Pular para o conteúdo principal

PASTORES PROMOVEM “PROTESTO EVANGÉLICO” CONTRA TERROR PRATICADO PELA AGEFIS NO SOL NASCENTE

A comunidade evangélica do Sol Nascente estará reunida neste sábado (02), para uma espécie de desagravo contra o terror praticado pela Agefis do governador Rodrigo Rollemberg que destruiu na semana passada, cerca de 400 casas habitadas alem de dez templos de denominações diferentes ligadas a União das Igrejas Evangélicas Independentes do Distrito Federal.


 O trecho 3 do Condomínio Gênese,  ao lado da quadra de esportes,  no Sol Nascente, promete ser movimentado por um grande numero de evangélicos e por não evangélicos em uma programação que terá inicio às 9 da manhã com a distribuição de roupas, cobertores e distribuição de alimentos para as famílias que estão morando de baixo de lonas, após terem suas casas derrubadas pelo governo socialista.
Os pastores que tiveram suas igrejas derrubadas pela Agefis, querem mostrar, que alem do trabalho espiritual,  as denominações evangélicas desenvolvem um trabalho social para pessoas esquecidas e abandonadas pelas políticas públicas de governo.

 
O Pastor João Dito, um dos principais organizadores do evento, informou ao Radar que cerca de 100 pastores ligados a União das Igrejas Evangélicas Independentes do Distrito Federal já confirmaram presença ao ato de pregações e louvores. O movimento denominado “O mal se paga com o bem” fará ainda o mutirão da aposentadoria, atendimento jurídico, exame de vista, corte de cabelos e aplicação de flúor.
A comunidade com mais de 100 habitantes só é vista pelo governo e por candidatos em época de eleição. Líderes  comunitários contam que o então candidato Rodrigo Rollemberg prometeu nas suas “rodas de conversas” que iria regularizar, colocar postos de saúde, escolas, luz, água e asfalto se eleito. “Hoje ele é o governador do DF e a única obra que mandou para o Sol Nascente foi a obra da destruição de sonhos e da fé da população”, disse o Pastor João Dito que teve a sua igreja derrubada.
O que diz João Dito é verdade. Uma das primeiras medidas tomadas por Rodrigo Rollemberg no inicio do seu governo foi montar uma operação de guerra  e partir com sangue no olho pra cima da comunidade do Sol Nascente destruindo cerca de 510 casas habitadas, sem dar qualquer alternativa para as mais de 1600 pessoas desabrigadas.
De lá para cá o Sol Nascente e o Por do Sol passaram a ser o saco de pancadas do Estado opressor. Na semana passada,  a Agefis gastou mais de R$ 1 milhão para botar no chão 345 casas e dez igrejas evangélicas, segundo as lideranças comunitárias.
“Temos centenas de pessoas, entre homens, mulheres crianças e idosos morando debaixo das lonas por não ter alternativa de escolha”, disse o Pastor João Dito.
Depois das derrubadas das casas e das humilhações praticada pelo Estado ficaram para trás as marcas da violência. Quem visita as famílias depois das barbáries praticadas pelo governo Socialista descobre o tamanho do trauma que vivem as suas crianças.
Psicólogos evangélicos fazem um trabalho voluntario de assistência às famílias atingidas e abandonadas pelo governo Rollemberg. O movimento evangélico marcado para este sábado vai muito além da ajudar  que visa juntar os cacos sociais deixados para trás por cada operação da Agefis: “Quem apanha nunca esquece”, diz o cidadão João Dito.

Da Redação Radar
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

TAGUATINGA ESTÁ COM 12OO VAGAS EM SEIS CURSOS

Com o objetivo de apoiar o trabalho de lideranças comunitárias, a Administração Regional de Taguatinga, tem o programa Escola da Comunidade, um espaço voltado para a promoção de cursos e palestras para zeladores, porteiros, síndicos, prefeitos comunitários e membros de associações de moradores. A Escola da Comunidade está com inscrições abertas para cursos de formação em cursos de formação de prefeito comunitário, síndico profissional, direito condominial, engenharia condominial, agente de portaria e primeiros socorros.


Andréa Serra, uma ex-aluna do curso de formação para síndicos, aprovou a iniciativa da escola e hoje usa o que aprendeu na gestão de seu condomínio. “Com as palestras de direito e dos engenheiros pude saber mais sobre legislação e engenharia, o que eu estou aplicando em meu condomínio”. O administrador de Taguatinga, Ricardo Lustosa Jacobina afirma que a iniciativa é um programa de sucesso da administração de Taguatinga. “A Escola da Comunidade é uma conquista de toda a p…

O SERVIDOR QUE ESPERA AUMENTO EM OUTUBRO "PODE TIRAR O CAVALINHO DACHUVA"

Escrevo este post com a profunda vontade de estar errado, todavia não sou tão otimista assim. A categoria funcional vinculada ao Governo Do Distrito Federal deverá ter uma visão de águia e planejar qualitativamente suas finanças nos próximos meses. Todos nós temos uma tendência em contar com o "ovo dentro da galinha" e realizar despesas ou pagar dívidas com créditos a receber.
O GDF tem se lastreado e se calçado por uma única linha de defesa e planejamento de governança, a Lei de Responsabilidade Fiscal. Não há outra ação propositiva concreta de desenvolvimento econômico para a capital. A "muleta" utilizada só é esquecida quando o governo anterior, o de Agnelo, se sobre põe ao atual na ingerência econômica social.
Vivemos uma crise, nisso não há novidade. Vivemos uma caos não há novidade alguma nisso. A novidade é na desculpa utilizada para justificar ações sem prumo. Falar que arrecadação não tem suprido as expectativas já não justifica o intenso e sistemático discu…

ECONOMIA E A LEI DA ESCASSEZ

Em Economia tudo se resume a uma restrição quase que física - a lei da escassez, isto é, produzir o máximo de bens e serviços a partir dos recursos escassos disponíveis a cada sociedade. Se uma quantidade infinita de cada bem pudesse ser produzida, se os desejos humanos pudessem ser completamente satisfeitos, não importaria que uma quantidade excessiva de certo bem fosse de fato produzida. Nem importaria que os recursos disponíveis: trabalho, terra e capital (este deve ser entendido como máquinas, edifícios, matérias-primas etc.) fossem combinados irracionalmente para produção de bens. Não havendo o problema da escassez, não faz sentido se falar em desperdício ou em uso irracional dos recursos e na realidade só existiriam os "bens livres". Bastaria fazer um pedido e, pronto, um carro apareceria de graça.
Na realidade, ocorre que a escassez dos recursos disponíveis acaba por gerar a escassez dos bens - chamados "bens econômicos". Por exemplo: as jazidas de minério de…