Pular para o conteúdo principal

A TERCEIRIZAÇÃO E O ESFACELAMENTO DO SERVIÇO PÚBLICO

Originalmente idealizada para os serviços de segurança, limpeza e copa, a terceirização tem-se mostrado como um agente de pulverização e esfacelamento do serviço público em todos os setores em que é adotado. 
Atualmente, com o desvirtuamento da sua aplicabilidade, a terceirização, quando foge dos serviços básicos onde a realização de um concurso público não se justificaria, feita de forma indiscriminada e para funções similares as dos agentes públicos concursados, causa, além da ausência de isonomia salarial, de carga horária e condições de trabalho, uma competição exacerbada uma vez que um terceirizado ganha um  salário infinitamente menor que um concursado para desempenhar as mesmas funções. 

 
Nada contra os terceirizados, ao contrário,  foi uma saída inteligente para a contratação de serviços que não justificam nos dias atuais a realização de um certame para  a aquisição desse tipo de serviço. 
O seu desvirtuamento, ou seja, a sua aplicabilidade para serviços técnicos em áreas estratégicas é que causa uma gama de problemas que vão desde a subcontratação de mão de obra barata para a realização de tarefas que deveriam ser realizadas sim por servidores de carreira até o acirramento das relações de trabalho numa competição sem sentido ou culpa já que vai contra os trabalhador, tanto concursado quanto terceirizado  que, na contramão da sua valorização,  vê por terra o que deveria ser de fato resgatado: a valorização das instituições que somente através da realização de concursos públicos pode ser almejada.
A defesa de um  serviço público  de qualidade está sem dúvida na realização de concursos públicos em que são  colocados aqueles que foram escolhidos  por serem os mais bem preparados  e  que ingressaram na carreira por méritos próprios, enfim, por servidores de carreira que irão de fato vestir a camisa da sua instituição e a adotarem com sua Casa.   

Walesca Borges
Analista Legislativo


Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

TAGUATINGA ESTÁ COM 12OO VAGAS EM SEIS CURSOS

Com o objetivo de apoiar o trabalho de lideranças comunitárias, a Administração Regional de Taguatinga, tem o programa Escola da Comunidade, um espaço voltado para a promoção de cursos e palestras para zeladores, porteiros, síndicos, prefeitos comunitários e membros de associações de moradores. A Escola da Comunidade está com inscrições abertas para cursos de formação em cursos de formação de prefeito comunitário, síndico profissional, direito condominial, engenharia condominial, agente de portaria e primeiros socorros.


Andréa Serra, uma ex-aluna do curso de formação para síndicos, aprovou a iniciativa da escola e hoje usa o que aprendeu na gestão de seu condomínio. “Com as palestras de direito e dos engenheiros pude saber mais sobre legislação e engenharia, o que eu estou aplicando em meu condomínio”. O administrador de Taguatinga, Ricardo Lustosa Jacobina afirma que a iniciativa é um programa de sucesso da administração de Taguatinga. “A Escola da Comunidade é uma conquista de toda a p…

O SERVIDOR QUE ESPERA AUMENTO EM OUTUBRO "PODE TIRAR O CAVALINHO DACHUVA"

Escrevo este post com a profunda vontade de estar errado, todavia não sou tão otimista assim. A categoria funcional vinculada ao Governo Do Distrito Federal deverá ter uma visão de águia e planejar qualitativamente suas finanças nos próximos meses. Todos nós temos uma tendência em contar com o "ovo dentro da galinha" e realizar despesas ou pagar dívidas com créditos a receber.
O GDF tem se lastreado e se calçado por uma única linha de defesa e planejamento de governança, a Lei de Responsabilidade Fiscal. Não há outra ação propositiva concreta de desenvolvimento econômico para a capital. A "muleta" utilizada só é esquecida quando o governo anterior, o de Agnelo, se sobre põe ao atual na ingerência econômica social.
Vivemos uma crise, nisso não há novidade. Vivemos uma caos não há novidade alguma nisso. A novidade é na desculpa utilizada para justificar ações sem prumo. Falar que arrecadação não tem suprido as expectativas já não justifica o intenso e sistemático discu…

ECONOMIA E A LEI DA ESCASSEZ

Em Economia tudo se resume a uma restrição quase que física - a lei da escassez, isto é, produzir o máximo de bens e serviços a partir dos recursos escassos disponíveis a cada sociedade. Se uma quantidade infinita de cada bem pudesse ser produzida, se os desejos humanos pudessem ser completamente satisfeitos, não importaria que uma quantidade excessiva de certo bem fosse de fato produzida. Nem importaria que os recursos disponíveis: trabalho, terra e capital (este deve ser entendido como máquinas, edifícios, matérias-primas etc.) fossem combinados irracionalmente para produção de bens. Não havendo o problema da escassez, não faz sentido se falar em desperdício ou em uso irracional dos recursos e na realidade só existiriam os "bens livres". Bastaria fazer um pedido e, pronto, um carro apareceria de graça.
Na realidade, ocorre que a escassez dos recursos disponíveis acaba por gerar a escassez dos bens - chamados "bens econômicos". Por exemplo: as jazidas de minério de…