Pular para o conteúdo principal

Sobre o Brasil - Opinião

GA previsibilidade, fator determinante para os investidores decidirem se investem ou não no Brasil já não existe desde o ano de 2014. Estamos no fim do trimestre de  2016 e a situação econômica agoniza diante de tantas incertezas. O que vemos é o ineditismo que pode nos levar além do "fundo do poço", com dois governos operando a confusão e o conflito de interesses prevalece mesmo com a polícia batendo na porta de muitos.


Um dos governos em operação, o de Dilma, faz um verdadeiro fim de festa, praticando de forma definitiva o quanto pior melhor. Afinal não há esperança nos recursos políticos disponíveis para reversão do quadro político e possivelmente Dilma Rousseff será afastada. Hostiliza um futuro governo Temer e desqualifica qualquer um que ouse ser a favor do impeachment. O governo que opera no paralelo, o de Temer, utiliza dos métodos convencionais para barganhar a tão preciosa confiança e já não assume os cortes de ministérios tão necessário para construção da confiança e para limitação de gastos.

Blog opinião
Hamilton Silva: Economista e Blogueiro

O desespero de muitos empresários frente à iminente falência  leva ao Futuro governo de Michel Temer a ter  um carimbo com data de validade, porém esses mesmos empresários se movimentam positivamente e fornecem elementos de confiança ao possível governo do PMDB, afinal qualquer um seria melhor que o imobilismo instalado no governo da presidente Dilma.

Todos os indicadores sinalizam para uma estagnação econômica até o último trimestre de 2016, mas sendo otimista, muito otimista mesmo, podemos ficar no zero a zero nos meses de outubro, novembro e dezembro, com leve aquecimento no crédito e algum clima positivo causado pela saída de Dilma e entrada de novos agentes políticos. O tempo é curto e a conjuntura exige perícia técnica sugerindo pouca margem para paliativos.




Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

TAGUATINGA ESTÁ COM 12OO VAGAS EM SEIS CURSOS

Com o objetivo de apoiar o trabalho de lideranças comunitárias, a Administração Regional de Taguatinga, tem o programa Escola da Comunidade, um espaço voltado para a promoção de cursos e palestras para zeladores, porteiros, síndicos, prefeitos comunitários e membros de associações de moradores. A Escola da Comunidade está com inscrições abertas para cursos de formação em cursos de formação de prefeito comunitário, síndico profissional, direito condominial, engenharia condominial, agente de portaria e primeiros socorros.


Andréa Serra, uma ex-aluna do curso de formação para síndicos, aprovou a iniciativa da escola e hoje usa o que aprendeu na gestão de seu condomínio. “Com as palestras de direito e dos engenheiros pude saber mais sobre legislação e engenharia, o que eu estou aplicando em meu condomínio”. O administrador de Taguatinga, Ricardo Lustosa Jacobina afirma que a iniciativa é um programa de sucesso da administração de Taguatinga. “A Escola da Comunidade é uma conquista de toda a p…

O SERVIDOR QUE ESPERA AUMENTO EM OUTUBRO "PODE TIRAR O CAVALINHO DACHUVA"

Escrevo este post com a profunda vontade de estar errado, todavia não sou tão otimista assim. A categoria funcional vinculada ao Governo Do Distrito Federal deverá ter uma visão de águia e planejar qualitativamente suas finanças nos próximos meses. Todos nós temos uma tendência em contar com o "ovo dentro da galinha" e realizar despesas ou pagar dívidas com créditos a receber.
O GDF tem se lastreado e se calçado por uma única linha de defesa e planejamento de governança, a Lei de Responsabilidade Fiscal. Não há outra ação propositiva concreta de desenvolvimento econômico para a capital. A "muleta" utilizada só é esquecida quando o governo anterior, o de Agnelo, se sobre põe ao atual na ingerência econômica social.
Vivemos uma crise, nisso não há novidade. Vivemos uma caos não há novidade alguma nisso. A novidade é na desculpa utilizada para justificar ações sem prumo. Falar que arrecadação não tem suprido as expectativas já não justifica o intenso e sistemático discu…

ECONOMIA E A LEI DA ESCASSEZ

Em Economia tudo se resume a uma restrição quase que física - a lei da escassez, isto é, produzir o máximo de bens e serviços a partir dos recursos escassos disponíveis a cada sociedade. Se uma quantidade infinita de cada bem pudesse ser produzida, se os desejos humanos pudessem ser completamente satisfeitos, não importaria que uma quantidade excessiva de certo bem fosse de fato produzida. Nem importaria que os recursos disponíveis: trabalho, terra e capital (este deve ser entendido como máquinas, edifícios, matérias-primas etc.) fossem combinados irracionalmente para produção de bens. Não havendo o problema da escassez, não faz sentido se falar em desperdício ou em uso irracional dos recursos e na realidade só existiriam os "bens livres". Bastaria fazer um pedido e, pronto, um carro apareceria de graça.
Na realidade, ocorre que a escassez dos recursos disponíveis acaba por gerar a escassez dos bens - chamados "bens econômicos". Por exemplo: as jazidas de minério de…