Pular para o conteúdo principal

A presença feminina na política



A presença feminina na política
Por Luzia de Paula
No próximo domingo (8) comemoramos o Dia Internacional da Mulher. A data de 8 de março é associada a um fato histórico que teria dado origem à comemoração, que foi um incêndio onde dezenas de mulheres foram mortas numa fábrica têxtil e ocorreu em Nova York. Na ocasião as mulheres lutavam por melhorias no ambiente de trabalho e apesar de algumas conquistas vemos que as mulheres continuam lutando pelos mesmos motivos, ano após ano. As desigualdades no mercado de trabalho, nas famílias e em outras esferas sociais ainda hoje estão presentes.
Na política a grande barreira para a participação das mulheres é a própria estrutura partidária. Os partidos não garantem condições para as mulheres concorrerem em pé de igualdade com os homens.
Os principais motivos para as mulheres não se candidatarem são: a falta de apoio dos partidos políticos, a falta de interesse por política, a dificuldade de concorrer com os homens, além da falta de apoio familiar.
O fato dos brasileiros já terem eleito uma mulher para Presidência da República fortaleceu a participação feminina na política nacional, o que influência o eleitorado a escolher mais mulheres. O eleitorado está disposto a votar em mais mulheres e não considera o sexo do candidato na hora de optar pelo voto.
A eleição de 2014 foi a primeira que a cota feminina de 30% foi cumprida por todos os partidos, chegando a 31%. Para isso foi necessário uma resolução do Tribunal Superior Eleitoral que permitisse que fosse negado o registro da chapa que estivesse fora da regra.
É necessário que o Ministério Público Federal fiscalize as campanhas e evite o que considero ser "candidaturas-laranja", que apenas inclui as mulheres para ficar dentro da lei, sem dar estrutura para competir realmente.
Somos mais de 50% da população e do eleitorado, respondemos por mais de 45% da produção deste país e pelo sustento de 1/3 das famílias, mas todo esse protagonismo não reflete na nossa representação política. O problema tem sua raiz na discriminação que as brasileiras sempre sofreram em todo processo histórico.
Uma das etapas para vencer este preconceito seria uma maior inserção das mulheres na propaganda partidária que os partidos políticos têm direito. Isso não mudará da noite para o dia, pois é um processo de longo prazo, onde os percentuais de recursos e de tempo de propaganda previstos devem ser melhor distribuídos entre homens e mulheres.
A minirreforma eleitoral de 2009 ainda incluiu que a propaganda dos partidos deve difundir a participação feminina na política. O tempo mínimo obrigatório para isso é de 10% do total reservado a cada legenda que fica abaixo dos 30% exigidos nas candidaturas e dos mais de 50% que é a estatística feminina no pais. O que só comprova toda essa desigualdade.
O maior reconhecimento e a melhor homenagem são o respeito e o amor diário. O dia 8 de março serve para comemorar, para relembrar e principalmente para nos conscientizar a continuar lutando por melhores espaços na sociedade.

Postagens mais visitadas deste blog

TAGUATINGA ESTÁ COM 12OO VAGAS EM SEIS CURSOS

Com o objetivo de apoiar o trabalho de lideranças comunitárias, a Administração Regional de Taguatinga, tem o programa Escola da Comunidade, um espaço voltado para a promoção de cursos e palestras para zeladores, porteiros, síndicos, prefeitos comunitários e membros de associações de moradores. A Escola da Comunidade está com inscrições abertas para cursos de formação em cursos de formação de prefeito comunitário, síndico profissional, direito condominial, engenharia condominial, agente de portaria e primeiros socorros.


Andréa Serra, uma ex-aluna do curso de formação para síndicos, aprovou a iniciativa da escola e hoje usa o que aprendeu na gestão de seu condomínio. “Com as palestras de direito e dos engenheiros pude saber mais sobre legislação e engenharia, o que eu estou aplicando em meu condomínio”. O administrador de Taguatinga, Ricardo Lustosa Jacobina afirma que a iniciativa é um programa de sucesso da administração de Taguatinga. “A Escola da Comunidade é uma conquista de toda a p…

CONCURSO PARA CÃMARA LEGISLATIVA TERÁ 100 MIL CANDIDATOS

O tão esperado edital de abertura do concurso da Câmara Legislativa do Distrito Federal (CLDF) deverá ser lançado até o mês de agosto. A informação foi divulgada pela própria Casa, que assinou o contrato com a Fundação Carlos Chagas (FCC) na última sexta-feira (7/7). Mas a espera pela distribuição das vagas nos cargos não é mais necessária. Veja abaixo para quais áreas serão destinadas as 86 oportunidades: divididas entre os cargos de técnico, consultor técnico, consultor e procurador.
O presidente da Câmara, deputado Joe Valle (PDT), espera que o concurso selecione os candidatos mais interessados em fazer carreira na casa, que tem atualmente o salário inicial de nível médio em R$ 10.143,07 e de nível superior em R$ 15.123,30. Segundo ele, a expectativa é de mais de 100 mil candidatos inscritos. Leia também:Mais de 15 mil vagas serão abertas no país até dezembro De acordo com a Casa, não haverá gastos para a realização do certame, pois a seleção será totalmente custeada pelos valores …

O SERVIDOR QUE ESPERA AUMENTO EM OUTUBRO "PODE TIRAR O CAVALINHO DACHUVA"

Escrevo este post com a profunda vontade de estar errado, todavia não sou tão otimista assim. A categoria funcional vinculada ao Governo Do Distrito Federal deverá ter uma visão de águia e planejar qualitativamente suas finanças nos próximos meses. Todos nós temos uma tendência em contar com o "ovo dentro da galinha" e realizar despesas ou pagar dívidas com créditos a receber.
O GDF tem se lastreado e se calçado por uma única linha de defesa e planejamento de governança, a Lei de Responsabilidade Fiscal. Não há outra ação propositiva concreta de desenvolvimento econômico para a capital. A "muleta" utilizada só é esquecida quando o governo anterior, o de Agnelo, se sobre põe ao atual na ingerência econômica social.
Vivemos uma crise, nisso não há novidade. Vivemos uma caos não há novidade alguma nisso. A novidade é na desculpa utilizada para justificar ações sem prumo. Falar que arrecadação não tem suprido as expectativas já não justifica o intenso e sistemático discu…