Pular para o conteúdo principal

A CRISE NO GOVERNO DE BRASÍLIA E A INEFICÁCIA DAS CPI's

As denúncias

logomarca de opinião do blog do Hamilton Silva

Depois da divulgação de um áudio que compromete seriamente o governador Rollemberg, a crise política se instalou novamente no palácio do Buriti, mas não sabemos se ainda tem mais gravações que poderiam levar à lona a Geração Brasília. O fato é que sempre esteve na pauta "off" o tema gravações, mas ninguém teve a coragem que dona Marli teve. Se há ou não novas gravações iremos aguardar sem nenhuma surpresa já que outros atores políticos importantes da capital insistem em atuar como protagonistas das denúncias.

O mau maior é justamente esse: A BANALIZAÇÃO e DESQUALIFICAÇÃO diante de graves denúncias que beiram a chacota, ou seja, "ela vai pagar caro", se não infere em ameaça pressupõe ódio e vigança.

Quem acusa tem o ônus da prova

Por outro lado a senhora que  denuncia foi e é corajosa, mas deveria ter sido ainda mais contundente se o que ela leva a público é verídico lastreado por prova. Afinal sua desqualificação e ataques seriam iminentes diante de tão grave afirmativa. As falas e argumentações soaram como desespero na defesa de gestão do poder público do sistema de saúde do Distrito Federal, pareceu como se fosse a última cartada na defesa de um Sistema Público "puro", ou seja sem interferências do capital privado. Não aparenta orquestração, apesar de interesses patronais também convergirem para o "status quo".

O Ataque é a melhor defesa

Essa foi a tática adotada pelo governador que disparou sem dó: "Ela vai pagar caro". Cabe ressaltar que toda tática de defesa é sempre uma defesa, e que portanto o acusado terá que se desdobrar com eficiência, agilidade e competência política, para que não seja atingido de morte, coisa que está no débito nesses 17 meses de desencontros e de muita "Basofa"(termo nordestino designado para blá blá blá), conversa fiada.

Os dois lados estão certos só que não 

O lado da sindicalista viu nessa ação extrema, única alternativa de manter a discussão das Os's afastada, pelo menos por enquanto. O ato de dona Marli não veio como iniciativa de alguém que se indignasse com a falta de moral praticada pelo GDF. Aparentemente se julga correta em denunciar, porém a motivação que a leva para os tribunais não são tão nobres.
Por parte do governo a assertividade do vice caiu por terra quando se limitou a generalizar e se submeter à uma aliança que já não existe faz tempo.

CPI X Pizza

Alguém tem notícias de que CPI resultou em resultados práticos seja de apuração sistêmica e de inibição de atos administrativos políticos impróprios. Na real? Os parlamentardes estao preocupados, somente, em verificar o grau de profundidade das acusações da sindicalista. 

Posso me enganar, mas ninguém sairá preso da Câmara Legislativa.
O que a crise nacional difere da crise local é que no Brasil temos um Juiz de Primeiro  Grau comprometido com a verdade. Em Brasília nosso judiciário é frágil e comprometido.

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

TAGUATINGA ESTÁ COM 12OO VAGAS EM SEIS CURSOS

Com o objetivo de apoiar o trabalho de lideranças comunitárias, a Administração Regional de Taguatinga, tem o programa Escola da Comunidade, um espaço voltado para a promoção de cursos e palestras para zeladores, porteiros, síndicos, prefeitos comunitários e membros de associações de moradores. A Escola da Comunidade está com inscrições abertas para cursos de formação em cursos de formação de prefeito comunitário, síndico profissional, direito condominial, engenharia condominial, agente de portaria e primeiros socorros.


Andréa Serra, uma ex-aluna do curso de formação para síndicos, aprovou a iniciativa da escola e hoje usa o que aprendeu na gestão de seu condomínio. “Com as palestras de direito e dos engenheiros pude saber mais sobre legislação e engenharia, o que eu estou aplicando em meu condomínio”. O administrador de Taguatinga, Ricardo Lustosa Jacobina afirma que a iniciativa é um programa de sucesso da administração de Taguatinga. “A Escola da Comunidade é uma conquista de toda a p…

O SERVIDOR QUE ESPERA AUMENTO EM OUTUBRO "PODE TIRAR O CAVALINHO DACHUVA"

Escrevo este post com a profunda vontade de estar errado, todavia não sou tão otimista assim. A categoria funcional vinculada ao Governo Do Distrito Federal deverá ter uma visão de águia e planejar qualitativamente suas finanças nos próximos meses. Todos nós temos uma tendência em contar com o "ovo dentro da galinha" e realizar despesas ou pagar dívidas com créditos a receber.
O GDF tem se lastreado e se calçado por uma única linha de defesa e planejamento de governança, a Lei de Responsabilidade Fiscal. Não há outra ação propositiva concreta de desenvolvimento econômico para a capital. A "muleta" utilizada só é esquecida quando o governo anterior, o de Agnelo, se sobre põe ao atual na ingerência econômica social.
Vivemos uma crise, nisso não há novidade. Vivemos uma caos não há novidade alguma nisso. A novidade é na desculpa utilizada para justificar ações sem prumo. Falar que arrecadação não tem suprido as expectativas já não justifica o intenso e sistemático discu…

ECONOMIA E A LEI DA ESCASSEZ

Em Economia tudo se resume a uma restrição quase que física - a lei da escassez, isto é, produzir o máximo de bens e serviços a partir dos recursos escassos disponíveis a cada sociedade. Se uma quantidade infinita de cada bem pudesse ser produzida, se os desejos humanos pudessem ser completamente satisfeitos, não importaria que uma quantidade excessiva de certo bem fosse de fato produzida. Nem importaria que os recursos disponíveis: trabalho, terra e capital (este deve ser entendido como máquinas, edifícios, matérias-primas etc.) fossem combinados irracionalmente para produção de bens. Não havendo o problema da escassez, não faz sentido se falar em desperdício ou em uso irracional dos recursos e na realidade só existiriam os "bens livres". Bastaria fazer um pedido e, pronto, um carro apareceria de graça.
Na realidade, ocorre que a escassez dos recursos disponíveis acaba por gerar a escassez dos bens - chamados "bens econômicos". Por exemplo: as jazidas de minério de…