Pular para o conteúdo principal

Reeleição para presidência da CLDF transcende o interesse público

Muitos candidatos na última eleição  defendiam, inclusive a atual presidente da Câmara Legislativa, a oxigenação e renovação dos agentes públicos eletivos seja no legislativo e ou executivo.
Essa atitude, de "brigar" pela reeleição no comando da mesa diretora da CLDF nos induz à  seguinte reflexão: 

  •  quais os reais interesses de se manter na presidência? Será que o "quadro" político  mudou tanto e a correlação de forças exige essa disputa? Talvez, depois de eleita, a presidente do legislativo tenha mudado sua forma de pensar, toda via sabemos que princípios são inegociáveis;
  • A conjuntura requer cuidado? Ou fato de ter o controle de um poder distrital dá a eles, mandatários uma "segurança", inclusive em manobras para se manter no poder?


Não é porque se faz um bom trabalho que a perpetuação na presidência do legislativo e executiva deva prevalecer sobre o interesse público. Se vem fazendo um bom trabalho pressupõe-se que a sucessão teria se consolidado durante todo o período em que exerceu a função, inclusive na preparação de possíveis quadros alinhados de sua política vitoriosa.

Blogueiro e economista opina
Hamilton Silva: Economista
e blogueiro 
Brasília, assim como o Brasil tem passado por sucessivos escândalos e seu povo não merece mais um desmando. Nesse momento em que eclode uma dezena denúncias em todos os setores produtivos da capital não se pode largar o fundamental, os princípios, baseado em discurso da sustentabilidade institucional, mesmo que essas denúncias seja gravíssimas a rotatividade pressupõe compromisso e principalmente isenção em todo o processo.

Diferentemente de cargos técnicos de carreira, estatutário, baseados e sedimentados nas práticas weberianas,  o posto eletivo exige um Turnover muito mais presente na administração pública pelas seguintes razões;

  •  Um dos primeiros passos a ser sguido pelo político profissional é a corrupção e as reeleições facilitam as relações prostituídas para quem não tem a honestidade como princípio;
  • A rotatividade faz com que pessoas comprometidas e com profissões técnicas ou de carreira, pessoas ocupadas, levam a um comprometimento e nível de responsabilidade com o público independentemente  do cargo temporário ou passageiro
    • A lei da Ficha Limpa ajudou o processo de limpeza no processo eleitoral, todavia, a fiscalização do poder judiciário e da sociedade dever ser sistemático, parcial e ágil no julgamento de casos leves e graves sem distinção.
No caso de poder legislativo local o buraco é mais embaixo, muito embaixo mesmo, beirando a política rasteira que se transfere para disputa eleitoral ao  governo local, em 2018, startando a agressividade nos atos legislativos retirando o executivo da inércia administrativa, pelo menos temporariamente.
De qualquer maneira reeleição para se manter no poder só pra estabelecer metas pessoais  só tem uma única razão; gerar pequenos ditadores e populistas volúveis ao poder econômico.
Vamos prestar atenção amigos, e #MelhoreSeuVoto
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

TAGUATINGA ESTÁ COM 12OO VAGAS EM SEIS CURSOS

Com o objetivo de apoiar o trabalho de lideranças comunitárias, a Administração Regional de Taguatinga, tem o programa Escola da Comunidade, um espaço voltado para a promoção de cursos e palestras para zeladores, porteiros, síndicos, prefeitos comunitários e membros de associações de moradores. A Escola da Comunidade está com inscrições abertas para cursos de formação em cursos de formação de prefeito comunitário, síndico profissional, direito condominial, engenharia condominial, agente de portaria e primeiros socorros.


Andréa Serra, uma ex-aluna do curso de formação para síndicos, aprovou a iniciativa da escola e hoje usa o que aprendeu na gestão de seu condomínio. “Com as palestras de direito e dos engenheiros pude saber mais sobre legislação e engenharia, o que eu estou aplicando em meu condomínio”. O administrador de Taguatinga, Ricardo Lustosa Jacobina afirma que a iniciativa é um programa de sucesso da administração de Taguatinga. “A Escola da Comunidade é uma conquista de toda a p…

CONCURSO PARA CÃMARA LEGISLATIVA TERÁ 100 MIL CANDIDATOS

O tão esperado edital de abertura do concurso da Câmara Legislativa do Distrito Federal (CLDF) deverá ser lançado até o mês de agosto. A informação foi divulgada pela própria Casa, que assinou o contrato com a Fundação Carlos Chagas (FCC) na última sexta-feira (7/7). Mas a espera pela distribuição das vagas nos cargos não é mais necessária. Veja abaixo para quais áreas serão destinadas as 86 oportunidades: divididas entre os cargos de técnico, consultor técnico, consultor e procurador.
O presidente da Câmara, deputado Joe Valle (PDT), espera que o concurso selecione os candidatos mais interessados em fazer carreira na casa, que tem atualmente o salário inicial de nível médio em R$ 10.143,07 e de nível superior em R$ 15.123,30. Segundo ele, a expectativa é de mais de 100 mil candidatos inscritos. Leia também:Mais de 15 mil vagas serão abertas no país até dezembro De acordo com a Casa, não haverá gastos para a realização do certame, pois a seleção será totalmente custeada pelos valores …

O SERVIDOR QUE ESPERA AUMENTO EM OUTUBRO "PODE TIRAR O CAVALINHO DACHUVA"

Escrevo este post com a profunda vontade de estar errado, todavia não sou tão otimista assim. A categoria funcional vinculada ao Governo Do Distrito Federal deverá ter uma visão de águia e planejar qualitativamente suas finanças nos próximos meses. Todos nós temos uma tendência em contar com o "ovo dentro da galinha" e realizar despesas ou pagar dívidas com créditos a receber.
O GDF tem se lastreado e se calçado por uma única linha de defesa e planejamento de governança, a Lei de Responsabilidade Fiscal. Não há outra ação propositiva concreta de desenvolvimento econômico para a capital. A "muleta" utilizada só é esquecida quando o governo anterior, o de Agnelo, se sobre põe ao atual na ingerência econômica social.
Vivemos uma crise, nisso não há novidade. Vivemos uma caos não há novidade alguma nisso. A novidade é na desculpa utilizada para justificar ações sem prumo. Falar que arrecadação não tem suprido as expectativas já não justifica o intenso e sistemático discu…