Pular para o conteúdo principal

GDF QUER CONVENCER POLÍCIA CIVIL DE QUE 33% SÃO, NA VERDADE, 37%

O Governo do Distrito Federal tenta desarmar uma bomba como data e hora para explodir: às 14h desta quinta-feira (1°/9). Nessa hora, os policiais civis farão uma assembleia para discutir a proposta de reajuste escalonado de 33% apresentado pelo Buriti nesta quarta (30). Como o sindicato da categoria já anunciou que a oferta deve ser rejeitada, o GDF lançou a contraofensiva. Na noite desta quarta (30), secretário-chefe da Casa Civil, Sérgio Sampaio, convocou entrevista coletiva para anunciar a arma palaciana: a matemática. O governo Rollemberg quer provar 33 é igual a 37.

 Os servidores da Polícia Civil cobram isonomia salarial em relação à Polícia Federal, que recebeu aumento de 37% da gestão Michel Temer, em três parcelas, entre 2017 e 2019.  O GDF ofereceu 33% nas seguintes condições: 8% em 2018; 7% em 2019; 8% em 2020; e 10%, em 2021. Somados, os percentuais chegam a 33%, mas o secretário explicou que, com os índices que incidem durante os anos, o cálculo correto é 37%.

A conta é difícil de entender, mas não se pode considerar os percentuais brutos porque eles não serão aplicados em cima dos salário atual, mas sim em cima das remunerações reajustadas ano a ano. Fica assim: se um policial civil ganha hoje, por exemplo, R$ 7.500. Em 2018, receberá R$ 8.100. Com o segundo reajuste, ganharia R$ 8.667; com o terceiro, R$ 9.360,36 e, em 2021, receberia R$ 10.296,40, o que dá um reajuste total de 37,29% sem contar a inflação do período. Resta saber se a categoria comprará o argumento do Buriti nesta quinta-feira (1°/9).

 Rombo
Sérgio Sampaio afirmou que a situação do governo é preocupante e que a proposta foi estudada e feita após diversos estudos e muito esforço. Segundo ele, somente com pessoal, incluindo os gastos do Fundo Constitucional, gasta-se R$ 26,5 bilhões por ano. “A Lei de Responsabilidade Fiscal precisa ser levada a sério. A chefe do Estado acaba de perder o cargo por não respeitá-la”, afirmou ao fazer referência ao impeachment de Dilma Rousseff.


Para ele, é temerário falar em reajuste. “Não estamos inventando uma crise. Vamos ter que contar com a recuperação de mercado, esperar que a economia reaja. Não teríamos como conceder o aumento num espaço de tempo menor. Estamos fazendo isso com imenso esforço. É uma prova de boa vontade e reconhecimento do serviço prestado pela Polícia Civil do DF”, completou Sampaio.

O secretário-chefe da Casa Civil afirmou ainda que existe um rombo enorme nas contas do GDF. “Para fechar este exercício, temos um deficit de R$ 1 bilhão, isso contando com o reajuste de 32 categorias, que começa a ser pago em outubro”, afirmou Sampaio.
O reajuste concedido às 32 categorias deveria ter sido pago em setembro de 2015, mas depois de longas greves, o governo conseguiu negociar o pagamento inicial para outubro de 2016. “Somente com esses aumentos, será uma despesa extra de R$ 1,5 bilhão ao orçamento. No término das quatro parcelas a serem pagas à Polícia Civil, serão mais R$ 545 milhões”, contabilizou o secretário.

“Recuo”
Em nota publicada pelo Sindicato dos Policiais (Sinpol), o presidente da entidade, Rodrigo Franco “Gaúcho” afirmou que a proposta já foi recusada pela entidade na reunião interna. “A falta de avanços deve agravar ainda mais a Operação PCDF Legal e outras ações.” Além disso, ele afirmou que “esses 33% em seis anos quebram a paridade da PCDF com a Polícia Federal, tanto em índices como em datas, e está mais distante dos anseios dos policiais civis do que as propostas anteriores, que previam um aumento já no segundo semestre de 2017”.

Fonte: Metrópoles
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

TAGUATINGA ESTÁ COM 12OO VAGAS EM SEIS CURSOS

Com o objetivo de apoiar o trabalho de lideranças comunitárias, a Administração Regional de Taguatinga, tem o programa Escola da Comunidade, um espaço voltado para a promoção de cursos e palestras para zeladores, porteiros, síndicos, prefeitos comunitários e membros de associações de moradores. A Escola da Comunidade está com inscrições abertas para cursos de formação em cursos de formação de prefeito comunitário, síndico profissional, direito condominial, engenharia condominial, agente de portaria e primeiros socorros.


Andréa Serra, uma ex-aluna do curso de formação para síndicos, aprovou a iniciativa da escola e hoje usa o que aprendeu na gestão de seu condomínio. “Com as palestras de direito e dos engenheiros pude saber mais sobre legislação e engenharia, o que eu estou aplicando em meu condomínio”. O administrador de Taguatinga, Ricardo Lustosa Jacobina afirma que a iniciativa é um programa de sucesso da administração de Taguatinga. “A Escola da Comunidade é uma conquista de toda a p…

O SERVIDOR QUE ESPERA AUMENTO EM OUTUBRO "PODE TIRAR O CAVALINHO DACHUVA"

Escrevo este post com a profunda vontade de estar errado, todavia não sou tão otimista assim. A categoria funcional vinculada ao Governo Do Distrito Federal deverá ter uma visão de águia e planejar qualitativamente suas finanças nos próximos meses. Todos nós temos uma tendência em contar com o "ovo dentro da galinha" e realizar despesas ou pagar dívidas com créditos a receber.
O GDF tem se lastreado e se calçado por uma única linha de defesa e planejamento de governança, a Lei de Responsabilidade Fiscal. Não há outra ação propositiva concreta de desenvolvimento econômico para a capital. A "muleta" utilizada só é esquecida quando o governo anterior, o de Agnelo, se sobre põe ao atual na ingerência econômica social.
Vivemos uma crise, nisso não há novidade. Vivemos uma caos não há novidade alguma nisso. A novidade é na desculpa utilizada para justificar ações sem prumo. Falar que arrecadação não tem suprido as expectativas já não justifica o intenso e sistemático discu…

ECONOMIA E A LEI DA ESCASSEZ

Em Economia tudo se resume a uma restrição quase que física - a lei da escassez, isto é, produzir o máximo de bens e serviços a partir dos recursos escassos disponíveis a cada sociedade. Se uma quantidade infinita de cada bem pudesse ser produzida, se os desejos humanos pudessem ser completamente satisfeitos, não importaria que uma quantidade excessiva de certo bem fosse de fato produzida. Nem importaria que os recursos disponíveis: trabalho, terra e capital (este deve ser entendido como máquinas, edifícios, matérias-primas etc.) fossem combinados irracionalmente para produção de bens. Não havendo o problema da escassez, não faz sentido se falar em desperdício ou em uso irracional dos recursos e na realidade só existiriam os "bens livres". Bastaria fazer um pedido e, pronto, um carro apareceria de graça.
Na realidade, ocorre que a escassez dos recursos disponíveis acaba por gerar a escassez dos bens - chamados "bens econômicos". Por exemplo: as jazidas de minério de…