Pular para o conteúdo principal

Votação do UBER é adiada

Foto: Ascom Deputada Celina
Plenário da Câmara Legislativa

Após sete horas de discussões deputados constroem dois substitutivos

Um dia de muitas discussões, tanto nas salas de comissões da Câmara Legislativa do DF (CLDF), e à tarde, desta terça-feira (21), no Plenário da Casa, onde teve início a sessão ordinária que votaria o Projeto de Lei 777/2015, que regulamenta modelos de transporte público individual, a exemplo do Uber. A sessão foi aberta e suspensa poucos minutos depois, uma vez que os deputados se reuniram para elaborar o texto do substitutivo que vai alterar o projeto do Executivo.
Sete horas depois foi definido o texto dos dois substitutivos, mas não houve tempo para se ter um consenso sobre os dois textos que a presidente da CLDF, deputada Celina Leão, disse que deverão ser unificados. O Substitutivo 51/2016 é de autoria dos deputados Celina Leão, Cristiano Araújo, Sandra Faraj, Telma Rufino, Israel Batista, Robério Negreiros, Roosevelt Vilela, e Raimundo Ribeiro.
Já o Substitutivo 52/2016, é de autoria dos deputados Rodrigo Delmasso, Juarezão, Luzia de Paula, Júlio César, Ricardo Vale, Wasny de Roure e Wellington Luiz.

Para os parlamentares três pontos criam divergências. O primeiro é quanto a permissão das modalidades mais populares do sistema, como o Uber X, que compete diretamente com os táxis convencionais. Os outros são a limitação da frota e a definição de tarifa mínima.
Em um dos Substitutivos, proposto pelo deputado Professor Israel, os taxistas também podem utilizar o aplicativo do Uber para trabalhar. "Estamos lutando para que o aplicativo não seja extinto. Para isso, estamos fundamentando que a plataforma também seja utilizada pelos taxistas. É a possibilidade do taxista desligar o taxímetro e operar com o Uber", opinou.
Para a presidente Celina Leão é importante que haja um projeto único que defenda taxistas e motoristas do Uber, a fim de que não penalize o usuário que já está acostumado com os serviços. "Tem na proposta que os motoristas de táxi pode ser Uber, e do Uber será apenas Uber. Isto possibilita que o motorista de táxi possa estar no mercado também. A ideia é acabar com a rivalidade entre as categorias", disse.
“Entendemos que o projeto já avançou porque conseguimos construir duas propostas. É claro que elas ainda podem receber emendas. Mas a tentativa, amanhã, é de que se unifique os dois substitutivos, em um texto só. Se isso não acontecer, amanhã, pela manhã, levaremos os dois textos ao plenário”, garante a parlamentar. Ela explica, ainda, que um dos textos é mais conservador e detalhado, o que visivelmente fica mais ao lado dos taxistas. E o outros, é mais liberal, permitindo, sem muito controle o projeto das plataformas tecnológicas. “O substitutivo que for emendado, receberá as alterações necessárias. A Casa tem legitimidade para fazer isso”, reforça.
O projeto que regulamenta os aplicativos de transporte deve ser votado em primeiro turno. “Temos de votar, amanhã, porque é inconcebível, continuar adiando essa votação”, avaliou Celina.
ASCOM da Deputada Celina Leão
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

TAGUATINGA ESTÁ COM 12OO VAGAS EM SEIS CURSOS

Com o objetivo de apoiar o trabalho de lideranças comunitárias, a Administração Regional de Taguatinga, tem o programa Escola da Comunidade, um espaço voltado para a promoção de cursos e palestras para zeladores, porteiros, síndicos, prefeitos comunitários e membros de associações de moradores. A Escola da Comunidade está com inscrições abertas para cursos de formação em cursos de formação de prefeito comunitário, síndico profissional, direito condominial, engenharia condominial, agente de portaria e primeiros socorros.


Andréa Serra, uma ex-aluna do curso de formação para síndicos, aprovou a iniciativa da escola e hoje usa o que aprendeu na gestão de seu condomínio. “Com as palestras de direito e dos engenheiros pude saber mais sobre legislação e engenharia, o que eu estou aplicando em meu condomínio”. O administrador de Taguatinga, Ricardo Lustosa Jacobina afirma que a iniciativa é um programa de sucesso da administração de Taguatinga. “A Escola da Comunidade é uma conquista de toda a p…

O SERVIDOR QUE ESPERA AUMENTO EM OUTUBRO "PODE TIRAR O CAVALINHO DACHUVA"

Escrevo este post com a profunda vontade de estar errado, todavia não sou tão otimista assim. A categoria funcional vinculada ao Governo Do Distrito Federal deverá ter uma visão de águia e planejar qualitativamente suas finanças nos próximos meses. Todos nós temos uma tendência em contar com o "ovo dentro da galinha" e realizar despesas ou pagar dívidas com créditos a receber.
O GDF tem se lastreado e se calçado por uma única linha de defesa e planejamento de governança, a Lei de Responsabilidade Fiscal. Não há outra ação propositiva concreta de desenvolvimento econômico para a capital. A "muleta" utilizada só é esquecida quando o governo anterior, o de Agnelo, se sobre põe ao atual na ingerência econômica social.
Vivemos uma crise, nisso não há novidade. Vivemos uma caos não há novidade alguma nisso. A novidade é na desculpa utilizada para justificar ações sem prumo. Falar que arrecadação não tem suprido as expectativas já não justifica o intenso e sistemático discu…

ECONOMIA E A LEI DA ESCASSEZ

Em Economia tudo se resume a uma restrição quase que física - a lei da escassez, isto é, produzir o máximo de bens e serviços a partir dos recursos escassos disponíveis a cada sociedade. Se uma quantidade infinita de cada bem pudesse ser produzida, se os desejos humanos pudessem ser completamente satisfeitos, não importaria que uma quantidade excessiva de certo bem fosse de fato produzida. Nem importaria que os recursos disponíveis: trabalho, terra e capital (este deve ser entendido como máquinas, edifícios, matérias-primas etc.) fossem combinados irracionalmente para produção de bens. Não havendo o problema da escassez, não faz sentido se falar em desperdício ou em uso irracional dos recursos e na realidade só existiriam os "bens livres". Bastaria fazer um pedido e, pronto, um carro apareceria de graça.
Na realidade, ocorre que a escassez dos recursos disponíveis acaba por gerar a escassez dos bens - chamados "bens econômicos". Por exemplo: as jazidas de minério de…