Pular para o conteúdo principal

Audiência Pública debate combate à Pedofilia

Comissão Especial da Câmara Legislativa busca soluções. Conselheiros tutelares apontam precariedade no sistema. Grupo de trabalho será criado para propor mudanças

Um grupo de trabalho formado por parlamentares, assessores legislativos, conselheiros tutelares, policiais civis e representantes da Ordem dos Advogados do Distrito Federal (OAB-DF) deve estudar nas próximas semanas medidas para combater o crime de violência contra crianças e adolescentes em todo o Distrito Federal. A ideia da relatora Comissão de Combate à Pedofilia, deputada Sandra Faraj (Solidariedade), foi proposta nesta terça-feira (05/04) durante audiência pública na Câmara Legislativa.

Após ouvir relatos de servidores sobre a precariedade do sistema de atendimento às vítimas, Sandra Faraj sugeriu unificar a demanda de todas as áreas para, em conjunto, reivindicar mudanças aos órgãos competentes. ““Temos de agir e nos unir para mudar essa realidade tão triste que atormenta nosso futuro”, afirmou a parlamentar.

Chefe da Delegacia de Proteção à Criança e ao Adolescente, Wislei Mendes apontou também a necessidade da criação de um cadastro unificado de casos por meio de uma vara especial a ser criada no Tribunal de Justiça do Distrito Federal e Territórios (TJDFT). “Desta forma teríamos um sistema de registros único, o que nos ajudaria a combater os crimes de pedofilia, além de ajudar na identificação de agressões”, previu. A Comissão de Combate à Pedofilia deverá encaminhar ao TJDFT uma indicação solicitando a criação da vara exclusiva para casos de agressão contra crianças e adolescentes.
Deputada Sandra Faraj: relatora

Confira as definições da Comissão de Combate à Pedofilia após audiência pública realizada nesta terça (05/04):

– Encaminhar ao presidente do TJDFT indicação do colegiado para criação de vara especializada no atendimento a crimes de violência contra crianças e adolescentes;

– Encaminhar ao Governo de Brasília indicação para desenvolver softwares, que unifiquem os relatos de crimes para que o DF tenha estatísticas para ações preventivas e de combate ao crime de pedofilia;

– Criação de grupo de trabalho para identificar problemas, propor soluções e elaborar documento único indicando ao Governo local mudanças no sistema de atendimento às vítimas de violência na infância e adolescência.









Postagens mais visitadas deste blog

TAGUATINGA ESTÁ COM 12OO VAGAS EM SEIS CURSOS

Com o objetivo de apoiar o trabalho de lideranças comunitárias, a Administração Regional de Taguatinga, tem o programa Escola da Comunidade, um espaço voltado para a promoção de cursos e palestras para zeladores, porteiros, síndicos, prefeitos comunitários e membros de associações de moradores. A Escola da Comunidade está com inscrições abertas para cursos de formação em cursos de formação de prefeito comunitário, síndico profissional, direito condominial, engenharia condominial, agente de portaria e primeiros socorros.


Andréa Serra, uma ex-aluna do curso de formação para síndicos, aprovou a iniciativa da escola e hoje usa o que aprendeu na gestão de seu condomínio. “Com as palestras de direito e dos engenheiros pude saber mais sobre legislação e engenharia, o que eu estou aplicando em meu condomínio”. O administrador de Taguatinga, Ricardo Lustosa Jacobina afirma que a iniciativa é um programa de sucesso da administração de Taguatinga. “A Escola da Comunidade é uma conquista de toda a p…

O SERVIDOR QUE ESPERA AUMENTO EM OUTUBRO "PODE TIRAR O CAVALINHO DACHUVA"

Escrevo este post com a profunda vontade de estar errado, todavia não sou tão otimista assim. A categoria funcional vinculada ao Governo Do Distrito Federal deverá ter uma visão de águia e planejar qualitativamente suas finanças nos próximos meses. Todos nós temos uma tendência em contar com o "ovo dentro da galinha" e realizar despesas ou pagar dívidas com créditos a receber.
O GDF tem se lastreado e se calçado por uma única linha de defesa e planejamento de governança, a Lei de Responsabilidade Fiscal. Não há outra ação propositiva concreta de desenvolvimento econômico para a capital. A "muleta" utilizada só é esquecida quando o governo anterior, o de Agnelo, se sobre põe ao atual na ingerência econômica social.
Vivemos uma crise, nisso não há novidade. Vivemos uma caos não há novidade alguma nisso. A novidade é na desculpa utilizada para justificar ações sem prumo. Falar que arrecadação não tem suprido as expectativas já não justifica o intenso e sistemático discu…

ECONOMIA E A LEI DA ESCASSEZ

Em Economia tudo se resume a uma restrição quase que física - a lei da escassez, isto é, produzir o máximo de bens e serviços a partir dos recursos escassos disponíveis a cada sociedade. Se uma quantidade infinita de cada bem pudesse ser produzida, se os desejos humanos pudessem ser completamente satisfeitos, não importaria que uma quantidade excessiva de certo bem fosse de fato produzida. Nem importaria que os recursos disponíveis: trabalho, terra e capital (este deve ser entendido como máquinas, edifícios, matérias-primas etc.) fossem combinados irracionalmente para produção de bens. Não havendo o problema da escassez, não faz sentido se falar em desperdício ou em uso irracional dos recursos e na realidade só existiriam os "bens livres". Bastaria fazer um pedido e, pronto, um carro apareceria de graça.
Na realidade, ocorre que a escassez dos recursos disponíveis acaba por gerar a escassez dos bens - chamados "bens econômicos". Por exemplo: as jazidas de minério de…