Pular para o conteúdo principal

Empresas de Brasília usam técnica de rodízio, mais conhecida como job rotation, para desenvolver membros em diversas áreas

TRAINEENo mundo das inovações rápidas e da criatividade, muitas técnicas tornam-se ultrapassadas em um piscar de olhos. A linha de produção de Henry Ford, embora importante no século XX para melhorar a dinâmica de produtividade e muito utilizada até hoje em determinados modelos, não está nos livros de história à toa. De acordo com profissionais de Recursos Humanos, hoje as empresas mais modernas percebem que o modelo de “especialistas”, no qual as pessoas entram e se aposentam na mesma função, pode não ser a melhor forma de fazer empresa e funcionários crescerem. Sair da zona de conforto e aprender o trabalho das outras áreas, técnica chamada de job rotation, é a solução encontrada por algumas organizações para ampliar a visão dos membros e desenvolver senso de dono.


O método é utilizado, principalmente, nos períodos de treinamento como forma de preparar os futuros gestores. Na Companhia de Bebidas das Américas (Ambev), por exemplo, com os programas trainee e talento, é possível construir um currículo rico em atividades sem sair da empresa. O talento treina durante três meses e depois é alocado em um cargo, enquanto o trainee é alocado depois de 12 meses e, nesse período, tem a oportunidade de mudar de área e de função durante certos períodos de tempo, passando, por exemplo, por vendas, logística e pela fábrica localizada nos Estados Unidos.

No período de treinamento da Ambev, o trainee tem a oportunidade de mudar de área e de função durante certos períodos de tempo para conhecer a companhia
No período de treinamento da Ambev, o trainee tem a oportunidade de mudar de área e de função para conhecer a companhia
Na companhia, essas trocas visam fazer o membro identificar em qual área ele mais vai se destacar para trabalhar quando for alocado. De acordo com Illana Kern, gerente de Gente e Gestão da Ambev em Brasília, a pessoa que passa por todas as áreas tem uma compreensão macro do negócio, desenvolve uma visão mais holística e tem respaldo para contribuir com o atingimento de metas da companhia.
A Domani, empresa júnior de Relações Internacionais da Universidade de Brasília, aplica o job rotation no período trainee para preparar os membros e desenvolver a proatividade e o senso de dono do empresário júnior. A rotação funciona em ciclos de duas semanas em duas áreas que se relacionam e as demandas são projetos relacionados às áreas. No final do período de treinamento, o trainee é alocado na área na qual foi mais habilidoso. A diretora de Gestão de Pessoas, Sarah Cruz, garante que esse modelo fez diferença por proporcionar aos membros o entendimento da empresa como um todo. “Quando você dá esse embasamento para todas as pessoas que estão entrando, elas se desenvolvem muito melhor depois. Além disso, elas também conseguem ter um desenvolvimento maior de habilidades para estágio e emprego”, explica Sarah.

Apesar das vantagens, o job rotation não é bem aceito por todos os profissionais. Emmily Mathias, diretora da INSIGHT-Recursos Humanos, alerta que algumas pessoas se sentem inseguras por não dominar outra área e não querer se expor. Por isso, as empresas mais modernas adotam a metodologia com mais facilidade do que aquelas nas quais as pessoas já fizeram carreira em determinada área. De acordo com ela, é essencial planejar. “O processo tem que ser muito bem estruturado com acompanhamento para não ocorrer queda de rendimento e gerar descontinuidade na empresa.” A prática também é importante para os membros aprenderem como a empresa funciona e, ao mesmo tempo, para a empresa observar quem tem o melhor desempenho em qual área. Emmily explica porque é um processo importante de aprendizado para o funcionário: “a pessoa que já passou por áreas e processos diferentes tem uma visão melhor de resultados, então ela passa a ser mais valorizada no mercado por ter competências mais desenvolvidas do que aqueles que passaram a vida inteira fazendo uma coisa só.”

Fonte: Tendências e Negócios
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

TAGUATINGA ESTÁ COM 12OO VAGAS EM SEIS CURSOS

Com o objetivo de apoiar o trabalho de lideranças comunitárias, a Administração Regional de Taguatinga, tem o programa Escola da Comunidade, um espaço voltado para a promoção de cursos e palestras para zeladores, porteiros, síndicos, prefeitos comunitários e membros de associações de moradores. A Escola da Comunidade está com inscrições abertas para cursos de formação em cursos de formação de prefeito comunitário, síndico profissional, direito condominial, engenharia condominial, agente de portaria e primeiros socorros.


Andréa Serra, uma ex-aluna do curso de formação para síndicos, aprovou a iniciativa da escola e hoje usa o que aprendeu na gestão de seu condomínio. “Com as palestras de direito e dos engenheiros pude saber mais sobre legislação e engenharia, o que eu estou aplicando em meu condomínio”. O administrador de Taguatinga, Ricardo Lustosa Jacobina afirma que a iniciativa é um programa de sucesso da administração de Taguatinga. “A Escola da Comunidade é uma conquista de toda a p…

O SERVIDOR QUE ESPERA AUMENTO EM OUTUBRO "PODE TIRAR O CAVALINHO DACHUVA"

Escrevo este post com a profunda vontade de estar errado, todavia não sou tão otimista assim. A categoria funcional vinculada ao Governo Do Distrito Federal deverá ter uma visão de águia e planejar qualitativamente suas finanças nos próximos meses. Todos nós temos uma tendência em contar com o "ovo dentro da galinha" e realizar despesas ou pagar dívidas com créditos a receber.
O GDF tem se lastreado e se calçado por uma única linha de defesa e planejamento de governança, a Lei de Responsabilidade Fiscal. Não há outra ação propositiva concreta de desenvolvimento econômico para a capital. A "muleta" utilizada só é esquecida quando o governo anterior, o de Agnelo, se sobre põe ao atual na ingerência econômica social.
Vivemos uma crise, nisso não há novidade. Vivemos uma caos não há novidade alguma nisso. A novidade é na desculpa utilizada para justificar ações sem prumo. Falar que arrecadação não tem suprido as expectativas já não justifica o intenso e sistemático discu…

ECONOMIA E A LEI DA ESCASSEZ

Em Economia tudo se resume a uma restrição quase que física - a lei da escassez, isto é, produzir o máximo de bens e serviços a partir dos recursos escassos disponíveis a cada sociedade. Se uma quantidade infinita de cada bem pudesse ser produzida, se os desejos humanos pudessem ser completamente satisfeitos, não importaria que uma quantidade excessiva de certo bem fosse de fato produzida. Nem importaria que os recursos disponíveis: trabalho, terra e capital (este deve ser entendido como máquinas, edifícios, matérias-primas etc.) fossem combinados irracionalmente para produção de bens. Não havendo o problema da escassez, não faz sentido se falar em desperdício ou em uso irracional dos recursos e na realidade só existiriam os "bens livres". Bastaria fazer um pedido e, pronto, um carro apareceria de graça.
Na realidade, ocorre que a escassez dos recursos disponíveis acaba por gerar a escassez dos bens - chamados "bens econômicos". Por exemplo: as jazidas de minério de…