Pular para o conteúdo principal

RESSACA OU CANSANÇO ELEITORAL -OPINIÃO

Foto: Hamilton Silva
Hamilton Silva: Economista e Blogueiro
Passadas 48 horas após o primeiro turno das eleições municipais o eleitor brasileiro dá definitivamente mostras de um cansaço e de uma insatisfação com a classe política.

A campanha eleitoral municipal de 2016 começou numa terça-feira, 16 de agosto nas 5.568 cidades brasileiras, de lá para cá todos brasileiros com a exceção do Distrito Federal exercitaram de forma definitiva suas vontades.

Para as eleições de 2016, conforme dados do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), o número de eleitores no país, 144.088.912, cresceu 1% em relação ao pleito de 2014, quando 142.467.862 brasileiros elegeram presidente, governadores, senadores e deputados federais e estaduais. O aumento é de 4% sobre o colégio eleitoral de 138.544.348 pessoas que foi às urnas para escolher prefeitos e vereadores em 2012.

Essas eleições de 2016 não começaram de maneira efetiva na data supracitada, muito pelo contrário começaram em 2013 com as manifestações dos "Black Bloc" que se estendeu por 2014 e vingou nas inúmeras manifestações contra o governo federal e a favor da operação Lava Jato em 2015 e 2016. Por aí já se passaram três anos. tempo mais que suficiente para cansar qualquer amante da política.

Mas não há sombra de dúvidas da necessidade de uma certa exaustão de participação até que se chegue ao ideal de democracia e a excelência do voto. Importante para todos essa causa e mais importante ainda o envolvimento e engajamento na busca pela verdade e encorajamento de novas figuras ou personagens, como queiram que estejam dispostos a enfrentar um mandato como missão.

A grandeza do povo brasileiro foi ressaltada pela quantidade dos votos válidos e pela quantidade de eleitores que se abstiveram. O presidente Temer foi assertivo mas tímido ao afirmar que foi "uma mensagem". O voto dado no último domingo foi a manifestação da vontade, mais que uma mensagem, em não querer os governantes que aqui administram e administravam em particular ao Partido dos Trabalhadores. Mas é muito cansativo ver que as siglas que irão assumir as prefeituras não tem nada de novo nem irão trazer grandes transformações sociais seja pelas amarras instituídas politicamente seja pelas amarras econômicas impostas pela crise econômica .

Sinais, mensagens atitudes foram tomadas. Partidos foram retirados do poder, criminosos estão presos e outros serão. Quanto mais evoluímos mais sujeiras encobertas são reveladas. Mas a evolução não passa prioritariamente na troca dos personagens, passa prioritariamente pela participação propositiva dos agentes publicos envolvidos com a fiscalização e controle do Sistema Político e Partidário. O primeiro teste foi feito: Novas regras reduziram financiamento mudando toda dinâmica da campanha desde seu inicio oficial.

O fato é que estamos todos cansados não havendo espaço para ressaca já que o segundo turno está aí. E já começamos as eleições de 2018. Haja fôlego, saco e disposição para tantos acordos idas e vindas para falta de originalidade de propostas e falta caráter e moral em muitos dos políticos.

De qualquer maneira está feito. Meus filhos e netos terão uma democracia mais madura e mais calejada. 
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

TAGUATINGA ESTÁ COM 12OO VAGAS EM SEIS CURSOS

Com o objetivo de apoiar o trabalho de lideranças comunitárias, a Administração Regional de Taguatinga, tem o programa Escola da Comunidade, um espaço voltado para a promoção de cursos e palestras para zeladores, porteiros, síndicos, prefeitos comunitários e membros de associações de moradores. A Escola da Comunidade está com inscrições abertas para cursos de formação em cursos de formação de prefeito comunitário, síndico profissional, direito condominial, engenharia condominial, agente de portaria e primeiros socorros.


Andréa Serra, uma ex-aluna do curso de formação para síndicos, aprovou a iniciativa da escola e hoje usa o que aprendeu na gestão de seu condomínio. “Com as palestras de direito e dos engenheiros pude saber mais sobre legislação e engenharia, o que eu estou aplicando em meu condomínio”. O administrador de Taguatinga, Ricardo Lustosa Jacobina afirma que a iniciativa é um programa de sucesso da administração de Taguatinga. “A Escola da Comunidade é uma conquista de toda a p…

O SERVIDOR QUE ESPERA AUMENTO EM OUTUBRO "PODE TIRAR O CAVALINHO DACHUVA"

Escrevo este post com a profunda vontade de estar errado, todavia não sou tão otimista assim. A categoria funcional vinculada ao Governo Do Distrito Federal deverá ter uma visão de águia e planejar qualitativamente suas finanças nos próximos meses. Todos nós temos uma tendência em contar com o "ovo dentro da galinha" e realizar despesas ou pagar dívidas com créditos a receber.
O GDF tem se lastreado e se calçado por uma única linha de defesa e planejamento de governança, a Lei de Responsabilidade Fiscal. Não há outra ação propositiva concreta de desenvolvimento econômico para a capital. A "muleta" utilizada só é esquecida quando o governo anterior, o de Agnelo, se sobre põe ao atual na ingerência econômica social.
Vivemos uma crise, nisso não há novidade. Vivemos uma caos não há novidade alguma nisso. A novidade é na desculpa utilizada para justificar ações sem prumo. Falar que arrecadação não tem suprido as expectativas já não justifica o intenso e sistemático discu…

ECONOMIA E A LEI DA ESCASSEZ

Em Economia tudo se resume a uma restrição quase que física - a lei da escassez, isto é, produzir o máximo de bens e serviços a partir dos recursos escassos disponíveis a cada sociedade. Se uma quantidade infinita de cada bem pudesse ser produzida, se os desejos humanos pudessem ser completamente satisfeitos, não importaria que uma quantidade excessiva de certo bem fosse de fato produzida. Nem importaria que os recursos disponíveis: trabalho, terra e capital (este deve ser entendido como máquinas, edifícios, matérias-primas etc.) fossem combinados irracionalmente para produção de bens. Não havendo o problema da escassez, não faz sentido se falar em desperdício ou em uso irracional dos recursos e na realidade só existiriam os "bens livres". Bastaria fazer um pedido e, pronto, um carro apareceria de graça.
Na realidade, ocorre que a escassez dos recursos disponíveis acaba por gerar a escassez dos bens - chamados "bens econômicos". Por exemplo: as jazidas de minério de…