segunda-feira, 5 de setembro de 2016

O SERVIDOR QUE ESPERA AUMENTO EM OUTUBRO "PODE TIRAR O CAVALINHO DACHUVA"

Foto:Blog Hamilton Silva
Escrevo este post com a profunda vontade de estar errado, todavia não sou tão otimista assim. A categoria funcional vinculada ao Governo Do Distrito Federal deverá ter uma visão de águia e planejar qualitativamente suas finanças nos próximos meses. Todos nós temos uma tendência em contar com o "ovo dentro da galinha" e realizar despesas ou pagar dívidas com créditos a receber.

O GDF tem se lastreado e se calçado por uma única linha de defesa e planejamento de governança, a Lei de Responsabilidade Fiscal. Não há outra ação propositiva concreta de desenvolvimento econômico para a capital. A "muleta" utilizada só é esquecida quando o governo anterior, o de Agnelo, se sobre põe ao atual na ingerência econômica social.

Vivemos uma crise, nisso não há novidade. Vivemos uma caos não há novidade alguma nisso. A novidade é na desculpa utilizada para justificar ações sem prumo. Falar que arrecadação não tem suprido as expectativas já não justifica o intenso e sistemático discurso.

A cada mês, o Governo do Distrito Federal registra melhoria na arrecadação de tributos, que tem ficado acima da inflação acumulada no período de 12 meses. No entanto, embora o contribuinte tenha feito a sua parte ao recolher impostos e taxas, a população não vê melhorias nas diferentes regiões da capital. Pelo contrário. O brasiliense se ressente dos históricos problemas na saúde, na educação, no transporte, na segurança e na infraestrutura urbana.
Leia mais sobre arredacao nos Links abaixo.


Já que o GDF está muito bem fundamentado em sua proteção de ingerência, LRF, não há porque mudar a desculpa. Na melhor  das hipóteses o governo pode propor uma nova data em um novo parcelamento, quem sabe jogando para um novo governo em 2018. Não há porque mudar já que o medo em ser responsabilizado e sustentar os argumentos da oposição num possível Impeachement, o governador opta na mediocridade e descompromisso com a principal comunidade eleitoral, o servidor.

Faltam apenas 20 dias para chegar o tão famijerado outubro de 2016, mas o governo insiste na batalha política, em ganhar espaço na Câmara Legislativa, desbancar o vice governador e na autoafirmação de um governo austero e competente. O blog tem apurado, informalmente  junto à técnicos do governo, de que o limite prudencial deve ferir a LRF próximo do 50%, ou seja, aumentado o comprometimento das despesas do GDF e balizando ainda mais a "teoria". Neste caso a argumentação será de que essas despesas foram adquiridas pelo governo anterior.

 Brasília vive o caos político econômico e social pautado pela economia nacional e ratificado pelos argumentos "técnicos/teóricos/acadêmico". 
Postar um comentário