Pular para o conteúdo principal

GREVE DO METRÔ PODE ACABAR NESTA TERÇA-FEIRA

Depois de vinte dias de greve os empregados da Companhia do Metropolitano do DF assistem de forma espantosa a morosidade da justiça do trabalho para julgar a legalidade da greve e os pedidos dos trabalhadores, reposição das perdas salariais corroídas pela inflação no período 2015/2016 e a convocação de concursados de 2013.

 
Porém essa paralisação pode acabar nesta terça-feira, devido a uma audiência na Primeira Seção Especializada do Tribunal Regional do Trabalho da 10ª Região (TRT10), às 09 horas.Como não houve acordo as partes pediram ao desembargador responsável - Alexandre Nery de Oliveira - pela causa que acatassem liminares que suspendessem a greve de imediato, pedido feito pela empresa, e a diminuição de trens circulando de 100% para 40%, pedido feito pelo sindicato dos trabalhadores.

Como já houve o de tempo necessário para que as partes apresentassem suas argumentações e contrapropostas agora só de depende da justiça que até essa sexta feira 01/07 não havia se pronunciado apesar de ter conciliado as primeiras reuniões. E somente deixou para essa semana a solução do impasse.

O Direito dos Usuários

O Direito de ir e vir é garantido pela nossa Carta Magna Artigo 5º -XV, e também é conferido a todo cidadão pela Declaração dos Direitos Humanos da ONU assinada em 1948.

A razão de todo sistema metroviário existir é o usuário. Exigir um transporte de qualidade é a principal demanda da população do Distrito Federal já que os transportes oferecidos, rodoviário, por exemplo, são precários em todos aspectos: Eficiência, Segurança e Economicidade.

A quantidade de automóveis que circulam pelas avenidas da cidade balizam a necessidade de investimento em massa no transporte sobre trilho. Imagina 150 mil carros a mais nas ruas, já que é essa a quantidade de transportados diariamente pelo Metrô.

O direito à informação do que realmente ocorre com o sistema deve ser pauta sistemática, pois o maior beneficiário, o usuário, precisa entender e se sentir responsável pelo patrimônio para que possa cobrar. Não se pode deixar que a mídia parcial transmita de forma pejorativa e destrutiva os fatos sem que haja uma correção das distorções relatadas.
A valorização do sistema deve "startada" pelo usuário.

O Direito dos Trabalhadores

Baseado pelo INPC trabalhadores reivindicam um percentual de 8,97% de reajuste necessário para que a inflação não absorva o poder de compra dos seus salários. Melhores condições de trabalho e principalmente a contratação de concursados que viabiliza maior segurança aos usuários. 
E a finalização de ações que visão a terceirização e o sucateamento da empresa que aponta para uma privatização.   
O dever da empresa
Prestar um serviço de qualidade com responsabilidade fiscal e proporcionar aos seus empregados condições mínimas para realizar suas atribuições sem prejuízo na qualidade e desvalorização de seus empregados concursados visando sempre o bem estar dos usuários.

Por que a demora?

A situação tem se demonstrada desconfortável, mas suportável. A causa principal é que a paralização não tem afetado de forma drástica e o sistema rodoviário funciona precariamente,mas ainda funciona.

A justiça do trabalho determinou que 100% dos trens devem operar em horário de pico, entretanto é um grande mistério a demora no julgamento da greve num serviço Essencial para comunidade de Brasília. Entender as entrelinhas vai além de ler ou ver o noticiário de todos para um cidadão comum, com patrimônio dilapidado a empresa pode estar sendo objeto de alvo de privatização.

Um argumento foi as férias do desembarcou responsável pela ação e as várias liminares que foram impetrada na justiça. Mas que sinaliza um término nesta terça-feira.
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

TAGUATINGA ESTÁ COM 12OO VAGAS EM SEIS CURSOS

Com o objetivo de apoiar o trabalho de lideranças comunitárias, a Administração Regional de Taguatinga, tem o programa Escola da Comunidade, um espaço voltado para a promoção de cursos e palestras para zeladores, porteiros, síndicos, prefeitos comunitários e membros de associações de moradores. A Escola da Comunidade está com inscrições abertas para cursos de formação em cursos de formação de prefeito comunitário, síndico profissional, direito condominial, engenharia condominial, agente de portaria e primeiros socorros.


Andréa Serra, uma ex-aluna do curso de formação para síndicos, aprovou a iniciativa da escola e hoje usa o que aprendeu na gestão de seu condomínio. “Com as palestras de direito e dos engenheiros pude saber mais sobre legislação e engenharia, o que eu estou aplicando em meu condomínio”. O administrador de Taguatinga, Ricardo Lustosa Jacobina afirma que a iniciativa é um programa de sucesso da administração de Taguatinga. “A Escola da Comunidade é uma conquista de toda a p…

O SERVIDOR QUE ESPERA AUMENTO EM OUTUBRO "PODE TIRAR O CAVALINHO DACHUVA"

Escrevo este post com a profunda vontade de estar errado, todavia não sou tão otimista assim. A categoria funcional vinculada ao Governo Do Distrito Federal deverá ter uma visão de águia e planejar qualitativamente suas finanças nos próximos meses. Todos nós temos uma tendência em contar com o "ovo dentro da galinha" e realizar despesas ou pagar dívidas com créditos a receber.
O GDF tem se lastreado e se calçado por uma única linha de defesa e planejamento de governança, a Lei de Responsabilidade Fiscal. Não há outra ação propositiva concreta de desenvolvimento econômico para a capital. A "muleta" utilizada só é esquecida quando o governo anterior, o de Agnelo, se sobre põe ao atual na ingerência econômica social.
Vivemos uma crise, nisso não há novidade. Vivemos uma caos não há novidade alguma nisso. A novidade é na desculpa utilizada para justificar ações sem prumo. Falar que arrecadação não tem suprido as expectativas já não justifica o intenso e sistemático discu…

ECONOMIA E A LEI DA ESCASSEZ

Em Economia tudo se resume a uma restrição quase que física - a lei da escassez, isto é, produzir o máximo de bens e serviços a partir dos recursos escassos disponíveis a cada sociedade. Se uma quantidade infinita de cada bem pudesse ser produzida, se os desejos humanos pudessem ser completamente satisfeitos, não importaria que uma quantidade excessiva de certo bem fosse de fato produzida. Nem importaria que os recursos disponíveis: trabalho, terra e capital (este deve ser entendido como máquinas, edifícios, matérias-primas etc.) fossem combinados irracionalmente para produção de bens. Não havendo o problema da escassez, não faz sentido se falar em desperdício ou em uso irracional dos recursos e na realidade só existiriam os "bens livres". Bastaria fazer um pedido e, pronto, um carro apareceria de graça.
Na realidade, ocorre que a escassez dos recursos disponíveis acaba por gerar a escassez dos bens - chamados "bens econômicos". Por exemplo: as jazidas de minério de…