Pular para o conteúdo principal

REAJUSTE DA SEGURANÇA PÚBLICA: GOVERNO MUDA TOM DO DISCURSO

Foto: internet
Depois de interromper as negociações com os policiais civis acerca do reajuste de 37% que foi concedido aos policiais federais e também pleiteado pelos agentes do DF, o governo, depois de oferecer três propostas que foram rejeitadas, agora os chama novamente, mas com discurso diferente depois de uma reunião ontem no gabinete do Procurador-geral do DF, Leonardo Bessa.
Uma nota publicada hoje (25) na coluna Eixo Capital do jornal Correio Braziliense, sob o título “Sem vinculação”, dá a impressão de que as afirmações do governador Rodrigo Rollemberg aos comandantes e integrantes das duas forças militares de “tratamento igual para todos” parece estar caindo por terra.
Segundo a nota, os integrantes do governo Rollemberg mudaram o tom em relação à campanha salarial dos policiais civis e disseram que não haverá vinculação entre a proposta a ser oferecida à categoria em relação ao que pleiteiam os policiais e bombeiros militares. A crise provocada pela entrega dos cargos de chefia em delegacias acabaram assustando a equipe civil do governo, cujo articulador tem sido o Chefe da Casa Civil, Sérgio Sampaio.
AUMENTO PMDF PCDFOutro detalhe importante a ser observado é que numa outra notinha o governo Rollemberg tende a manter a paridade dos civis com os federais, porém jogando os reajustes para o segundo semestre de 2017, 2018 e 2019 diferente dos federais que receberiam em janeiro de cada ano. Ora, se o desejo dele, governador, é fazer assim, o que o impede de fazer a mesma coisa com as classes militares concedendo a paridade com a Polícia Civil? Nesse caso, não haveria nenhum impedimento já que os recursos utilizados seriam do ano seguinte, ano após ano e basta estar previsto na elaboração do orçamento.
Nas corporações o clima é de expectativa e confiança nas promessas do governador Rollemberg e, principalmente, nas afirmações dos comandantes militares, coronéis Nunes (PMDF) e Hamilton (CBMDF) e do Chefe da Casa Militar, coronel Ribas, de que em hipótese alguma será aceito aumentos diferenciados. Duas assembleias foram realizadas semana passada por Oficiais e Praças para referendar e apoiar as afirmações do governador. No entanto, ouvido alguns membros das corporações que analisaram um texto anônimo divulgado ontem nas redes sociais de grupos policiais, e que o blog teve acesso, as opiniões são de que o clima também é tenso dentro das casernas. “Eles não nos promoveram agora com medo da reação da polícia civil e vão dar a desculpa de que teremos aumento agora em setembro no auxílio-moradia e em dezembro farão milhares de promoções para pagarem com o orçamento de 2017 acalmando a tropa, tudo devidamente acordado”, disse um policial ao blog que não se identificou por receio de represálias. “Não podemos continuar sendo os burros de carga da segurança pública, queremos tratamento respeitoso e valorização, nada mais”, afirmou outro policial.
Veja abaixo o texto postado nas redes sociais de grupos policiais sob o título “ROLLEMBERG NÃO AGUENTOU A PRESSÃO”, parece que já se previa o que viria pela frente, (Grifo nosso):
“ROLLEMBERG NÃO AGUENTOU A PRESSÃO
Assustado pelas operações desencadeadas pela Polícia Civil por determinação da Procuradoria Geral do DF, Promotorias Públicas e Ministério Público, o governador Rodrigo Rollemberg abriu as pernas, literalmente, para as reivindicações da Polícia Civil que exigem a equiparação com a Polícia Federal no que tange ao reajuste de 37% oferecido aos federais e assim manter a paridade. Hoje, uma reunião que começou às 11h30 no gabinete do procurador-geral de Justiça do DF, Leonardo Bessa, contou com a participação de vários integrantes do governo. Estavam lá o chefe da Casa Civil, Sérgio Sampaio, a secretária de Planejamento, Leany Lemos, a procuradora-geral do DF, Paola Aires, e o secretário de Fazenda, João Fleury. Nenhum representante dos militares esteve presente. Controlada a Polícia Militar com a não redução dos interstícios para as promoções que deveriam ter ocorrido no último dia 21 e supostamente geraria despesas, o campo ficou livre para as tratativas com a Polícia Civil. A não ser que o comandante da PMDF, coronel Nunes e o Chefe da Casa Militar, coronel Ribas, deixem de sustentar as afirmações de que não aceitarão aumentos diferenciados, a possibilidade do reajuste sair aos civis é muito grande. Segundo informações de fontes confiáveis, ao que parece, a estratégia da PCDF funcionou perfeitamente. A pressão para a publicação dos pedidos de exonerações, principalmente na delegacia que está responsável pelas investigações dos grampos da Mesa Diretora da CLDF, não deixou muitas alternativas para Rollemberg. Ou sentava para conversar ou o lastro poderia se estender causando estragos irreparáveis ao governo. Agora é esperar para ver se a coisa anda pra valer e se os comandantes militares serão capazes de manter suas palavras dada a tropa. Se der pra trás ninguém será capaz de prever o futuro, principalmente depois de mais um tapa na cara. Na minha opinião só existe uma chance de que esse reajuste que por ventura seja oferecido aos civis atinja a nós militares: que a Associação dos oficiais da reserva e da ativa, ASSOR e ASOF, tanto da PM como do BM façam pressão, pois a desculpa que Rollemberg dará aos militares é que agora setembro receberemos aumento no auxílio moradia e que podemos esperar até o ano que vem. Quem viver, verá”.
Resta agora aguardar as definições e torcer para que os protagonistas tenham bom senso e se chegue a um acordo onde todos sejam beneficiados. Com certeza, todos ganharão, mas, principalmente a população que está assustada com a alta criminalidade que tem assolado nossa capital.

Fonte: Blog do Poliglota

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

TAGUATINGA ESTÁ COM 12OO VAGAS EM SEIS CURSOS

Com o objetivo de apoiar o trabalho de lideranças comunitárias, a Administração Regional de Taguatinga, tem o programa Escola da Comunidade, um espaço voltado para a promoção de cursos e palestras para zeladores, porteiros, síndicos, prefeitos comunitários e membros de associações de moradores. A Escola da Comunidade está com inscrições abertas para cursos de formação em cursos de formação de prefeito comunitário, síndico profissional, direito condominial, engenharia condominial, agente de portaria e primeiros socorros.


Andréa Serra, uma ex-aluna do curso de formação para síndicos, aprovou a iniciativa da escola e hoje usa o que aprendeu na gestão de seu condomínio. “Com as palestras de direito e dos engenheiros pude saber mais sobre legislação e engenharia, o que eu estou aplicando em meu condomínio”. O administrador de Taguatinga, Ricardo Lustosa Jacobina afirma que a iniciativa é um programa de sucesso da administração de Taguatinga. “A Escola da Comunidade é uma conquista de toda a p…

CONCURSO PARA CÃMARA LEGISLATIVA TERÁ 100 MIL CANDIDATOS

O tão esperado edital de abertura do concurso da Câmara Legislativa do Distrito Federal (CLDF) deverá ser lançado até o mês de agosto. A informação foi divulgada pela própria Casa, que assinou o contrato com a Fundação Carlos Chagas (FCC) na última sexta-feira (7/7). Mas a espera pela distribuição das vagas nos cargos não é mais necessária. Veja abaixo para quais áreas serão destinadas as 86 oportunidades: divididas entre os cargos de técnico, consultor técnico, consultor e procurador.
O presidente da Câmara, deputado Joe Valle (PDT), espera que o concurso selecione os candidatos mais interessados em fazer carreira na casa, que tem atualmente o salário inicial de nível médio em R$ 10.143,07 e de nível superior em R$ 15.123,30. Segundo ele, a expectativa é de mais de 100 mil candidatos inscritos. Leia também:Mais de 15 mil vagas serão abertas no país até dezembro De acordo com a Casa, não haverá gastos para a realização do certame, pois a seleção será totalmente custeada pelos valores …

O SERVIDOR QUE ESPERA AUMENTO EM OUTUBRO "PODE TIRAR O CAVALINHO DACHUVA"

Escrevo este post com a profunda vontade de estar errado, todavia não sou tão otimista assim. A categoria funcional vinculada ao Governo Do Distrito Federal deverá ter uma visão de águia e planejar qualitativamente suas finanças nos próximos meses. Todos nós temos uma tendência em contar com o "ovo dentro da galinha" e realizar despesas ou pagar dívidas com créditos a receber.
O GDF tem se lastreado e se calçado por uma única linha de defesa e planejamento de governança, a Lei de Responsabilidade Fiscal. Não há outra ação propositiva concreta de desenvolvimento econômico para a capital. A "muleta" utilizada só é esquecida quando o governo anterior, o de Agnelo, se sobre põe ao atual na ingerência econômica social.
Vivemos uma crise, nisso não há novidade. Vivemos uma caos não há novidade alguma nisso. A novidade é na desculpa utilizada para justificar ações sem prumo. Falar que arrecadação não tem suprido as expectativas já não justifica o intenso e sistemático discu…