Pular para o conteúdo principal

Todos são parciais

"Todo ser humano tem direito, em plena igualdade, a uma justa e pública audiência por parte de um tribunal independente e imparcial, para decidir sobre seus direitos e deveres ou do fundamento de qualquer acusação criminal contra ele”. ( Declaração Universal dos Direitos Humanos § X ) 

Não encontro (im)parcialidade, apesar de não ser jurista, nos atos competentes do excelentíssimo senhor juiz Moro, afinal isso é princípio constitucional. O processo não foi contaminado pelo vício nem muito menos foi politizado. Todas as ações são respaldadas pelo rito, processo e até execução das ações. O que enxergo como mero espectador e admirador da verdade, principalmente dos agentes públicos, é a cumplicidade ao dever de zelar pela "Coisa Pública". Poderá sim, qualquer indivíduo investido de vaidades, uma vez ao menos falhar, todavia o trabalho do Exmo. Juiz aponta  para a elucidação e promoção de justiça.
 
Opinião de blogueiro sobre economia e política - imparcialidade
Hamilton Silva: Economista e blogueiro
Caro leitor creio não existir nenhuma pessoa ou instituição totalmente parcial, porque todos têm seus interesses e invariavelmente pendem para um lado ou outro. A mídia escrita ou falada e principalmente, a Internet está contaminada pela parcialidade. 

Não é o caso do processo citado, haja vista, que uma dezena de pessoas foram trancafiadas e submetidas ao devido lugar, condenadas pelos seus atos ilícitos, neste caso o da Lava Jato. Muito me admira uma parte dos "partidos" da sociedade clamar por justiça e imparcialidade e não ao golpe, quando na verdade, tenta-se ludibriar a inteligência e a tentativa de esclarecimento de todos os fatos com mentiras enraizadas na parcialidade Gramsciniana. 

O povo tem o governo que elege cujo reflexo é espelho de quem os elegeu. E por fim a “parcialidade positiva do juiz” tem por finalidade a efetivação material dos princípios fundamentais previstos na Constituição Federal.  

É utópico pretender-se que o juiz não seja cidadão, que não se vincule a certa ordem de ideias que não compreendam o mundo segundo uma visão nitidamente personalíssima e individual. Os juízes, como pessoas de seu tempo, são plenamente partícipes de uma mentalidade ideológica muitas vezes perniciosa a uma dada sociedade. Tendo em vista inexistir “neutralidade” ideológica.  

Acredite amigo, as coisas podem piorar.

Postagens mais visitadas deste blog

TAGUATINGA ESTÁ COM 12OO VAGAS EM SEIS CURSOS

Com o objetivo de apoiar o trabalho de lideranças comunitárias, a Administração Regional de Taguatinga, tem o programa Escola da Comunidade, um espaço voltado para a promoção de cursos e palestras para zeladores, porteiros, síndicos, prefeitos comunitários e membros de associações de moradores. A Escola da Comunidade está com inscrições abertas para cursos de formação em cursos de formação de prefeito comunitário, síndico profissional, direito condominial, engenharia condominial, agente de portaria e primeiros socorros.


Andréa Serra, uma ex-aluna do curso de formação para síndicos, aprovou a iniciativa da escola e hoje usa o que aprendeu na gestão de seu condomínio. “Com as palestras de direito e dos engenheiros pude saber mais sobre legislação e engenharia, o que eu estou aplicando em meu condomínio”. O administrador de Taguatinga, Ricardo Lustosa Jacobina afirma que a iniciativa é um programa de sucesso da administração de Taguatinga. “A Escola da Comunidade é uma conquista de toda a p…

O SERVIDOR QUE ESPERA AUMENTO EM OUTUBRO "PODE TIRAR O CAVALINHO DACHUVA"

Escrevo este post com a profunda vontade de estar errado, todavia não sou tão otimista assim. A categoria funcional vinculada ao Governo Do Distrito Federal deverá ter uma visão de águia e planejar qualitativamente suas finanças nos próximos meses. Todos nós temos uma tendência em contar com o "ovo dentro da galinha" e realizar despesas ou pagar dívidas com créditos a receber.
O GDF tem se lastreado e se calçado por uma única linha de defesa e planejamento de governança, a Lei de Responsabilidade Fiscal. Não há outra ação propositiva concreta de desenvolvimento econômico para a capital. A "muleta" utilizada só é esquecida quando o governo anterior, o de Agnelo, se sobre põe ao atual na ingerência econômica social.
Vivemos uma crise, nisso não há novidade. Vivemos uma caos não há novidade alguma nisso. A novidade é na desculpa utilizada para justificar ações sem prumo. Falar que arrecadação não tem suprido as expectativas já não justifica o intenso e sistemático discu…

ECONOMIA E A LEI DA ESCASSEZ

Em Economia tudo se resume a uma restrição quase que física - a lei da escassez, isto é, produzir o máximo de bens e serviços a partir dos recursos escassos disponíveis a cada sociedade. Se uma quantidade infinita de cada bem pudesse ser produzida, se os desejos humanos pudessem ser completamente satisfeitos, não importaria que uma quantidade excessiva de certo bem fosse de fato produzida. Nem importaria que os recursos disponíveis: trabalho, terra e capital (este deve ser entendido como máquinas, edifícios, matérias-primas etc.) fossem combinados irracionalmente para produção de bens. Não havendo o problema da escassez, não faz sentido se falar em desperdício ou em uso irracional dos recursos e na realidade só existiriam os "bens livres". Bastaria fazer um pedido e, pronto, um carro apareceria de graça.
Na realidade, ocorre que a escassez dos recursos disponíveis acaba por gerar a escassez dos bens - chamados "bens econômicos". Por exemplo: as jazidas de minério de…