Pular para o conteúdo principal

Renato Rainha recebe Associação dos Blogueiros e avalia contas do GDF


Foto blog ABBP
Renato Rainha recebe blogueiros de política
As despesas de 2014 do GDF comprometeram o exercício posterior podendo ocorrer
possíveis pedaladas do Governo do DF.

Em encontro com a Associação Brasiliense do Blogueiros de Política (ABBP), o Dr. Renato Rainha presidente do Tribunal de Contas do Distrito Federal, recebeu de forma transparente, participativa e propositiva os vários questionamentos feitos pelos diversos segmentos representados por mais dez blogueiros.

Com simpatia peculiar o presidente, com uma carreira de sucesso e sedimentada na politica brasiliense  inicio o encontro sendo perguntado pelo jornalista Fred Lima  sobre possíveis  "pedaladas" cometidas pelo governo do Brasília.

Renato Rainha explanou sobre o artigo 42 da LRF (Lei de Responsabilidade Fiscal) e orientou o executivo:

Art. 42. É vedado ao titular de Poder ou órgão referido no art. 20, nos últimos dois quadrimestres do seu mandato, contrair obrigação de despesa que não possa ser cumprida integralmente dentro dele, ou que tenha parcelas a serem pagas no exercício seguinte sem que haja suficiente disponibilidade de caixa para este efeito.

O presidente do TCDF informou que os documentos da prestação de contas do primeiro ano de governo do Rollemberg não chegaram em sua totalidade, mas que estão sendo providenciados,
Informou, ainda que a  equipe de governança do GDF em consulta ao Tribunal de Contas relatou o fato de herdar despesas do governo anterior e o tribunal  orientou que mesmo tendo gastado mais do que arrecadou deve ser registrado e enfatizando o ano em que essas despesas comprometeram o orçamento."O problema da pedalada é não registrar o empenho" ressaltou Rainha.

O problema da folha de pagamento é que ela cresce de forma vegetativa (pessoas promovidas, anuênios etc.)  e decréscimo de participação do Fundo Constitucional (que pagava toda área de segurança, saúde e educação) e a arrecadação caiu significativamente e a despesa com  pessoal vem  aumentando. Eu não digo que houve esse tipo e omissão.

O presidente revelou sobre a Lei de Responsabilidade Fiscal ainda:
"Se não houver um incremento na arrecadação em razão de um desenvolvimento econômico eu tenho quase certeza que vai extrapolar os 50%"


Durante os questionamentos, o Presidente debateu as críticas de que o TCDF impede que os projetos andem no DF- "pelo contrário, o Tribunal tem agido sempre como parceiro da comunidade, fiscalizando os gastos públicos e apoiado o governo, mostrando os erros cometidos e as formas de correção. O verdadeiro entrave da administração pública é a falta de gestão. O que pode resolver vários problemas é profissionalizar a gestão, no sentido de colocar o comando de cada setor nas mãos de pessoas qualificadas, especializadas em gestão, e diminuir a burocracia. Administrar  com excelência só é possível com planejamento e acompanhamento. O uso de tecnologias disponíveis hoje, é fator preponderante para o sucesso da gestão pública, declarou Renato Rainha. 
foto ABBP/TCDF
Renato Rainha e sua gestão


O cuidado com a formação da equipe, o cumprimento de metas, e outras funções estabelecidas na sua gestão não são suas únicas preocupações, a marca registrada de Renato Rainha, a solidariedade, a preocupação com o outro, começa a ser imprimida. 

-“Já atuamos, há algum tempo, capacitando servidores do GDF sobre licitação, gestão de contratos e outros temas. Agora, vamos fazer também cursos sobre fiscalização do orçamento público e controle social para cidadãos em geral”, disse, informando que nesta próxima segunda-feira, dia 13 de junho, será inaugurada a sede própria da Escola de Contas Públicas do TCDF. O foco agora do TCDF é capacitar o cidadão do Distrito Federal para exercer o controle social.

Com parte do texto de Maria Leão 
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

TAGUATINGA ESTÁ COM 12OO VAGAS EM SEIS CURSOS

Com o objetivo de apoiar o trabalho de lideranças comunitárias, a Administração Regional de Taguatinga, tem o programa Escola da Comunidade, um espaço voltado para a promoção de cursos e palestras para zeladores, porteiros, síndicos, prefeitos comunitários e membros de associações de moradores. A Escola da Comunidade está com inscrições abertas para cursos de formação em cursos de formação de prefeito comunitário, síndico profissional, direito condominial, engenharia condominial, agente de portaria e primeiros socorros.


Andréa Serra, uma ex-aluna do curso de formação para síndicos, aprovou a iniciativa da escola e hoje usa o que aprendeu na gestão de seu condomínio. “Com as palestras de direito e dos engenheiros pude saber mais sobre legislação e engenharia, o que eu estou aplicando em meu condomínio”. O administrador de Taguatinga, Ricardo Lustosa Jacobina afirma que a iniciativa é um programa de sucesso da administração de Taguatinga. “A Escola da Comunidade é uma conquista de toda a p…

O SERVIDOR QUE ESPERA AUMENTO EM OUTUBRO "PODE TIRAR O CAVALINHO DACHUVA"

Escrevo este post com a profunda vontade de estar errado, todavia não sou tão otimista assim. A categoria funcional vinculada ao Governo Do Distrito Federal deverá ter uma visão de águia e planejar qualitativamente suas finanças nos próximos meses. Todos nós temos uma tendência em contar com o "ovo dentro da galinha" e realizar despesas ou pagar dívidas com créditos a receber.
O GDF tem se lastreado e se calçado por uma única linha de defesa e planejamento de governança, a Lei de Responsabilidade Fiscal. Não há outra ação propositiva concreta de desenvolvimento econômico para a capital. A "muleta" utilizada só é esquecida quando o governo anterior, o de Agnelo, se sobre põe ao atual na ingerência econômica social.
Vivemos uma crise, nisso não há novidade. Vivemos uma caos não há novidade alguma nisso. A novidade é na desculpa utilizada para justificar ações sem prumo. Falar que arrecadação não tem suprido as expectativas já não justifica o intenso e sistemático discu…

ECONOMIA E A LEI DA ESCASSEZ

Em Economia tudo se resume a uma restrição quase que física - a lei da escassez, isto é, produzir o máximo de bens e serviços a partir dos recursos escassos disponíveis a cada sociedade. Se uma quantidade infinita de cada bem pudesse ser produzida, se os desejos humanos pudessem ser completamente satisfeitos, não importaria que uma quantidade excessiva de certo bem fosse de fato produzida. Nem importaria que os recursos disponíveis: trabalho, terra e capital (este deve ser entendido como máquinas, edifícios, matérias-primas etc.) fossem combinados irracionalmente para produção de bens. Não havendo o problema da escassez, não faz sentido se falar em desperdício ou em uso irracional dos recursos e na realidade só existiriam os "bens livres". Bastaria fazer um pedido e, pronto, um carro apareceria de graça.
Na realidade, ocorre que a escassez dos recursos disponíveis acaba por gerar a escassez dos bens - chamados "bens econômicos". Por exemplo: as jazidas de minério de…