Pular para o conteúdo principal

Executivos da Andrade Gutierrez relataram pagamento de propina a político. Dinheiro saiu de obras do Mané Garrincha, dizem; Agnelo nega denúncia


Por Camila Bomfim, da TV Globo – O ex-governador do Distrito Federal Agnelo Queiroz (PT) foi citado na delação premiada de executivos ligados à empreiteira Andrade Gutierrez. Segundo trechos a que o Jornal Nacional teve acesso, a empresa pagou propina em obras de estádios da Copa do Mundo de 2014. Entre elas está o Estádio Nacional Mané Garrincha, em Brasília – que custou cerca de R$ 2 bilhões.
Procurado, Agnelo afirmou que, enquanto o teor de todo o inquérito não for divulgado, é impossível comentar o assunto. A defesa dele disse que o cliente desconhece qualquer fato citado na colaboração premiada (veja ao final a posição dos outros citados).

Com custo estimado pelo Tribunal de Contas do DF em R$ 1,7 bilhão, o Estádio Nacional Mané Garrincha foi o mais caro construído para a Copa do Mundo. O valor é 153% maior do que os R$ 670 milhões previstos inicialmente no projeto. A Corte e o Ministério Público do DF suspeitam de superfaturamento na obra
.
Da Arena da Amazônia, em Manaus, os executivos dizem que saíram repasses para o ex-governador Eduardo Braga (PMDB). Hoje ele é ministro de Minas e Energia. A delação também aponta que o ex-governador Sérgio Cabral (PMDB) foi beneficiado pelo esquema no Rio Janeiro por obras no Maracanã e no Complexo Petroquímico do Rio (Comperj).

Na colaboração – que engloba seis temas – , o ex-presidente da Andrade Gutierrez Otávio de Azevedo contou que ouviu do então tesoureiro da campanha de Dilma Rousseff, Edinho Silva, que as sete empresas mais beneficiadas em contratos com o governo tinham um compromisso em comum. Elas teriam de doar R$ 100 milhões cada para a campanha eleitoral.

A construtora já tinha repassado R$ 60 milhões e foi cobrada porque o repasse foi feito ao ex-tesoureiro petista João Vaccari Neto. A solução teria sido pagar os R$ 40 milhões que faltavam a Edinho – que hoje é ministro da Secretaria de Comunicação.

Os executivos da empresa também apontaram que havia desvios no setor elétrico, beneficiando políticos e presidentes de estatais. Eles negaram que houvesse irregularidade em pagamentos a palestras do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.
Outros lados
A Odebrecht não quis se manifestar sobre as declarações reveladas pelo Jornal Nacional.

A defesa de João Vaccari Neto reafirmou que tudo se limita a palavra de um delator e que nenhuma comprovação disso existe ou existirá, por não ser verdade.

O ex-governador do Rio Sérgio Cabral negou as afirmações do delator envolvendo o
nome dele e manifesta a indignação com relação às declarações.

Eduardo Braga afirmou ter saído do governo do Amazonas em março de 2010, sem ter assinado contrato ou pagamento relacionado a obras da Copa do Mundo, incluindo a Arena da Amazônia. Ele declarou receber com indignação e surpresa a citação ao nome dele e que, se ocorreram, foi por engano ou má fé.

O PDMB disse que jamais recebeu recursos irregulares ou autorizou alguém a usar o nome do partido para liberar dinheiro ilegalmente.

O PT nega as acusações e afirmou que todas as doações ocorreram “estritamente dentro dos parâmetros legais”, declaradas à Justiça eleitoral.

Em nota à TV Globo, o coordenador jurídico da campanha de reeleição de Dilma, Flávio Caetano, afirmou que a suposta delação premiada do ex-presidente da Andrade Gutierrez, se confirmada, é mentirosa.

A coordenação afirmou ainda que todas as doações à campanha presidencial foram espontâneas e que não houve pagamento de R$ 700 milhões das empresas.

A construtora Camargo Corrêa disse que firmou acordo de leniência para colaborar com a Justiça, corrigir irregularidades e ressarcir prejuízos causados.

Blog do Callado

Postagens mais visitadas deste blog

TAGUATINGA ESTÁ COM 12OO VAGAS EM SEIS CURSOS

Com o objetivo de apoiar o trabalho de lideranças comunitárias, a Administração Regional de Taguatinga, tem o programa Escola da Comunidade, um espaço voltado para a promoção de cursos e palestras para zeladores, porteiros, síndicos, prefeitos comunitários e membros de associações de moradores. A Escola da Comunidade está com inscrições abertas para cursos de formação em cursos de formação de prefeito comunitário, síndico profissional, direito condominial, engenharia condominial, agente de portaria e primeiros socorros.


Andréa Serra, uma ex-aluna do curso de formação para síndicos, aprovou a iniciativa da escola e hoje usa o que aprendeu na gestão de seu condomínio. “Com as palestras de direito e dos engenheiros pude saber mais sobre legislação e engenharia, o que eu estou aplicando em meu condomínio”. O administrador de Taguatinga, Ricardo Lustosa Jacobina afirma que a iniciativa é um programa de sucesso da administração de Taguatinga. “A Escola da Comunidade é uma conquista de toda a p…

O SERVIDOR QUE ESPERA AUMENTO EM OUTUBRO "PODE TIRAR O CAVALINHO DACHUVA"

Escrevo este post com a profunda vontade de estar errado, todavia não sou tão otimista assim. A categoria funcional vinculada ao Governo Do Distrito Federal deverá ter uma visão de águia e planejar qualitativamente suas finanças nos próximos meses. Todos nós temos uma tendência em contar com o "ovo dentro da galinha" e realizar despesas ou pagar dívidas com créditos a receber.
O GDF tem se lastreado e se calçado por uma única linha de defesa e planejamento de governança, a Lei de Responsabilidade Fiscal. Não há outra ação propositiva concreta de desenvolvimento econômico para a capital. A "muleta" utilizada só é esquecida quando o governo anterior, o de Agnelo, se sobre põe ao atual na ingerência econômica social.
Vivemos uma crise, nisso não há novidade. Vivemos uma caos não há novidade alguma nisso. A novidade é na desculpa utilizada para justificar ações sem prumo. Falar que arrecadação não tem suprido as expectativas já não justifica o intenso e sistemático discu…

ECONOMIA E A LEI DA ESCASSEZ

Em Economia tudo se resume a uma restrição quase que física - a lei da escassez, isto é, produzir o máximo de bens e serviços a partir dos recursos escassos disponíveis a cada sociedade. Se uma quantidade infinita de cada bem pudesse ser produzida, se os desejos humanos pudessem ser completamente satisfeitos, não importaria que uma quantidade excessiva de certo bem fosse de fato produzida. Nem importaria que os recursos disponíveis: trabalho, terra e capital (este deve ser entendido como máquinas, edifícios, matérias-primas etc.) fossem combinados irracionalmente para produção de bens. Não havendo o problema da escassez, não faz sentido se falar em desperdício ou em uso irracional dos recursos e na realidade só existiriam os "bens livres". Bastaria fazer um pedido e, pronto, um carro apareceria de graça.
Na realidade, ocorre que a escassez dos recursos disponíveis acaba por gerar a escassez dos bens - chamados "bens econômicos". Por exemplo: as jazidas de minério de…