Pular para o conteúdo principal

DEMISSÃO DE EMISSÁRIO DA PROPINA PÕE BISPO RENATO NUMA ENCRUZILHADA



Alexandre Braga Cerqueira, secretário executivo da Terceira Secretaria da CLDF, é apontado por testemunhas como interlocutor de distritais na suposta cobrança de propina envolvendo contratos da iniciativa privada com a GDF. Bispo Renato avalia se a demissão do apadrinhado amenizará a crise na Casa ou causará mais problemas


A ventania que levanta poeira na Câmara Legislativa desde a divulgação de grampos clandestinos da distrital Liliane Roriz (PTB) deve ganhar força nesta semana. E, no olho desse furacão que atinge ao menos seis distritais, um deles encontra-se num dilema. Pressionado a exonerar o servidor apontado como emissário da propina supostamente cobrada a mando de parlamentares, Bispo Renato Andrade (PR) ainda estuda o que fazer. Mas qualquer decisão terá consequências imprevisíveis.



MAIS SOBRE O ASSUNTO

Liliane Roriz renuncia à vice-presidência da Câmara LegislativaCerto é que, se o parlamentar evangélico mantiver Alexandre Braga Cerqueira no cargo de secretário executivo da Terceira Secretaria, corre o risco de ampliar o desgaste da própria imagem caso o Ministério Público do DF e Territórios (MPDFT)encontre provas das irregularidades. Por outro lado, se dispensar o funcionário comissionado que ele mesmo indicou para o posto, o distrital do PR despertará a fúria de Cerqueira, que poderá voltar a artilharia contra os deputados.



Agora, Bispo Rento tenta se desvencilhar do apadrinhado, atribuindo qualquer atitude criminosa à própria conduta do servidor. Por meio de sua assessoria, o distrital evangélico afirmou ao Metrópoles neste domingo (21) que, “caso sejam descobertas ilicitudes ou pedido de propina, Alexandre o fez por conta própria, e não como representante do Bispo Renato Andrade ou de qualquer outro deputado da Mesa Diretora”. A equipe do distrital não falou sobre uma eventual exoneração, mas ressaltou que o parlamentar “tomará as medidas necessárias relacionadas à investigação e também ao servidor.”

Conforme o Metrópoles revelou no último sábado (20), Alexandre Braga Cerqueira é apontado por testemunhas como sendo o responsável por cobrar propinas supostamente a mando de distritais. Os áudios gravados por Liliane Roriz sugerem que um grupo de seis deputados seria o beneficiário do esquema envolvendo a liberação de recursos para a saúde pública. São eles: os integrantes da Mesa Diretora — a presidente Celina Leão (PPS), Raimundo Ribeiro (PPS), Júlio César (PRB) e Bispo Renato —, além de Liliane, que renunciou à vice-presidência no último dia 17, e Cristiano Araújo (PSD).


Desde que o Metrópoles revelou a identidade do suposto interlocutor dos distritais no escândalo, o clima na Câmara Legislativa ficou ainda mais tenso. Agora, a exoneração ou a manutenção de Alexandre Braga Cerqueira no cargo é encarada como um divisor de águas na crise.

Cerqueira, que recebe R$ 17 mil mensais na CLDF, é funcionário da Casa há 20 anos e também tem ligações com o ex-distrital Aylton Gomes, réu na Operação Caixa de Pandora. Hoje, responde a Bispo Renato Andrade.
Foto: Michel Melo 
Achaque a empresário
Pessoas ligadas à investigação no MPDFT confirmam que Alexandre Braga Cerqueira procurou o empresário Afonso Assad, presidente da Associação Brasiliense de Construtores, para pedir uma “contribuição” após distritais assegurarem a liberação de recursos. Segundo depoimento do empresário ao Ministério Público, o servidor falava em nome de deputados distritais.

O defensor público André de Moura afirma que o depoimento de Assad ao MPDFT e ao Ministério Público de Contas do DF (MPC-DF) é semelhante ao conteúdo de um dos grampos feitos por Liliane. Nesse áudio, o ex-secretário-geral da CLDF Valério Neves afirma que Bispo Renato e Júlio César, líder do governo na Casa, teriam tentado fazer uma negociação com o empresário. De acordo com o que Neves diz, Assad poderia intermediar contratos com a Secretaria de Educação, mas não teria levado a cabo o “compromisso”. “O Afonso disse que não poderia garantir nada”, diz Valério Neves em um dos trechos. Valério deve depor nesta segunda (22) na CLDF.


O depoimento de Afonso Assad ao MPDFT reforça essa versão. O empresário conta que os dois parlamentares o teriam procurado para um almoço. O encontro ocorreu em dezembro de 2015, em uma churrascaria. Na ocasião, Bispo Renato e Júlio César teriam convidado o empresário para entrar no esquema. “Queriam que o Afonso desse uma contribuição para eles pagarem dívidas de campanha”, garante o defensor André de Moura.

Conforme o relato de Assad ao MPDFT e ao MPC-DF, os distritais destinariam R$ 15 milhões para a Educação e outros R$ 15 milhões para a Saúde. “Eles não falaram como seria feita a divisão (no caso de propina), mas o Afonso disse que não pagaria, pois não trabalha com isso, prefere dormir de cabeça tranquila”, completa André de Moura.

Ainda segundo a denúncia investigada pelos procuradores, os supostos desvios gravados por Liliane teriam sido feitos com a sobra orçamentária da Casa de 2015. Em um primeiro momento, os recursos seriam destinados ao GDF para custear reformas nas escolas públicas. De última hora, no entanto, o texto do projeto de lei foi modificado e o dinheiro — R$ 30 milhões de um total de R$ 31 milhões — acabou realocado para a Saúde. O valor foi destinado ao pagamento de serviços vencidos em UTIs da rede pública. O R$ 1 milhão restante foi repassado à educação. Essa destinação de verba teria sido a razão que motivou Cerqueira a procurar Assad para cobrar propina.

Outro lado
Neste domingo (21), a reportagem tentou novamente localizar Alexandre Braga Cerqueira em três telefones celulares e um fixo, mas ele não atendeu nem retornou os contatos até a publicação desta reportagem. Por meio de um interlocutor, Afonso Assad disse que não quer comentar o caso.

O deputado Júlio César (PRB) afirmou que só vai se pronunciar sobre o caso quando tiver acesso ao processo. No momento, ele disse desconhecer as informações. Por meio de nota conjunta, os demais integrantes da Mesa negaram envolvimento com atos ilícitos. A assessoria de Cristiano Araújo afirmou que ele não vai se pronunciar por não saber o conteúdo da investigação que ocorre na Justiça. Valério Neves não foi encontrado pela reportagem.  

Fonte: Kely Almeida Metrópole

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

TAGUATINGA ESTÁ COM 12OO VAGAS EM SEIS CURSOS

Com o objetivo de apoiar o trabalho de lideranças comunitárias, a Administração Regional de Taguatinga, tem o programa Escola da Comunidade, um espaço voltado para a promoção de cursos e palestras para zeladores, porteiros, síndicos, prefeitos comunitários e membros de associações de moradores. A Escola da Comunidade está com inscrições abertas para cursos de formação em cursos de formação de prefeito comunitário, síndico profissional, direito condominial, engenharia condominial, agente de portaria e primeiros socorros.


Andréa Serra, uma ex-aluna do curso de formação para síndicos, aprovou a iniciativa da escola e hoje usa o que aprendeu na gestão de seu condomínio. “Com as palestras de direito e dos engenheiros pude saber mais sobre legislação e engenharia, o que eu estou aplicando em meu condomínio”. O administrador de Taguatinga, Ricardo Lustosa Jacobina afirma que a iniciativa é um programa de sucesso da administração de Taguatinga. “A Escola da Comunidade é uma conquista de toda a p…

O SERVIDOR QUE ESPERA AUMENTO EM OUTUBRO "PODE TIRAR O CAVALINHO DACHUVA"

Escrevo este post com a profunda vontade de estar errado, todavia não sou tão otimista assim. A categoria funcional vinculada ao Governo Do Distrito Federal deverá ter uma visão de águia e planejar qualitativamente suas finanças nos próximos meses. Todos nós temos uma tendência em contar com o "ovo dentro da galinha" e realizar despesas ou pagar dívidas com créditos a receber.
O GDF tem se lastreado e se calçado por uma única linha de defesa e planejamento de governança, a Lei de Responsabilidade Fiscal. Não há outra ação propositiva concreta de desenvolvimento econômico para a capital. A "muleta" utilizada só é esquecida quando o governo anterior, o de Agnelo, se sobre põe ao atual na ingerência econômica social.
Vivemos uma crise, nisso não há novidade. Vivemos uma caos não há novidade alguma nisso. A novidade é na desculpa utilizada para justificar ações sem prumo. Falar que arrecadação não tem suprido as expectativas já não justifica o intenso e sistemático discu…

ECONOMIA E A LEI DA ESCASSEZ

Em Economia tudo se resume a uma restrição quase que física - a lei da escassez, isto é, produzir o máximo de bens e serviços a partir dos recursos escassos disponíveis a cada sociedade. Se uma quantidade infinita de cada bem pudesse ser produzida, se os desejos humanos pudessem ser completamente satisfeitos, não importaria que uma quantidade excessiva de certo bem fosse de fato produzida. Nem importaria que os recursos disponíveis: trabalho, terra e capital (este deve ser entendido como máquinas, edifícios, matérias-primas etc.) fossem combinados irracionalmente para produção de bens. Não havendo o problema da escassez, não faz sentido se falar em desperdício ou em uso irracional dos recursos e na realidade só existiriam os "bens livres". Bastaria fazer um pedido e, pronto, um carro apareceria de graça.
Na realidade, ocorre que a escassez dos recursos disponíveis acaba por gerar a escassez dos bens - chamados "bens econômicos". Por exemplo: as jazidas de minério de…