Pular para o conteúdo principal

O silêncio de um falastrão

Opinião

Quem conhece a história, rica do ex-ministro José Dirceu, não se incomodou com a postura dele ao se esconder por detrás da orientação de seu advogado, a de ficar calado, pelo menos em parte já que quem cala consente e neste caso quem cala é culpado. Ora, tudo indica que o Titã do comunismo tupiniquim está se remoendo por dentro. Homem e dirigente partidário extremamente vaidoso no decorrer de sua história vive hoje um dilema: fica na história, não como um “revolucionário” que mudou o Brasil para melhor, como pregava em seus acalorados discursos de estudante na década de 60. 

O fato é que a casa caiu pra ele. E se vamos ver o seu poder ser dizimado, ainda não sabemos, pois afinal ele sabe muito e conduziu o Partido dos Trabalhadores num projeto de poder que se perpetua por quase duas décadas. 




Hamilton Silva: Blogueiro


Na verdade todos nós devíamos agradecer por seu silêncio, devíamos proibir de emitir sua opinião sobre o nosso tão amado Brasil, mas ele devia ser obrigado a falar tudo o que sabe, devia entregar toda a quadrilha que surrupiou nosso país. durante anos ouvimos muito desse senhor projetos de como desenvolver nossa sociedade, o sabe tudo, hoje não sabe nada.

Por muitos anos esse senhor influenciou e influencia alguns “borra botas” assentados no Congresso Nacional. Como já afirmei em outros textos, nosso problema não passa por uma ou outra personalidade da tão corrompida política. “Corrupção Sistêmica” termo utilizado para definir nossa atual conjuntura, o mais correto que já ouvi. Enraizada na personalidade e caráter de muitos brasileiros se sobrepõe à vontade da maioria honesta, trabalhadora e consciente do papel de cidadão.  

Toda via o problema não se desenvolve numa única personalidade ou sistema (político, econômico e social). Se desenvolveu numa sistemática implementada lá atrás, em nossa educação, na falta de moral dos responsáveis pela nossa educação, hoje chamados de gestores. Todos nós sobrevivemos até aqui. Achincalharam com nossas finanças públicas e destruíram boa parcela de nossa esperança. Mas não conseguiram apodrecer nossa indignação, não conseguiram romper com nossa vocação de ser Grande. Venceremos.

Postagens mais visitadas deste blog

TAGUATINGA ESTÁ COM 12OO VAGAS EM SEIS CURSOS

Com o objetivo de apoiar o trabalho de lideranças comunitárias, a Administração Regional de Taguatinga, tem o programa Escola da Comunidade, um espaço voltado para a promoção de cursos e palestras para zeladores, porteiros, síndicos, prefeitos comunitários e membros de associações de moradores. A Escola da Comunidade está com inscrições abertas para cursos de formação em cursos de formação de prefeito comunitário, síndico profissional, direito condominial, engenharia condominial, agente de portaria e primeiros socorros.


Andréa Serra, uma ex-aluna do curso de formação para síndicos, aprovou a iniciativa da escola e hoje usa o que aprendeu na gestão de seu condomínio. “Com as palestras de direito e dos engenheiros pude saber mais sobre legislação e engenharia, o que eu estou aplicando em meu condomínio”. O administrador de Taguatinga, Ricardo Lustosa Jacobina afirma que a iniciativa é um programa de sucesso da administração de Taguatinga. “A Escola da Comunidade é uma conquista de toda a p…

O SERVIDOR QUE ESPERA AUMENTO EM OUTUBRO "PODE TIRAR O CAVALINHO DACHUVA"

Escrevo este post com a profunda vontade de estar errado, todavia não sou tão otimista assim. A categoria funcional vinculada ao Governo Do Distrito Federal deverá ter uma visão de águia e planejar qualitativamente suas finanças nos próximos meses. Todos nós temos uma tendência em contar com o "ovo dentro da galinha" e realizar despesas ou pagar dívidas com créditos a receber.
O GDF tem se lastreado e se calçado por uma única linha de defesa e planejamento de governança, a Lei de Responsabilidade Fiscal. Não há outra ação propositiva concreta de desenvolvimento econômico para a capital. A "muleta" utilizada só é esquecida quando o governo anterior, o de Agnelo, se sobre põe ao atual na ingerência econômica social.
Vivemos uma crise, nisso não há novidade. Vivemos uma caos não há novidade alguma nisso. A novidade é na desculpa utilizada para justificar ações sem prumo. Falar que arrecadação não tem suprido as expectativas já não justifica o intenso e sistemático discu…

ECONOMIA E A LEI DA ESCASSEZ

Em Economia tudo se resume a uma restrição quase que física - a lei da escassez, isto é, produzir o máximo de bens e serviços a partir dos recursos escassos disponíveis a cada sociedade. Se uma quantidade infinita de cada bem pudesse ser produzida, se os desejos humanos pudessem ser completamente satisfeitos, não importaria que uma quantidade excessiva de certo bem fosse de fato produzida. Nem importaria que os recursos disponíveis: trabalho, terra e capital (este deve ser entendido como máquinas, edifícios, matérias-primas etc.) fossem combinados irracionalmente para produção de bens. Não havendo o problema da escassez, não faz sentido se falar em desperdício ou em uso irracional dos recursos e na realidade só existiriam os "bens livres". Bastaria fazer um pedido e, pronto, um carro apareceria de graça.
Na realidade, ocorre que a escassez dos recursos disponíveis acaba por gerar a escassez dos bens - chamados "bens econômicos". Por exemplo: as jazidas de minério de…