Pular para o conteúdo principal

MOBILIDADE RÁPIDA, EFICIENTE E SEGURA: METRÔ DE BRASÍLIA AOS POUCOS VAI MUDANDO PARA MELHOR


O presidente do Metrô DF, Marcelo Dourado, ao retornar do Japão onde passou 20 dias visitando o sistema metroviário do país a convite do governo japonês, sentiu o quanto a mobilidade sobre trilhos no Brasil, e em especial em Brasília, ainda é atrasado anos-luz do que viu na terra do sol nascente.

Mesmo assim, o choque de realidade não foi motivo para demover o especialista em sistema metroviário de continuar persistindo a convencer o governo federal, por meio Ministério da Fazenda, a liberar R$ 270 milhões para a compra de pelo menos dez trens que irão substituir os que estão em uso há mais de 20 anos.
“Meu único defeito: sou viciado em trilhos”, disse Marcelo Dourado ao receber um grupo de blogueiros da ABBP em seu gabinete nesta quarta-feira (14) para fazer um balanço dos avanços conseguidos para transformar o Metro DF, na mais importante modal de transportes de pessoas do Distrito Federal.

Quando assumiu o comando da empresa em janeiro de 2105, Marcelo Dourado se deparou com um sistema caro, equipamentos absoletos e com contratos complicados.

“Fizemos novas licitações de contratos de manutenção do metrô e posso garantir que hoje as falhas são cada vez menores. A modernização do sistema que vem acontecendo no âmbito da radiofonia, telefonia fixa e sinalização, transformou o metrô no meio de transportes mais confiante, mais rápido e mais seguro do DF”, afirmou.

Ele disse que a empresa faz uma economia do dinheiro público de R$ 71 milhões por ano comparado ao antigo contrato. Afirmou que pela primeira vez na história, o Metrô DF possui um gerenciamento de manutenção que antes estava nas mãos de empresas terceirizadas e hoje o sistema está nas mãos dos técnicos do próprio metrô.

“Estamos investindo capacitação dos nossos profissionais, por isso levei dois engenheiros nossos para o Japão para conhecer as oficinas dos trens e fabricação de material. O sistema tem muito menos falha do que no passado e com uma economia espetacular. Esperamos transportar no próximo ano mais de dois milhões e quatrocentas mil pessoas”, comemora.


Marcelo Dourado disse que os projetos para a expansão da linha Samambaia, Ceilândia estão prontos e a linha Asa Norte irá contribuir para a revitalização da W3 Sul. Ele criticou o governo brasileiro por não priorizar o transporte sobre trilhos e que anda na contramão do mundo.

“Quando estava na Superintendência de Desenvolvimento do Centro-Oeste – Sudeco, em 2011, órgão ligado ao Ministério da Integração Nacional, lançamos um projeto para trens de media velocidade de 160 quilômetros por hora que Acredito ainda que o projeto Brasília /Luziânia que já tem o trilho e que pode ser feito as adaptações, se consolide por ser uma obra a custo baixo e mais barato e eficiente do que o BRT”, comparou.

Dourado disse que tenta amenizar um problema grave no metrô que é a falta de pessoal. A empresa possui 1.010 funcionários quando precisaria de pelos menos de 1.500 empregados. “Precisamos contratar com urgência os concursados na área de segurança e de engenharia e agentes de estação na área operacional e técnica. O nosso único entrave é a lei de responsabilidade fiscal. O GDF está lutando para vencer a batalha e vai sair do limite prudencial. Por isso lutei e conseguiu prorrogação do concurso por mais dois anos e tenho a absoluta certeza que o GDF vai superar essa barreira”, acredita.

O presidente do metrô destacou o termo de cooperação feito entre a empresa e a Policia Militar do Distrito Federal para atuar nas áreas lindeiras. Para a vigilância nas estações e plataformas foi contratada uma empresa de segurança armada.

“Vamos também assinar um termo de cooperação com o corpo de bombeiros que já atua em nossas áreas com ações preventivas e corretivas do nosso sistema. A segurança é fundamental para um sistema que transporta milhares de pessoas todos os dias. Somos um tipo de transportes mais seguro do mundo”, assegurou.
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

TAGUATINGA ESTÁ COM 12OO VAGAS EM SEIS CURSOS

Com o objetivo de apoiar o trabalho de lideranças comunitárias, a Administração Regional de Taguatinga, tem o programa Escola da Comunidade, um espaço voltado para a promoção de cursos e palestras para zeladores, porteiros, síndicos, prefeitos comunitários e membros de associações de moradores. A Escola da Comunidade está com inscrições abertas para cursos de formação em cursos de formação de prefeito comunitário, síndico profissional, direito condominial, engenharia condominial, agente de portaria e primeiros socorros.


Andréa Serra, uma ex-aluna do curso de formação para síndicos, aprovou a iniciativa da escola e hoje usa o que aprendeu na gestão de seu condomínio. “Com as palestras de direito e dos engenheiros pude saber mais sobre legislação e engenharia, o que eu estou aplicando em meu condomínio”. O administrador de Taguatinga, Ricardo Lustosa Jacobina afirma que a iniciativa é um programa de sucesso da administração de Taguatinga. “A Escola da Comunidade é uma conquista de toda a p…

O SERVIDOR QUE ESPERA AUMENTO EM OUTUBRO "PODE TIRAR O CAVALINHO DACHUVA"

Escrevo este post com a profunda vontade de estar errado, todavia não sou tão otimista assim. A categoria funcional vinculada ao Governo Do Distrito Federal deverá ter uma visão de águia e planejar qualitativamente suas finanças nos próximos meses. Todos nós temos uma tendência em contar com o "ovo dentro da galinha" e realizar despesas ou pagar dívidas com créditos a receber.
O GDF tem se lastreado e se calçado por uma única linha de defesa e planejamento de governança, a Lei de Responsabilidade Fiscal. Não há outra ação propositiva concreta de desenvolvimento econômico para a capital. A "muleta" utilizada só é esquecida quando o governo anterior, o de Agnelo, se sobre põe ao atual na ingerência econômica social.
Vivemos uma crise, nisso não há novidade. Vivemos uma caos não há novidade alguma nisso. A novidade é na desculpa utilizada para justificar ações sem prumo. Falar que arrecadação não tem suprido as expectativas já não justifica o intenso e sistemático discu…

ECONOMIA E A LEI DA ESCASSEZ

Em Economia tudo se resume a uma restrição quase que física - a lei da escassez, isto é, produzir o máximo de bens e serviços a partir dos recursos escassos disponíveis a cada sociedade. Se uma quantidade infinita de cada bem pudesse ser produzida, se os desejos humanos pudessem ser completamente satisfeitos, não importaria que uma quantidade excessiva de certo bem fosse de fato produzida. Nem importaria que os recursos disponíveis: trabalho, terra e capital (este deve ser entendido como máquinas, edifícios, matérias-primas etc.) fossem combinados irracionalmente para produção de bens. Não havendo o problema da escassez, não faz sentido se falar em desperdício ou em uso irracional dos recursos e na realidade só existiriam os "bens livres". Bastaria fazer um pedido e, pronto, um carro apareceria de graça.
Na realidade, ocorre que a escassez dos recursos disponíveis acaba por gerar a escassez dos bens - chamados "bens econômicos". Por exemplo: as jazidas de minério de…