Pular para o conteúdo principal

REDE SUSTENTABILIDADE promove ato de filiação com Marina Silva e a bancada distrital

A REDE SUSTENTABILIDADE promove um ato político de apresentação de seus representantes na Câmara Legislativa do Distrito Federal com a presença da ex-senadora Marina Silva. O evento será realizado na quarta-feira (7), às 19h, no Auditório da CLDF. A bancada é formada pelos deputados Luzia de Paula, Claudio Abrantes e Chico Leite. Também estarão presentes lideranças locais e nacionais da REDE, como Pedro Ivo, Coordenador de Organização Nacional. São esperadas cerca de 400 pessoas ao ato.

A REDE teve o seu registro aprovado pelo TSE (Tribunal Superior Eleitoral) no dia 22 de setembro e passou a ser oficialmente um partido político. O registro foi aprovado por unanimidade após brilhante sustentação oral do ex-ministro Sepúlveda Pertence, que advoga para a Rede desde a retomada do processo. Na ocasião do registro, os outros seis ministros acompanharam o relator, João Otávio Noronha, que foi favorável à criação da REDE. O magistrado levou em consideração o parecer expedido pela Procuradoria-Geral Eleitoral, também a favor do registro do partido. Com a medida, o partido já estará apto a participar das próximas eleições de 2016, quando serão escolhidos prefeitos e vereadores.

No Distrito Federal, a REDE começa com uma bancada de três deputados distritais na Câmara Legislativa, atuantes e ficha limpa, com trabalho reconhecido pela população de Brasília.

“A REDE se consolida num momento em que são graves os problemas relacionados ao desgaste da política – dos políticos e do sistema de representação. Na contramão desse cenário, a Rede se apresenta como um partido a serviço da sociedade, que busca mudanças profundas no sistema político, e luta pela construção integral da democracia no país e por um modelo de desenvolvimento baseado nas cinco principais dimensões que se fundem no que chamamos de sustentabilidade: a ética, a ambiental, a social, a política e a econômica”, destaca Luzia de Paula.

Para Claudio Abrantes, como partido político, a Rede se coloca a serviço de pessoas que não aceitam mais serem espectadoras de decisões e ações feitas à revelia da sociedade. Que não aceitam mais serem apenas eleitores constrangidos a um voto insatisfeito e desanimado. Que não querem ter mais a sensação ruim de impotência diante da arrogância de quem imagina o poder político como sua propriedade, de sua família e de seu grupo. Com raízes na trajetória de lutas do campo socioambiental, a Rede fez a ponte entre as demandas por justiça e direitos sociais e humanos e o movimento contra o uso abusivo do ambiente natural, demonstrando que estes são inseparáveis e somente sua união pode responder às grandes questões do presente.

Líder da bancada na Câmara Legislativa, Chico Leite lembra que a REDE já vem lutando por uma nova forma de fazer política e agora passa a buscar seu caminho como uma nova força política no Brasil e no Distrito Federal. “Esse trabalho será marcado pelo rompimento com práticas atrasadas e resistentes que têm sugado as energias, os recursos e o esforço diário de milhões de brasileiros, manipulando-os em favor de projetos de poder, de uso privado das riquezas públicas e de ocupação abusiva e antidemocrática das instituições do Estado”, destaca.

“A REDE é um esforço para atualizar a política. Queremos colocar a questão da sustentabilidade no centro da discussão, no desenvolvimento econômico e social do nosso país. A sustentabilidade é o grande debate que o mundo e o Brasil precisam”, comemorou a ex-senadora Marina Silva.

“E agora uma das questões mais urgentes dessa agenda é a sustentabilidade política. A Rede não tem a pretensão de ser a dona da verdade, mas quer dar sua contribuição para o debate. Queremos que a governabilidade seja programática, baseada em programas, não em projeto de poder pelo poder”, avaliou Marina.



COLETA DE ASSINATURAS

Durante o ato, também será realizada a coleta de assinaturas para a iniciativa do Ministério Público Federal (MPF), “10 Medidas contra a corrupção”. A campanha tem por objetivo convocar toda a população a apoiar e defender as medidas, conclamando o Congresso para que promova as alterações estruturais e sistêmicas necessárias para prevenir e reprimir a corrupção de modo adequado.



Perfil Luzia de Paula

Luzia de Paula mora no Distrito Federal há mais de 40 anos. Fundou em Ceilândia um conjunto de creches que hoje atendem mais de 1.000 crianças e existem há 30 anos. Nessas creches os pequeninos são tratados com amor, respeito, dignidade, e contam com educação de qualidade, ou seja, recebem o suporte necessário à construção de um futuro promissor para elas e suas famílias.

No exercício do mandato parlamentar apresentou mais de 1.700 propostas. É autora das emendas ao Plano Plurianual e ao PDOT que garantiram a reserva de recursos e de terrenos para a construção de creches públicas em todo o Distrito Federal. Participou efetivamente do movimento que evitou a desativação do Sesi Ceilândia e que possibilitou a sua transformação em escola parque e escola de música públicas, as primeiras fora do Plano Piloto.

É autora da emenda à Lei Orgânica que destina três décimos da receita tributária do Distrito Federal para o Fundo dos Direitos da Criança e do Adolescente. A emenda aumenta em mais de 45 vezes os recursos destinados à proteção das crianças e dos adolescentes, passando de 900 mil para mais 45 milhões de reais.

O compromisso de Luzia de Paula é com as crianças, com as famílias e com você.



Perfil Claudio Abrantes

Policial civil, ator e professor, Claudio Abrantes retornou à Câmara Legislativa em agosto de 2015 para seu terceiro mandato parlamentar.

O deputado assumiu como suplente em 2009, por nove meses, foi eleito em 2010 e distrital nos quatro anos da última legislatura.

Nascido em Catolé do Rocha, na Paraíba, o parlamentar foi criado em Planaltina, onde ficou conhecido por encenar por mais de dez anos como Jesus na Paixão de Cristo, no Morro da Capelinha.

Em seus mandatos, sempre defendeu as bandeiras da cultura, educação, segurança, regularização fundiária e igualdade racial.

A atuação de Claudio Abrantes sempre foi marcada pela transparência e respeito pela sociedade. Ele foi eleito, nos três últimos anos, o parlamentar líder em transparência pela ONG Adote um Distrital.

Foi Abrantes que relatou projetos como o Passe Livre Estudantil, que garantiu que estudantes se deslocassem sem custo, e o Jovem Candango, que já empregou mais de 2 mil jovens de 14 a 18 anos que estudam em escola pública.

Também é de Abrantes a relatoria do projeto Plano Diretor de Transporte Urbano (PDTU), que acabou com a máfia do transporte e renovou a frota dos ônibus, e do Plano Diretor de Ordenamento Territorial (PDOT), que cria regras para instalação de diversas áreas econômicas e de habitação no DF.

No âmbito da Cultura, o distrital de Planaltina relatou a Lei de Incentivo à Cultura (LIC), que aumentou a gama de recursos para produtores culturais e criou uma forma no Distrito Federal para que empresários incentivem eventos culturais, priorizando e dando preferência aos projetos de pequenos produtores.



Perfil Chico Leite

Chico Leite é procurador de Justiça de carreira e professor de direito penal e começou sua carreira política, ainda na Ceilândia, quando criou a CASA DE JUSTIÇA E CIDADANIA, que alfabetizava adultos e oferecia assistência jurídica a hipossuficientes, e foi coautor dos programas "Paz na Escola" e "Paz no Trânsito".

No parlamento, notabilizou-se pela fiscalização dos gastos públicos e pela defesa do meio ambiente e da ordem urbanística, com leis como a do zoneamento ecológico-econômico e a da exigência de audiência pública para alteração da destinação de terras públicas, de defesa do consumidor, como a obrigatoriedade de certidão negativa do Procon para participar de licitações, e da juventude e do serviço público, como a lei geral dos concursos. Atua também firmemente na luta pela ética na política, com leis como a que veda o nepotismo, acaba com a imunidade parlamentar e torna a ficha limpa requisito indispensável ao exercício de cargo público, além da recente proposição que veda a contratação pelo GDF e pela Casa Legislativa de empresas de parlamentares ou de parentes seus até o terceiro grau. Atua também na causa da transparência, sendo autor da emenda pioneira no Brasil que, em 2006, acabou com o voto secreto parlamentar, e das leis da Lista Limpa da Habitação e de Acesso à Informações no plano do DF, que compele os poderes Executivo e Legislativo a divulgarem suas contas na internet.



Postagens mais visitadas deste blog

TAGUATINGA ESTÁ COM 12OO VAGAS EM SEIS CURSOS

Com o objetivo de apoiar o trabalho de lideranças comunitárias, a Administração Regional de Taguatinga, tem o programa Escola da Comunidade, um espaço voltado para a promoção de cursos e palestras para zeladores, porteiros, síndicos, prefeitos comunitários e membros de associações de moradores. A Escola da Comunidade está com inscrições abertas para cursos de formação em cursos de formação de prefeito comunitário, síndico profissional, direito condominial, engenharia condominial, agente de portaria e primeiros socorros.


Andréa Serra, uma ex-aluna do curso de formação para síndicos, aprovou a iniciativa da escola e hoje usa o que aprendeu na gestão de seu condomínio. “Com as palestras de direito e dos engenheiros pude saber mais sobre legislação e engenharia, o que eu estou aplicando em meu condomínio”. O administrador de Taguatinga, Ricardo Lustosa Jacobina afirma que a iniciativa é um programa de sucesso da administração de Taguatinga. “A Escola da Comunidade é uma conquista de toda a p…

O SERVIDOR QUE ESPERA AUMENTO EM OUTUBRO "PODE TIRAR O CAVALINHO DACHUVA"

Escrevo este post com a profunda vontade de estar errado, todavia não sou tão otimista assim. A categoria funcional vinculada ao Governo Do Distrito Federal deverá ter uma visão de águia e planejar qualitativamente suas finanças nos próximos meses. Todos nós temos uma tendência em contar com o "ovo dentro da galinha" e realizar despesas ou pagar dívidas com créditos a receber.
O GDF tem se lastreado e se calçado por uma única linha de defesa e planejamento de governança, a Lei de Responsabilidade Fiscal. Não há outra ação propositiva concreta de desenvolvimento econômico para a capital. A "muleta" utilizada só é esquecida quando o governo anterior, o de Agnelo, se sobre põe ao atual na ingerência econômica social.
Vivemos uma crise, nisso não há novidade. Vivemos uma caos não há novidade alguma nisso. A novidade é na desculpa utilizada para justificar ações sem prumo. Falar que arrecadação não tem suprido as expectativas já não justifica o intenso e sistemático discu…

ECONOMIA E A LEI DA ESCASSEZ

Em Economia tudo se resume a uma restrição quase que física - a lei da escassez, isto é, produzir o máximo de bens e serviços a partir dos recursos escassos disponíveis a cada sociedade. Se uma quantidade infinita de cada bem pudesse ser produzida, se os desejos humanos pudessem ser completamente satisfeitos, não importaria que uma quantidade excessiva de certo bem fosse de fato produzida. Nem importaria que os recursos disponíveis: trabalho, terra e capital (este deve ser entendido como máquinas, edifícios, matérias-primas etc.) fossem combinados irracionalmente para produção de bens. Não havendo o problema da escassez, não faz sentido se falar em desperdício ou em uso irracional dos recursos e na realidade só existiriam os "bens livres". Bastaria fazer um pedido e, pronto, um carro apareceria de graça.
Na realidade, ocorre que a escassez dos recursos disponíveis acaba por gerar a escassez dos bens - chamados "bens econômicos". Por exemplo: as jazidas de minério de…