Pular para o conteúdo principal

ATIVIDADE ECONÕMICA DEPENDE DO PRESIDENTE EM EXERCÍCIO, MICHEL TEMER, ADOTAR MEDIDAS POPULARES E DE SUA PERMANÊNCIA À FRENTE DO GOVERNO

Hamilton Silva: Blogueiro e Economista
Caso o governo do presidente Michel Temer adote  uma linha no sentido da alta de tributos, isso pode prejudicar ainda mais a capacidade de recuperação do consumo das famílias e das empresas.

A credibilidade do governo passa por cortes nas despesas públicas, enfrentando maior resistências nas áreas de saúde e educação onde a premissa de aumentar os custos e investimentos  nessas áreas deve prevalecer e pode emperrar ou atrasar o projeto de retomada do crescimento econômico.
A política de estabelecer um "teto" para as contas públicas, a contenção do aumento de gastos públicos e, principalmente, reforma da Previdência — são medidas que só terão efeito em uma década. A observação que tenho a fazer é Previdência não está quebrada, papo para boi dormir e só dá uma pequena olhada nas contas.

Não há nada de errado nos investimentos com o funcionalismo público, mas com o pagamento por exemplo de cargos comissionados, com as empresas terceirizadas, com os nossos parlamentares, com a estrutura que mantém o Parlamento brasileiro nas esferas Federal, Estatual e Muncipal, com os carros oficiais, com as residências oficiais. Isso nos leva a refletir sobre uma reforma política que transforme definitivamente trabalho parlamentar em trabalho missionário, cada vez com menos regalias por ser não um peso ou favor que o representante faz à população mas uma honra.

As concessões na área de infraestrutura, que além de melhorar estradas, ferrovias, portos e aeroportos devem reduzir custos de produção impulsionaremos a geração de empregos e reformulando o gabarito de empresas públicas deficitárias.

O fator confiança está diretamente relacionado com a permanência de Michel temer na presidência da república, na remota chance de reversão do afastamento de Dilma Roussef, os mercados derreteriam.

Outro desafio para Temer é aprovar medidas fiscais que resultem em um robusto resultado primário positivo em 2018, o que seria essencial para reduzir a trajetória de crescimento da relação entre dívida e PIB. A redução do crescimento da relação entre a dívida pública e o Produto Interno Bruto (PIB) é fundamental para o aumento da confiança dos investidores,  



Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

TAGUATINGA ESTÁ COM 12OO VAGAS EM SEIS CURSOS

Com o objetivo de apoiar o trabalho de lideranças comunitárias, a Administração Regional de Taguatinga, tem o programa Escola da Comunidade, um espaço voltado para a promoção de cursos e palestras para zeladores, porteiros, síndicos, prefeitos comunitários e membros de associações de moradores. A Escola da Comunidade está com inscrições abertas para cursos de formação em cursos de formação de prefeito comunitário, síndico profissional, direito condominial, engenharia condominial, agente de portaria e primeiros socorros.


Andréa Serra, uma ex-aluna do curso de formação para síndicos, aprovou a iniciativa da escola e hoje usa o que aprendeu na gestão de seu condomínio. “Com as palestras de direito e dos engenheiros pude saber mais sobre legislação e engenharia, o que eu estou aplicando em meu condomínio”. O administrador de Taguatinga, Ricardo Lustosa Jacobina afirma que a iniciativa é um programa de sucesso da administração de Taguatinga. “A Escola da Comunidade é uma conquista de toda a p…

O SERVIDOR QUE ESPERA AUMENTO EM OUTUBRO "PODE TIRAR O CAVALINHO DACHUVA"

Escrevo este post com a profunda vontade de estar errado, todavia não sou tão otimista assim. A categoria funcional vinculada ao Governo Do Distrito Federal deverá ter uma visão de águia e planejar qualitativamente suas finanças nos próximos meses. Todos nós temos uma tendência em contar com o "ovo dentro da galinha" e realizar despesas ou pagar dívidas com créditos a receber.
O GDF tem se lastreado e se calçado por uma única linha de defesa e planejamento de governança, a Lei de Responsabilidade Fiscal. Não há outra ação propositiva concreta de desenvolvimento econômico para a capital. A "muleta" utilizada só é esquecida quando o governo anterior, o de Agnelo, se sobre põe ao atual na ingerência econômica social.
Vivemos uma crise, nisso não há novidade. Vivemos uma caos não há novidade alguma nisso. A novidade é na desculpa utilizada para justificar ações sem prumo. Falar que arrecadação não tem suprido as expectativas já não justifica o intenso e sistemático discu…

ECONOMIA E A LEI DA ESCASSEZ

Em Economia tudo se resume a uma restrição quase que física - a lei da escassez, isto é, produzir o máximo de bens e serviços a partir dos recursos escassos disponíveis a cada sociedade. Se uma quantidade infinita de cada bem pudesse ser produzida, se os desejos humanos pudessem ser completamente satisfeitos, não importaria que uma quantidade excessiva de certo bem fosse de fato produzida. Nem importaria que os recursos disponíveis: trabalho, terra e capital (este deve ser entendido como máquinas, edifícios, matérias-primas etc.) fossem combinados irracionalmente para produção de bens. Não havendo o problema da escassez, não faz sentido se falar em desperdício ou em uso irracional dos recursos e na realidade só existiriam os "bens livres". Bastaria fazer um pedido e, pronto, um carro apareceria de graça.
Na realidade, ocorre que a escassez dos recursos disponíveis acaba por gerar a escassez dos bens - chamados "bens econômicos". Por exemplo: as jazidas de minério de…