Pular para o conteúdo principal

CONSTRUÇÃO GANHA MAIS 2 MIL POSTOS DE TRABALHO EM JUNHO

A taxa de desemprego total em Brasília se manteve estável em junho. O índice passou de 18,9%, em maio, para 19% no mês seguinte, de acordo com a Pesquisa de Emprego e Desemprego (PED-DF), divulgada nesta quarta-feira (27) pela Companhia de Planejamento do DF (Codeplan), pela Secretaria do Trabalho, Desenvolvimento Social, Mulheres, Igualdade Racial e Direitos Humanos e pelo Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese). A quantidade de pessoas no mercado de trabalho — ocupadas ou procurando emprego — diminuiu, em razão da expectativa do período de férias.
No setor da construção civil, o cenário é um pouco mais positivo, com aumento de 2 mil de postos de trabalho.
O setor da construção civil registrou um aumento de 2 mil postos de trabalho em junho. Foto: Dênio Simões/Agência Brasília
No setor da construção civil, o cenário é de crescimento, com aumento de 2 mil postos de trabalho no período. “É muito cedo para dizer que está havendo uma retomada do setor, porque é um momento muito específico”, ressalta a coordenadora de pesquisas do Dieese, Adalgiza Amaral. No entanto, o desempenho do setor foi influenciado pela liberação de projetos de construção por meio da Central de Aprovação de Projetos (CAP), da Secretaria de Gestão do Território e Habitação. “A Secretaria fez uma força-tarefa, no primeiro semestre deste ano, na CAP. A central liberou mais de 1 mil alvarás de construção. No ano passado, foram 800. Essas liberações com certeza tiveram impacto no setor”, defende o secretário adjunto do Trabalho, Thiago Jarjour.
O empreendedorismo também está em alta. Pelo menos 123 mil pessoas decidiram investir no próprio negócio em junho. Em maio, os empreendedores correspondiam a 117 mil pessoas. “Isso demonstra que parte das pessoas que perderam empregos com carteira assinada usaram os recursos da rescisão para investir em um negócio.”

Desemprego é maior entre os que ganham mais

Em termos absolutos, o contingente de desempregados, em junho, foi de 301 mil pessoas. São 2 mil pessoas a mais que o mês anterior, quando 299 mil estavam à procura de vaga no mercado de trabalho.
O secretário adjunto do Trabalho considera a variação da quantidade de desempregados um sinal de que a pior fase da crise já passou. “Tivemos um aumento de 0,1 ponto percentual, o que significa estabilidade. Não consideramos aumento expressivo. A crise está da metade para o final: o mercado começa a se reaquecer, alguns segmentos começam a contratar mais”, avaliou.
No mesmo período, 2 mil brasilienses deixaram de fazer parte da população economicamente ativa (PEA), ou seja, abandonaram a busca por emprego e retornaram à inatividade. “Os dados se referem a um período em que as pessoas se preparam para as férias e preferem deixar para procurar emprego no segundo semestre, já de olho na maior oferta de vagas no fim do ano”, explica a coordenadora da PED-DF pelo Dieese, Adalgiza Lara Amaral.
O desemprego foi mais intenso no grupo de maior renda, cujo índice ficou em 7,9%. Em maio, a taxa para esse grupo foi de 7,4%. O fechamento de postos de trabalho na administração pública — foram 4 mil vagas a menos de maio para junho — justifica esse aumento. Por outro lado, o grupo de renda mais baixa, apresentou variação de 22,8% para 22,5%. Essa é a primeira vez que essa parcela da população apresenta queda na taxa de desemprego. “Atribuímos isso à redução da PEA. Com menor pressão das pessoas procurando uma oportunidade, a taxa também diminui”, destaca Adalgiza.
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

TAGUATINGA ESTÁ COM 12OO VAGAS EM SEIS CURSOS

Com o objetivo de apoiar o trabalho de lideranças comunitárias, a Administração Regional de Taguatinga, tem o programa Escola da Comunidade, um espaço voltado para a promoção de cursos e palestras para zeladores, porteiros, síndicos, prefeitos comunitários e membros de associações de moradores. A Escola da Comunidade está com inscrições abertas para cursos de formação em cursos de formação de prefeito comunitário, síndico profissional, direito condominial, engenharia condominial, agente de portaria e primeiros socorros.


Andréa Serra, uma ex-aluna do curso de formação para síndicos, aprovou a iniciativa da escola e hoje usa o que aprendeu na gestão de seu condomínio. “Com as palestras de direito e dos engenheiros pude saber mais sobre legislação e engenharia, o que eu estou aplicando em meu condomínio”. O administrador de Taguatinga, Ricardo Lustosa Jacobina afirma que a iniciativa é um programa de sucesso da administração de Taguatinga. “A Escola da Comunidade é uma conquista de toda a p…

CONCURSO PARA CÃMARA LEGISLATIVA TERÁ 100 MIL CANDIDATOS

O tão esperado edital de abertura do concurso da Câmara Legislativa do Distrito Federal (CLDF) deverá ser lançado até o mês de agosto. A informação foi divulgada pela própria Casa, que assinou o contrato com a Fundação Carlos Chagas (FCC) na última sexta-feira (7/7). Mas a espera pela distribuição das vagas nos cargos não é mais necessária. Veja abaixo para quais áreas serão destinadas as 86 oportunidades: divididas entre os cargos de técnico, consultor técnico, consultor e procurador.
O presidente da Câmara, deputado Joe Valle (PDT), espera que o concurso selecione os candidatos mais interessados em fazer carreira na casa, que tem atualmente o salário inicial de nível médio em R$ 10.143,07 e de nível superior em R$ 15.123,30. Segundo ele, a expectativa é de mais de 100 mil candidatos inscritos. Leia também:Mais de 15 mil vagas serão abertas no país até dezembro De acordo com a Casa, não haverá gastos para a realização do certame, pois a seleção será totalmente custeada pelos valores …

O SERVIDOR QUE ESPERA AUMENTO EM OUTUBRO "PODE TIRAR O CAVALINHO DACHUVA"

Escrevo este post com a profunda vontade de estar errado, todavia não sou tão otimista assim. A categoria funcional vinculada ao Governo Do Distrito Federal deverá ter uma visão de águia e planejar qualitativamente suas finanças nos próximos meses. Todos nós temos uma tendência em contar com o "ovo dentro da galinha" e realizar despesas ou pagar dívidas com créditos a receber.
O GDF tem se lastreado e se calçado por uma única linha de defesa e planejamento de governança, a Lei de Responsabilidade Fiscal. Não há outra ação propositiva concreta de desenvolvimento econômico para a capital. A "muleta" utilizada só é esquecida quando o governo anterior, o de Agnelo, se sobre põe ao atual na ingerência econômica social.
Vivemos uma crise, nisso não há novidade. Vivemos uma caos não há novidade alguma nisso. A novidade é na desculpa utilizada para justificar ações sem prumo. Falar que arrecadação não tem suprido as expectativas já não justifica o intenso e sistemático discu…