga e adjacências. As regiões administrativas agregam 40,99% dos empreendedores do DF – ou 122 mil profissionais. O atendimento digital, segundo o superintendente do Sebrae-DF, será o meio de alcançar o máximo possível de pessoas.


Onde estão os empreendedores do Distrito Federal
(Autônomos, profissionais liberais e empregadores)

Plano Piloto - 18.903 - 6,32%

Lago Norte, Lago Sul e Varjão - 9.762 - 3,26%
SIA, Estrutural, Cruzeiro, Sudoeste, Octogonal e Guará - 27.140 - 9,07%
Núcleo Bandeirante, Park Way, Candangolândia e Riacho Fundo - 12.110 - 4,05%
Taguatinga – 25.125 - 8,43%
Águas Claras e Vicente Pires - 24.295 - 8,12%
Ceilândia e Brazlândia - 56.218 - 18,79%
Samambaia, Recanto das Emas e Riacho Fundo II - 41.390 - 13,83%
Sobradinho I e II e Fercal - 17.492 - 5,85%
Planaltina - 14.754 - 4,93%
Paranoá e Itapoã - 12.234 - 4,09%
Gama e Santa Maria - 24.227 - 8,1%
São Sebastião e Jardim Botânico - 15.441 - 5,16%


A força de trabalho do DF

Empregado com carteira assinada - 617.095
Autônomo - 278.748
Servidor público - 194.168
Empregado sem carteira assinada - 81.471
Estagiário - 16.701
Empregador - 13.126
Profissional liberal - 7.309
Ocupante de cargo comissionado - 4.763
Empregado temporário - 4.045
Aprendiz - 1.189
Trabalhador não remunerado - 373
Subtotal - 1.218.988

Não trabalha - 1.215.174
Menor de 10 anos - 352.107
Total - 2.786.648

Fonte: CODEPLAN
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

TAGUATINGA ESTÁ COM 12OO VAGAS EM SEIS CURSOS

Com o objetivo de apoiar o trabalho de lideranças comunitárias, a Administração Regional de Taguatinga, tem o programa Escola da Comunidade, um espaço voltado para a promoção de cursos e palestras para zeladores, porteiros, síndicos, prefeitos comunitários e membros de associações de moradores. A Escola da Comunidade está com inscrições abertas para cursos de formação em cursos de formação de prefeito comunitário, síndico profissional, direito condominial, engenharia condominial, agente de portaria e primeiros socorros.


Andréa Serra, uma ex-aluna do curso de formação para síndicos, aprovou a iniciativa da escola e hoje usa o que aprendeu na gestão de seu condomínio. “Com as palestras de direito e dos engenheiros pude saber mais sobre legislação e engenharia, o que eu estou aplicando em meu condomínio”. O administrador de Taguatinga, Ricardo Lustosa Jacobina afirma que a iniciativa é um programa de sucesso da administração de Taguatinga. “A Escola da Comunidade é uma conquista de toda a p…

CONCURSO PARA CÃMARA LEGISLATIVA TERÁ 100 MIL CANDIDATOS

O tão esperado edital de abertura do concurso da Câmara Legislativa do Distrito Federal (CLDF) deverá ser lançado até o mês de agosto. A informação foi divulgada pela própria Casa, que assinou o contrato com a Fundação Carlos Chagas (FCC) na última sexta-feira (7/7). Mas a espera pela distribuição das vagas nos cargos não é mais necessária. Veja abaixo para quais áreas serão destinadas as 86 oportunidades: divididas entre os cargos de técnico, consultor técnico, consultor e procurador.
O presidente da Câmara, deputado Joe Valle (PDT), espera que o concurso selecione os candidatos mais interessados em fazer carreira na casa, que tem atualmente o salário inicial de nível médio em R$ 10.143,07 e de nível superior em R$ 15.123,30. Segundo ele, a expectativa é de mais de 100 mil candidatos inscritos. Leia também:Mais de 15 mil vagas serão abertas no país até dezembro De acordo com a Casa, não haverá gastos para a realização do certame, pois a seleção será totalmente custeada pelos valores …

O SERVIDOR QUE ESPERA AUMENTO EM OUTUBRO "PODE TIRAR O CAVALINHO DACHUVA"

Escrevo este post com a profunda vontade de estar errado, todavia não sou tão otimista assim. A categoria funcional vinculada ao Governo Do Distrito Federal deverá ter uma visão de águia e planejar qualitativamente suas finanças nos próximos meses. Todos nós temos uma tendência em contar com o "ovo dentro da galinha" e realizar despesas ou pagar dívidas com créditos a receber.
O GDF tem se lastreado e se calçado por uma única linha de defesa e planejamento de governança, a Lei de Responsabilidade Fiscal. Não há outra ação propositiva concreta de desenvolvimento econômico para a capital. A "muleta" utilizada só é esquecida quando o governo anterior, o de Agnelo, se sobre põe ao atual na ingerência econômica social.
Vivemos uma crise, nisso não há novidade. Vivemos uma caos não há novidade alguma nisso. A novidade é na desculpa utilizada para justificar ações sem prumo. Falar que arrecadação não tem suprido as expectativas já não justifica o intenso e sistemático discu…