Pular para o conteúdo principal

PORQUÊ A CPI DA SAÚDE TEM A OBRIGAÇÃO DE NÃO ACABAR EM PIZZA

Opinião Blog: logo
01 porque é seu papel

A Comissão Parlamentar de Inquérito tem como uma das principais características uma  data de validade, ou seja, - esse tempo já deve vir estipulado no texto de instalação  e pode ser prorrogado. Quando chega ao fim, o relator da CPI precisa apresentar um relatório, que pode conter denúncias e fatos que posteriormente serão apurados pelo Ministério Público. Porém, a CPI não tem o poder de punir ou mesmo de entrar como uma ação civil ou criminal. Todavia do ponto de vista político a CPI da saúde tem o dever de clarear as denúncias e gravações que foram feitas pela presidente do Sindsaúde, Marli Oliveira.

02 porque as CPIs não tem credibilidade;

Desde que a Consituição Federal  de 1988 estabeleceu e mudou significamente as funcionalidades das  Comissões Parlamentares de Inquerito, poucos resultados práticos do ponto de vista a contribuir para a melhoria de nossa sociedade foram contabilzados e criminosos penalizados em virtude dessa pouca produtividade as comissões não tem o que comemorar. A credibilidade desses trabalhos estão prejudicados e precisam de notoriedade, transparência e eficácia nas suas atribuições para que o descrédito seja eliminado e descolado das CPI's. 


03 porque Brasília está infestada de corrupto

Na CPI dos Transportes Segundo a Celina Leão (presidente da Câmara Legislativa), todos diziam que a CPI iria dar em pizza. Mas não deu. O trabalho desenvolvido pela CPI do transportes da Câmara Legislativa do do DF  e conseguiu anular o edital que traria um prejuízo de quase a R$ 1 bilhão aos cofres públicos, por ano. E isso seria por 20 anos. 

Por outro lado, Muitos de nossos senadores em passado recente nos levaram à vergonha por exemplo: Gim Argelo, Luiz Estevão , Roberto Arruda e Roriz, foram processados por crimes e por raras vezes se relacionaram com CPI e até se a transformaram em ferramenta útil ao fascínoras corruptos, caso do Gim na famosa CPI da Petrobras em 2014 leia mais.

04 porque a chefe do Legislativo tem compromisso moral

O fato é que a demora na elaboração de um relatório final da CPI da saúde pode levar a um descrédito generalizado. Neste caso específico não é o que parece.  Os trabalhos nesta data parecem lentos e com datas esticadas, tanto que está dando espaço para o Ministério Público e polícia civil agirem nas suas diligências. A quem interessa essa morosidade?

Celina Leão, desde que assumiu seu novo mandato de deputada distrital vem se destacando pelo compromisso com seus eleitores é bom trabalho pautado pelos princípios que fizeram a chegar no poder. Moralmente a parlamentar tem a obrigação de acelerar o processo de apuração , ou pelo menos agir, para que venha a luz todas as informações  deflagradas pela diretora do Sindsaúde.

Se a deputada agir com energia desproporcional na resolução dos fatos o risco de comprometer possíveis voos mais altos na carreira política é iminente.

05 porque o legislativo pode mudar sua própria reputacão

A população tem acompanhado todos os movimentos de forma efetiva. O eleitorado brasiliense é um dos mais informados do Brasil e portanto só é enganado quando ignora essa capacidade.
A inoperância e inércia da Câmara Legislativa tem sido testada constantemente e o processo de apuração  dos fatos terá validade quando os prazos forem cumpridos com excelência.

Concluir que essa CPI pode contaminar e até definir os rumos das eleições em 2018 não é nenhuma novidade, o grande desafio agora é saber quem irá sair ileso.
Acredite amigo, a geripoca vai piar.
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

TAGUATINGA ESTÁ COM 12OO VAGAS EM SEIS CURSOS

Com o objetivo de apoiar o trabalho de lideranças comunitárias, a Administração Regional de Taguatinga, tem o programa Escola da Comunidade, um espaço voltado para a promoção de cursos e palestras para zeladores, porteiros, síndicos, prefeitos comunitários e membros de associações de moradores. A Escola da Comunidade está com inscrições abertas para cursos de formação em cursos de formação de prefeito comunitário, síndico profissional, direito condominial, engenharia condominial, agente de portaria e primeiros socorros.


Andréa Serra, uma ex-aluna do curso de formação para síndicos, aprovou a iniciativa da escola e hoje usa o que aprendeu na gestão de seu condomínio. “Com as palestras de direito e dos engenheiros pude saber mais sobre legislação e engenharia, o que eu estou aplicando em meu condomínio”. O administrador de Taguatinga, Ricardo Lustosa Jacobina afirma que a iniciativa é um programa de sucesso da administração de Taguatinga. “A Escola da Comunidade é uma conquista de toda a p…

O SERVIDOR QUE ESPERA AUMENTO EM OUTUBRO "PODE TIRAR O CAVALINHO DACHUVA"

Escrevo este post com a profunda vontade de estar errado, todavia não sou tão otimista assim. A categoria funcional vinculada ao Governo Do Distrito Federal deverá ter uma visão de águia e planejar qualitativamente suas finanças nos próximos meses. Todos nós temos uma tendência em contar com o "ovo dentro da galinha" e realizar despesas ou pagar dívidas com créditos a receber.
O GDF tem se lastreado e se calçado por uma única linha de defesa e planejamento de governança, a Lei de Responsabilidade Fiscal. Não há outra ação propositiva concreta de desenvolvimento econômico para a capital. A "muleta" utilizada só é esquecida quando o governo anterior, o de Agnelo, se sobre põe ao atual na ingerência econômica social.
Vivemos uma crise, nisso não há novidade. Vivemos uma caos não há novidade alguma nisso. A novidade é na desculpa utilizada para justificar ações sem prumo. Falar que arrecadação não tem suprido as expectativas já não justifica o intenso e sistemático discu…

ECONOMIA E A LEI DA ESCASSEZ

Em Economia tudo se resume a uma restrição quase que física - a lei da escassez, isto é, produzir o máximo de bens e serviços a partir dos recursos escassos disponíveis a cada sociedade. Se uma quantidade infinita de cada bem pudesse ser produzida, se os desejos humanos pudessem ser completamente satisfeitos, não importaria que uma quantidade excessiva de certo bem fosse de fato produzida. Nem importaria que os recursos disponíveis: trabalho, terra e capital (este deve ser entendido como máquinas, edifícios, matérias-primas etc.) fossem combinados irracionalmente para produção de bens. Não havendo o problema da escassez, não faz sentido se falar em desperdício ou em uso irracional dos recursos e na realidade só existiriam os "bens livres". Bastaria fazer um pedido e, pronto, um carro apareceria de graça.
Na realidade, ocorre que a escassez dos recursos disponíveis acaba por gerar a escassez dos bens - chamados "bens econômicos". Por exemplo: as jazidas de minério de…