Pular para o conteúdo principal

GDF TENTOU PEDALADA FISCAL PARA PAGAR FUNCIONALISMO PÚBLICO, EM NOVEMBRO, MAS FALHOU

Foto: Internet


Sem sucesso, pagamento de incorporações de gratificações de funcionalismo público permanece sem garantia





Enquanto o governador Rodrigo Rollemberg (PSB) se reunia com os blogueiros do DF, na manhã de terça-feira (20/Set), de acordo com fonte de Política Distrital, uma assessora da Casa Civil, por nome de Keila, supostamente, a Assessora Jurídico-Legislativa, Keila Terezinha Englhardo Nery, se reuniu com o alto escalão de todas as empresas estatais do DF para tentar captar recursos para pagamento dos servidores do GDF, porém, sem êxito.

De acordo com a fonte de Política Distrital, um gestor público, que não quer ser identificado. O objetivo da reunião teve por finalidade, captar recursos junto a todas as estatais para garantir o pagamento das incorporações das gratificações de cerca de 150 mil servidores públicos da saúde, Educação e administração direta do GDF.

Para o gestor, o cômico nessa história é que, não ter conseguido o recurso, evitou que o GDF incorresse em mais uma prática de pedalada fiscal.


“Qualquer forma de ampliar a capacidade de execução de pagamentos das despesas do governo, artificialmente, configura uma pedalada fiscal. Portanto se o GDF tivesse conseguido recurso junto as empresas estatais, ele cometeria uma pedalada fiscal.”, concluiu.

Quase reincidência


O caso foi apontado, caso houvesse êxito, por reincidência na gestão de Rollemberg. Isso porque, de acordo com o gestor público, o não pagamento das dívidas herdadas do ex-governador do DF, Agnelo Queiroz (PT), foi um ato de pedalada por parte do atual governo.


“Essa não seria a primeira vez que a gestão do governador Rollemberg, cometeria pedalada fiscal, pois em 2014, tivemos exatamente esse cenário. O governo, artificialmente, criou condições para pagar as contas de 2015, e o resultado todos conhecem.”, afirmou.


Sem previsão de pagamento


Politica Distrital entrou em contato com a Casa Civil para saber sobre o êxito da reunião e se após o encontro o GDF pode confirmar as incorporações das gratificações dos servidores públicos do DF, no pagamento de outubro, a ser depositado até o quinto dia útil de novembro. Mas, a Assessoria de Comunicação (ASCOM) encontrou em contato por telefone para confirmar que não houve mudanças em relação as definições e encaminhou a ‘resposta padrão’ sobre o assunto, por e-mail.


“A Casa Civil informa que o reajuste está previsto para 32 categorias, o que significa um número de aproximadamente 153 mil servidores, incluindo os inativos. O governo de Brasília trabalha para manter o acordo que prevê os reajustes a partir de outubro deste ano, ou seja, com pagamento no mês de novembro. O impacto dos reajustes é de aproximadamente R$ 100 milhões por mês.”.

Greves à vista


Vale observar que na outra ponta, os servidores públicos se sentem enganados pelo Governo, Isso porque ao confirmar o calote, em 2015, e anunciar o pagamento para outubro desse ano, trabalhadores e entidades sindicais tinham por certo que seriam relativos a setembro, a ser pago até o quinto dia útil de outubro, o que não ocorreu.

Com isso, as entidades sindicais, devem realizar ao longo dos próximos dias assembleias para tratar das incorporações de gratificações e deflagrações de greves não estão descartadas.

Politica Distrital conversou com a presidente do Sindicato dos Professores do DF (Sinpro-DF), Rosilene Correa Lima que confirmou realização de assembleia da categoria para a manhã de quinta-feira (22/Set). “A assembleia é soberana e pode deflagrar a greve.”. O SindSaúde tem assembleia agendada também na mesma data.

Na Saúde, o maior sindicato da categoria, o Sindicato dos Auxiliares e Técnicos em Enfermagem do DF (Sindate-DF), segue o mesmo caminho. Em apuração recente, o vice-presidente do SINDATE-DF, Jorge Vianna, foi enfático.


“Nós já iniciamos as mobilizações em relação à greve. Já agendamos a nossa assembleia para o dia 26 e, dependendo da deliberação da categoria, podemos ser o primeiro sindicato a entrar em greve, novamente, caso até o dia sete de outubro ao sair o pagamento, se a nossa gratificação não tenha sido incorporada.”.

Fonte: Kleber Karpov
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

TAGUATINGA ESTÁ COM 12OO VAGAS EM SEIS CURSOS

Com o objetivo de apoiar o trabalho de lideranças comunitárias, a Administração Regional de Taguatinga, tem o programa Escola da Comunidade, um espaço voltado para a promoção de cursos e palestras para zeladores, porteiros, síndicos, prefeitos comunitários e membros de associações de moradores. A Escola da Comunidade está com inscrições abertas para cursos de formação em cursos de formação de prefeito comunitário, síndico profissional, direito condominial, engenharia condominial, agente de portaria e primeiros socorros.


Andréa Serra, uma ex-aluna do curso de formação para síndicos, aprovou a iniciativa da escola e hoje usa o que aprendeu na gestão de seu condomínio. “Com as palestras de direito e dos engenheiros pude saber mais sobre legislação e engenharia, o que eu estou aplicando em meu condomínio”. O administrador de Taguatinga, Ricardo Lustosa Jacobina afirma que a iniciativa é um programa de sucesso da administração de Taguatinga. “A Escola da Comunidade é uma conquista de toda a p…

O SERVIDOR QUE ESPERA AUMENTO EM OUTUBRO "PODE TIRAR O CAVALINHO DACHUVA"

Escrevo este post com a profunda vontade de estar errado, todavia não sou tão otimista assim. A categoria funcional vinculada ao Governo Do Distrito Federal deverá ter uma visão de águia e planejar qualitativamente suas finanças nos próximos meses. Todos nós temos uma tendência em contar com o "ovo dentro da galinha" e realizar despesas ou pagar dívidas com créditos a receber.
O GDF tem se lastreado e se calçado por uma única linha de defesa e planejamento de governança, a Lei de Responsabilidade Fiscal. Não há outra ação propositiva concreta de desenvolvimento econômico para a capital. A "muleta" utilizada só é esquecida quando o governo anterior, o de Agnelo, se sobre põe ao atual na ingerência econômica social.
Vivemos uma crise, nisso não há novidade. Vivemos uma caos não há novidade alguma nisso. A novidade é na desculpa utilizada para justificar ações sem prumo. Falar que arrecadação não tem suprido as expectativas já não justifica o intenso e sistemático discu…

ECONOMIA E A LEI DA ESCASSEZ

Em Economia tudo se resume a uma restrição quase que física - a lei da escassez, isto é, produzir o máximo de bens e serviços a partir dos recursos escassos disponíveis a cada sociedade. Se uma quantidade infinita de cada bem pudesse ser produzida, se os desejos humanos pudessem ser completamente satisfeitos, não importaria que uma quantidade excessiva de certo bem fosse de fato produzida. Nem importaria que os recursos disponíveis: trabalho, terra e capital (este deve ser entendido como máquinas, edifícios, matérias-primas etc.) fossem combinados irracionalmente para produção de bens. Não havendo o problema da escassez, não faz sentido se falar em desperdício ou em uso irracional dos recursos e na realidade só existiriam os "bens livres". Bastaria fazer um pedido e, pronto, um carro apareceria de graça.
Na realidade, ocorre que a escassez dos recursos disponíveis acaba por gerar a escassez dos bens - chamados "bens econômicos". Por exemplo: as jazidas de minério de…