Pular para o conteúdo principal

Governador explica parcerias e reforça que privatizar está fora de cogitação

O governo de Brasília apresentou na manhã desta quarta-feira (17) o decreto que regulamenta a participação de empresários na gestão de bens públicos ou na construção de equipamentos e infraestrutura. Os mecanismos aplicáveis são parcerias público-privadas (PPPs), concessões, arrendamentos e permissões. Privatizações estão descartadas.

"Todos sabem que os governos estão com uma baixa capacidade de investimento, e a forma mais inteligente de promovê-los é por meio de parcerias com a iniciativa privada", justificou o governador Rodrigo Rollemberg. Ele explicou que o objetivo é ampliar a quantidade e a qualidade dos serviços oferecidos aos brasilienses.

A principal inovação do decreto, que deve ser publicado até amanhã (18) no Diário Oficial do Distrito Federal, é regulamentar a manifestação de interesse privado, em que a iniciativa de parceria parte do empreendedor. Caso avalie positivamente a proposta para concessão de uma determinada área, por exemplo, o Estado abre uma licitação para tentar concretizá-la.

Outra normatização importante é a do procedimento de manifestação de interesse. Nesse caso, o governo anuncia as áreas para as quais deseja obter propostas. Estudos pagos pela iniciativa privada são analisados e aperfeiçoados pela administração pública, que abre licitação se achar conveniente.

Nas duas situações elencadas, caso a empresa autora dos estudos não seja a vencedora da licitação, é previsto um ressarcimento de até 2,5% do valor do contrato. "Não há despesa alguma para o governo, porque todos os projetos são pagos pela iniciativa privada", reforçou o governador.

Prioridades
Rollemberg deixa claro que qualquer área pode ser alvo de projetos, mesmo educação e saúde, sem que o Estado deixe suas obrigações de lado. "Temos compromisso com o Sistema Único de Saúde, mas isso não nos impede, por exemplo, de fazer uma PPP para a construção de um hospital", explicou. "Tudo será examinado caso a caso."


Rodrigo Rollemberg: Governador de Brasília 
Algumas parcerias possíveis citadas pelo governador dizem respeito ao Centro de Convenções Ulysses Guimarães, aos Parques da Cidade e Burle Marx, e ao complexo esportivo que inclui o Estádio Nacional Mané Garrincha, o Ginásio Nilson Nelson e o Autódromo Internacional Nelson Piquet. A construção de vias urbanas e corredores de ônibus e a ampliação do Metrô são outros exemplos viáveis.

Sem privatizações
Como deixou claro o governador, "não há nenhum interesse em privatizar nada". "Quando você privatiza um bem, você o vende; quando faz uma concessão, permite algum tipo de exploração comercial ou a realização de um serviço por uma remuneração, com condições estabelecidas."

Rollemberg usou o Parque Burle Marx, na Asa Norte, como exemplo dos tipos de remuneração possíveis. Caso uma parceria seja fechada para a implementação efetiva do local, a empresa ou o consórcio responsável pelos investimentos poderá explorar os espaços destinados a comércio durante um determinado período de tempo, que varia de contrato para contrato. No Parque da Cidade, o empreendedor poderá manter a infraestrutura e reformar a piscina de ondas, por exemplo, em troca da exploração comercial de quiosques e restaurantes.

Também participaram do lançamento do decreto os secretários de Economia e Desenvolvimento Sustentável, Arthur Bernardes, de Fazenda, Leonardo Colombini, de Planejamento, Orçamento e Gestão, Leany Lemos, e de Gestão Administrativa e Desburocratização, Antonio Paulo Vogel, além da procuradora-geral do DF, Paola Aires.

Agência Brasília

Postagens mais visitadas deste blog

TAGUATINGA ESTÁ COM 12OO VAGAS EM SEIS CURSOS

Com o objetivo de apoiar o trabalho de lideranças comunitárias, a Administração Regional de Taguatinga, tem o programa Escola da Comunidade, um espaço voltado para a promoção de cursos e palestras para zeladores, porteiros, síndicos, prefeitos comunitários e membros de associações de moradores. A Escola da Comunidade está com inscrições abertas para cursos de formação em cursos de formação de prefeito comunitário, síndico profissional, direito condominial, engenharia condominial, agente de portaria e primeiros socorros.


Andréa Serra, uma ex-aluna do curso de formação para síndicos, aprovou a iniciativa da escola e hoje usa o que aprendeu na gestão de seu condomínio. “Com as palestras de direito e dos engenheiros pude saber mais sobre legislação e engenharia, o que eu estou aplicando em meu condomínio”. O administrador de Taguatinga, Ricardo Lustosa Jacobina afirma que a iniciativa é um programa de sucesso da administração de Taguatinga. “A Escola da Comunidade é uma conquista de toda a p…

CONCURSO PARA CÃMARA LEGISLATIVA TERÁ 100 MIL CANDIDATOS

O tão esperado edital de abertura do concurso da Câmara Legislativa do Distrito Federal (CLDF) deverá ser lançado até o mês de agosto. A informação foi divulgada pela própria Casa, que assinou o contrato com a Fundação Carlos Chagas (FCC) na última sexta-feira (7/7). Mas a espera pela distribuição das vagas nos cargos não é mais necessária. Veja abaixo para quais áreas serão destinadas as 86 oportunidades: divididas entre os cargos de técnico, consultor técnico, consultor e procurador.
O presidente da Câmara, deputado Joe Valle (PDT), espera que o concurso selecione os candidatos mais interessados em fazer carreira na casa, que tem atualmente o salário inicial de nível médio em R$ 10.143,07 e de nível superior em R$ 15.123,30. Segundo ele, a expectativa é de mais de 100 mil candidatos inscritos. Leia também:Mais de 15 mil vagas serão abertas no país até dezembro De acordo com a Casa, não haverá gastos para a realização do certame, pois a seleção será totalmente custeada pelos valores …

O SERVIDOR QUE ESPERA AUMENTO EM OUTUBRO "PODE TIRAR O CAVALINHO DACHUVA"

Escrevo este post com a profunda vontade de estar errado, todavia não sou tão otimista assim. A categoria funcional vinculada ao Governo Do Distrito Federal deverá ter uma visão de águia e planejar qualitativamente suas finanças nos próximos meses. Todos nós temos uma tendência em contar com o "ovo dentro da galinha" e realizar despesas ou pagar dívidas com créditos a receber.
O GDF tem se lastreado e se calçado por uma única linha de defesa e planejamento de governança, a Lei de Responsabilidade Fiscal. Não há outra ação propositiva concreta de desenvolvimento econômico para a capital. A "muleta" utilizada só é esquecida quando o governo anterior, o de Agnelo, se sobre põe ao atual na ingerência econômica social.
Vivemos uma crise, nisso não há novidade. Vivemos uma caos não há novidade alguma nisso. A novidade é na desculpa utilizada para justificar ações sem prumo. Falar que arrecadação não tem suprido as expectativas já não justifica o intenso e sistemático discu…