Pular para o conteúdo principal

ÉTICA: PONDERAÇÕES


 Paixões, todos temos. E o que é a paixão? Um barco solto, em alto mar, na tempestade, à derivaNecessária, portanto, a educação da nossa vontade, no homem natureza que age sem racionalidade e movido pela paixão, escolher o bem e  discernir o mal  e o vício e escolher o caminho da virtude. E só a razão leva à uma vida bela  e feliz. Numa sociedade dividida por interesses conflitantes, um valor importante  são as escolhas de forma democrática, escolhas no campo da política em que todos são iguais e elegem representantes considerados idôneos para agir conforme a vontade do povo, com respeito ao tempo e ao espaço das coisas e em que se busca o equilíbrio entre  a individualidade e a coletividade.
A arte de viver da ética antiga , a ética dos gregos, buscava a ética da beleza, a estética da vida, da existência, a beleza do Cosmos, o homem belo é  ético na medida em que vai em busca da ordem, da beleza, da harmonia do Cosmos, o homem virtuoso.
Trazer para  a vida pessoal a beleza do Cosmos deu expressão à beleza que lhe é inata. Lembrando que a excelência é uma conquista, o homem se torna bom. A vida como  viagem rumo ao caminho da virtude e do bem viver.No mundo ideal, cada um com suas funções em harmonia com os demais. Virtuosismo pessoal, ter prazer, ser sereno, mesmo no caos. Cidades como reflexos da beleza do cosmos. O homem nasce para a felicidade, para a saúde da alma . E só o afastamento da ignorância  traz a autogestão de si mesmo e a consciência de que o universo público não pode se tornar pessoal.Conhecimento, razão, mundo maior, amizade que se concretiza nos jardins, serenos, felizes, encontros, conversação, prosas, o direito ao bem, à cidadania e à eletividade. A ética exige racionalidade, sai da fatalidade e sai em busca da  felicidade, pressupõe um dever, um bem, uma conquista do que é virtuoso, é liberdade porque, apesar  de tudo, abre uma porta para  se realizar o que se deve e pode fazer a partir da administração dos desejos. Eu busco jardins. Não há nada a temer, a felicidade é possível, a dor pode ser superada, a felicidade é uma conquista, direito de todos e luta de autonomia, de prazer, de alegria da felicidade com responsabilidade. 
Uma consideração importante é a existência de diferentes éticas, de acordo com os países, povos, religiões, culturas que irão determinar o que é ético para um povo não é para outros. Muçulmanos e talibãs pensam e possuem ética diferente dos sul americanos ou norte americanos. 
Outro aspecto importante é a legitimidade: apenas  ela garante a obediência ou a transgressão. O direito legítimo como seiva sagrada que corre nas árvores e nos rios. Ungida, soberania. Soberania e natureza. O Rei faz corpo com a natureza.Princípio mágico: o bom governo medieval prezava pela justiça, bondade, caridade. O Rei justo em que cada um ocupa o seu lugar numa ordenação cósmica. Como numa mandala, sem cabeceiras, cavaleiros da Távola redonda.
E essa bondade é mantida nos dias atuais, as esmolas, o bolsa família, o Rei magnânimo, metade do feudo para os demaisO Rei a cabeça, o corpo, os súditos, relação harmônica com os súditos para que o corpo seja saudável. O tirano escraviza os súditos, relação de medo, perda da legitimidade.  O Rei justo é movido por amor o Rei tirano pelo medo, por isso ele precisa da PM, do exército  e das forças de segurança para se proteger e ao povo também já que o natural é que a violência seja exacerbada nessa relação doente. O uso da força para conservar o Estado e seus valores.
Na modernidade, além de justo, o Rei deve ser eficiente e usar a máquina do Estado de forma eficaz. Não basta só ser bom, tem que ser eficiente.
A consulta periódica e sistemática ao povo de seus representantes constitui legitimidade, como a força do sol, eleições, como o bem, o  sol que coloque luzes no que está escuro, o sol dá vida e aproveita as ações. Modernidade, eficiência, o eu e o outro, será bom se for eficaz.
A sociedade necessita de normas, isso diminui a distância entre o bem  e o mal
O homem decide, o sagrado sai dos Deuses e vai para o indivíduo, por isso o enfraquecimento da Igreja e o fortalecimento do cidadão.
O procedimento passa  ser mais importante que o valor e a forma democrática circularhomens iguais e livres para escolher seus rumos. Fazer o que se deve e não o que se quer de forma anárquica. autoridade e ordem conferem limites à liberdades sem limites. E surge a ética da alegria,  no lugar da ética da transgressão. Quando você diverte uma mulher, vocêtem tudo que quer!
Qual o mal da sociedade moderna e contemporânea? A individuação em detrimento da coletividade.
A cura das polis? Quando pensarmos mais como seres coletivos:
- ciclovias
- meio ambiente
- praças de convivência
- transporte público de qualidade
- associações de classe
- festas da comunidade
-eficiência
-formas circulares
- reuniões ao ar livre
-cursos técnicos de qualidade de forma que capacite profissionais em todos os níveis de modo a garantir que todas as classes se sintam reconhecidas e importantes no processo de produção, planejamento, etc.

Walesca Borges
Analista Legislativo
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

TAGUATINGA ESTÁ COM 12OO VAGAS EM SEIS CURSOS

Com o objetivo de apoiar o trabalho de lideranças comunitárias, a Administração Regional de Taguatinga, tem o programa Escola da Comunidade, um espaço voltado para a promoção de cursos e palestras para zeladores, porteiros, síndicos, prefeitos comunitários e membros de associações de moradores. A Escola da Comunidade está com inscrições abertas para cursos de formação em cursos de formação de prefeito comunitário, síndico profissional, direito condominial, engenharia condominial, agente de portaria e primeiros socorros.


Andréa Serra, uma ex-aluna do curso de formação para síndicos, aprovou a iniciativa da escola e hoje usa o que aprendeu na gestão de seu condomínio. “Com as palestras de direito e dos engenheiros pude saber mais sobre legislação e engenharia, o que eu estou aplicando em meu condomínio”. O administrador de Taguatinga, Ricardo Lustosa Jacobina afirma que a iniciativa é um programa de sucesso da administração de Taguatinga. “A Escola da Comunidade é uma conquista de toda a p…

O SERVIDOR QUE ESPERA AUMENTO EM OUTUBRO "PODE TIRAR O CAVALINHO DACHUVA"

Escrevo este post com a profunda vontade de estar errado, todavia não sou tão otimista assim. A categoria funcional vinculada ao Governo Do Distrito Federal deverá ter uma visão de águia e planejar qualitativamente suas finanças nos próximos meses. Todos nós temos uma tendência em contar com o "ovo dentro da galinha" e realizar despesas ou pagar dívidas com créditos a receber.
O GDF tem se lastreado e se calçado por uma única linha de defesa e planejamento de governança, a Lei de Responsabilidade Fiscal. Não há outra ação propositiva concreta de desenvolvimento econômico para a capital. A "muleta" utilizada só é esquecida quando o governo anterior, o de Agnelo, se sobre põe ao atual na ingerência econômica social.
Vivemos uma crise, nisso não há novidade. Vivemos uma caos não há novidade alguma nisso. A novidade é na desculpa utilizada para justificar ações sem prumo. Falar que arrecadação não tem suprido as expectativas já não justifica o intenso e sistemático discu…

ECONOMIA E A LEI DA ESCASSEZ

Em Economia tudo se resume a uma restrição quase que física - a lei da escassez, isto é, produzir o máximo de bens e serviços a partir dos recursos escassos disponíveis a cada sociedade. Se uma quantidade infinita de cada bem pudesse ser produzida, se os desejos humanos pudessem ser completamente satisfeitos, não importaria que uma quantidade excessiva de certo bem fosse de fato produzida. Nem importaria que os recursos disponíveis: trabalho, terra e capital (este deve ser entendido como máquinas, edifícios, matérias-primas etc.) fossem combinados irracionalmente para produção de bens. Não havendo o problema da escassez, não faz sentido se falar em desperdício ou em uso irracional dos recursos e na realidade só existiriam os "bens livres". Bastaria fazer um pedido e, pronto, um carro apareceria de graça.
Na realidade, ocorre que a escassez dos recursos disponíveis acaba por gerar a escassez dos bens - chamados "bens econômicos". Por exemplo: as jazidas de minério de…