Pular para o conteúdo principal

TRINTA E TRÊS MILHÕES DE REAIS VIRAM FUMAÇA EM 90 DIAS: ROLLEMBERG FAZ FARRA COM DINHEIRO PÚBLICO PANGANDO “BOLSA IMPRENSA”

O governo de Brasília alega que não tem dinheiro para comprar agulhas para os hospitais do DF, mas gasta milhões na farra da publicidade veiculada em veículos de comunicação alinhados ao governo. Não existem critérios e nem transparência no gasto da dinheirama. A missão da “mídia chapa branca” é tentar transformar as mentiras do governo Rollemberg em verdades. Mas a opinião pública  não é besta.

Ministério Público de Contas do Distrito Federal está de olho na farra da publicidade comandada pela secretária de Publicidade do Governo de Brasília, Thiara Zavaglia, que usa o órgão com o aval do governador Rodrigo Rollemberg para alimentar uma rede de veículos de comunicação pró-governo, cuja missão é publicar matérias positivas do GDF e se calar sobre qualquer assunto que envolva atos de corrupção e malfeitos do governo de Brasília.
Uma pedra de gelo, por exemplo, foi colocado no rumoroso caso de corrupção com o dinheiro da saúde que fez com que a Operação Drácon levasse computadores do Buriti em um caso que teriam arquivos nada republicanos que envolveriam diretamente o governador, conforme denúncia feita pela presidente do SindSaúde, Marli Rodrigues, na CPI da Saúde da Câmara legislativa.
Nos últimos 90 dias, o governo de Brasília irrigou os cofres de emissoras de rádios, TVs, jornais e alguns blogs com R$ 33.266.252,55. Somados com os pagamentos efetivados no primeiro trimestre desse ano, a Secretaria de Publicidade já comeu quase 50% dos 99 milhões de reais, licitado para publicidades do Governo de Brasília.
A farra é grande e não tem critério e nem transparência, segundo apura o Ministério Público de Contas do Distrito Federal que abriu processo de investigação. Só com a CBN (a rádio que “repete noticia”), que tem apenas 0.7% de audiência e que se encontra na décima primeira posição atrás da Rádio Verde Oliva, o governo pagou quase meio milhão de reais, ou seja, R$ 498 mil.
A contrapartida dada pela emissora ligada a Globo é a de massificar a campanha difamatória da presidente da Agefis, Bruna Pinheiro, que chama moradores de condomínios do Distrito Federal de “bandidos, grileiros e invasores”.
Os valores recebidos por veículo de comunicação do DF estão detalhados no quadro feito pela Assessoria de Acompanhamento de Contratos da Secretaria de Publicidade do Governo de Brasília referente relação de gastos e saldos, por totais, relativos ao 2º trimestre de 2016. VEJA AQUI.
Em uma reunião com blogueiros, que estão fora da lista do "bolsa imprensa" do Governo de Brasília, o governador Rodrigo Rollemberg fez questão, pela primeira vez fazer uma aproximação. No entanto foi logo repetindo a mesma cantilena de sempre: a história da herança maldita deixada por seu antecessor Agnelo Queiroz e que precisaria contar com a ajuda da mídia digital.
Ele se omitiu em responder sobre a dinheirama gasta com a propaganda enganosa do governo. Sem responder perguntas gastou o tempo falando positivamente de um governo que nunca existiu.
Da Redação Radar

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

TAGUATINGA ESTÁ COM 12OO VAGAS EM SEIS CURSOS

Com o objetivo de apoiar o trabalho de lideranças comunitárias, a Administração Regional de Taguatinga, tem o programa Escola da Comunidade, um espaço voltado para a promoção de cursos e palestras para zeladores, porteiros, síndicos, prefeitos comunitários e membros de associações de moradores. A Escola da Comunidade está com inscrições abertas para cursos de formação em cursos de formação de prefeito comunitário, síndico profissional, direito condominial, engenharia condominial, agente de portaria e primeiros socorros.


Andréa Serra, uma ex-aluna do curso de formação para síndicos, aprovou a iniciativa da escola e hoje usa o que aprendeu na gestão de seu condomínio. “Com as palestras de direito e dos engenheiros pude saber mais sobre legislação e engenharia, o que eu estou aplicando em meu condomínio”. O administrador de Taguatinga, Ricardo Lustosa Jacobina afirma que a iniciativa é um programa de sucesso da administração de Taguatinga. “A Escola da Comunidade é uma conquista de toda a p…

O SERVIDOR QUE ESPERA AUMENTO EM OUTUBRO "PODE TIRAR O CAVALINHO DACHUVA"

Escrevo este post com a profunda vontade de estar errado, todavia não sou tão otimista assim. A categoria funcional vinculada ao Governo Do Distrito Federal deverá ter uma visão de águia e planejar qualitativamente suas finanças nos próximos meses. Todos nós temos uma tendência em contar com o "ovo dentro da galinha" e realizar despesas ou pagar dívidas com créditos a receber.
O GDF tem se lastreado e se calçado por uma única linha de defesa e planejamento de governança, a Lei de Responsabilidade Fiscal. Não há outra ação propositiva concreta de desenvolvimento econômico para a capital. A "muleta" utilizada só é esquecida quando o governo anterior, o de Agnelo, se sobre põe ao atual na ingerência econômica social.
Vivemos uma crise, nisso não há novidade. Vivemos uma caos não há novidade alguma nisso. A novidade é na desculpa utilizada para justificar ações sem prumo. Falar que arrecadação não tem suprido as expectativas já não justifica o intenso e sistemático discu…

ECONOMIA E A LEI DA ESCASSEZ

Em Economia tudo se resume a uma restrição quase que física - a lei da escassez, isto é, produzir o máximo de bens e serviços a partir dos recursos escassos disponíveis a cada sociedade. Se uma quantidade infinita de cada bem pudesse ser produzida, se os desejos humanos pudessem ser completamente satisfeitos, não importaria que uma quantidade excessiva de certo bem fosse de fato produzida. Nem importaria que os recursos disponíveis: trabalho, terra e capital (este deve ser entendido como máquinas, edifícios, matérias-primas etc.) fossem combinados irracionalmente para produção de bens. Não havendo o problema da escassez, não faz sentido se falar em desperdício ou em uso irracional dos recursos e na realidade só existiriam os "bens livres". Bastaria fazer um pedido e, pronto, um carro apareceria de graça.
Na realidade, ocorre que a escassez dos recursos disponíveis acaba por gerar a escassez dos bens - chamados "bens econômicos". Por exemplo: as jazidas de minério de…