Pular para o conteúdo principal

OPINIÃO:UMA ILHA QUADRADA FORA DA ELEIÇÕES "sqn"

Hamilton Silva: Economista e Blogueiro
Fico morrendo de rir dos debates sobre a política que envolve o entorno do Distrito Federal. Em primeiro lugar pelo exercício de "adivinhação" e masturbação ideológica com que os analistas, jornalistas e políticos debatem o assunto de maneira  responsável e periférica  acertando o alvo do politicamente correto  esse "causo" eleitoral. Vamos ser mais criativos.Mais honestos com os problemas nevrálgicos e mais sensatos com os programas de governo.

A situação do processo eleitoral, mesmo com as reformas superficiais que estão sendo implantadas nesse pleito não atingem de maneira satisfatória a cultura do "toma lá da cá", apesar de acompanhar a distância visualizo uma campanha mesquinha da mesma forma das anteriores com avaliações pífias e rasas sem avaliar de forma definitiva os programas de governo quem muitos nem tem.. 

As sociedades interessadas (brasiliense e goiana) nessas eleições parecem embriagadas pelo apetite dos candidatos. Seduzidos sim comprados nunca. Não é o que parece. O poder econômico ainda prevalece nesses "currais eleitorais" periféricos que de forma dinâmica e oportunista saltam a cerca do entorno para dentro do DF, trazendo não só os votos e relacionamentos escusos, mas também os problemas sócio econômicos profundos lá gerados e enraizados. Lamentável. 

O único interesse que os políticos do DF tem em participar do processo eleitoral é mesmo  de sempre: Rastrear, cooptar e se possível comprar aqueles que se colocam à venda.

A Reforma Política que paira sobre o Congresso Nacional indica não transformar a cultura sedimentada nos fins que justificando os meios. O politico brasileiro é resultado da cultura do "jeitinho" (pejorativo) do brasileiro. 

Infelizmente, amigo,  mais uma vez cético.  
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

TAGUATINGA ESTÁ COM 12OO VAGAS EM SEIS CURSOS

Com o objetivo de apoiar o trabalho de lideranças comunitárias, a Administração Regional de Taguatinga, tem o programa Escola da Comunidade, um espaço voltado para a promoção de cursos e palestras para zeladores, porteiros, síndicos, prefeitos comunitários e membros de associações de moradores. A Escola da Comunidade está com inscrições abertas para cursos de formação em cursos de formação de prefeito comunitário, síndico profissional, direito condominial, engenharia condominial, agente de portaria e primeiros socorros.


Andréa Serra, uma ex-aluna do curso de formação para síndicos, aprovou a iniciativa da escola e hoje usa o que aprendeu na gestão de seu condomínio. “Com as palestras de direito e dos engenheiros pude saber mais sobre legislação e engenharia, o que eu estou aplicando em meu condomínio”. O administrador de Taguatinga, Ricardo Lustosa Jacobina afirma que a iniciativa é um programa de sucesso da administração de Taguatinga. “A Escola da Comunidade é uma conquista de toda a p…

O SERVIDOR QUE ESPERA AUMENTO EM OUTUBRO "PODE TIRAR O CAVALINHO DACHUVA"

Escrevo este post com a profunda vontade de estar errado, todavia não sou tão otimista assim. A categoria funcional vinculada ao Governo Do Distrito Federal deverá ter uma visão de águia e planejar qualitativamente suas finanças nos próximos meses. Todos nós temos uma tendência em contar com o "ovo dentro da galinha" e realizar despesas ou pagar dívidas com créditos a receber.
O GDF tem se lastreado e se calçado por uma única linha de defesa e planejamento de governança, a Lei de Responsabilidade Fiscal. Não há outra ação propositiva concreta de desenvolvimento econômico para a capital. A "muleta" utilizada só é esquecida quando o governo anterior, o de Agnelo, se sobre põe ao atual na ingerência econômica social.
Vivemos uma crise, nisso não há novidade. Vivemos uma caos não há novidade alguma nisso. A novidade é na desculpa utilizada para justificar ações sem prumo. Falar que arrecadação não tem suprido as expectativas já não justifica o intenso e sistemático discu…

ECONOMIA E A LEI DA ESCASSEZ

Em Economia tudo se resume a uma restrição quase que física - a lei da escassez, isto é, produzir o máximo de bens e serviços a partir dos recursos escassos disponíveis a cada sociedade. Se uma quantidade infinita de cada bem pudesse ser produzida, se os desejos humanos pudessem ser completamente satisfeitos, não importaria que uma quantidade excessiva de certo bem fosse de fato produzida. Nem importaria que os recursos disponíveis: trabalho, terra e capital (este deve ser entendido como máquinas, edifícios, matérias-primas etc.) fossem combinados irracionalmente para produção de bens. Não havendo o problema da escassez, não faz sentido se falar em desperdício ou em uso irracional dos recursos e na realidade só existiriam os "bens livres". Bastaria fazer um pedido e, pronto, um carro apareceria de graça.
Na realidade, ocorre que a escassez dos recursos disponíveis acaba por gerar a escassez dos bens - chamados "bens econômicos". Por exemplo: as jazidas de minério de…