Pular para o conteúdo principal

TEMER ENTRA NA HISTÓRIA PELA MESÓCLISE, ASSIM COMO ITAMAR ENTROU COM O FUSCA


Foto: Internet


TEMER ENTRA NA HISTÓRIA PELA MESÓCLISE, ASSIM COMO ITAMAR ENTROU COM O FUSCA

fraqueQuase sempre aceito tudo, nesta sociedade acomodada, mas de vez em quando me acende uma luz: a luz da reação consciente.
Assim, garotos e garotas, vejo como uma barbaridade o relançamento da mesóclise pelo presidente Michel Temer. E faço cobrança pública: ninguém chiou, ninguém vaiou, ninguém analisou! Nem eu!
Ao contrário: todos nós rimos, achamos engraçadinho, quando ele deu o mau exemplo de falar difícil. Crianças, não levem Temer a sério!
Faltou ao presidente a autoridade de um bom assessor de Comunicação, que berrasse assim: “Não! Pelo amor de Deus, NÃO! Presidente!”
Hoje, tardiamente, digo:
—-A mesóclise vai entrar na biografia de Temer da mesma forma ridícula que entrou o Fusca na vida do presidente Itamar Franco.
Itamar fez muito pelo Brasil, na década de 90. Inclusive deu o tiro fatal na inflação, com o Plano Real. Mas morreu abraçado ao Fusquinha – que ele mandou inutilmente fabricar de novo e não pegou, é claro.
Temer já começa a fazer muita coisa no seu curto governo, mas será lembrado pela tarefa boba de “dividir o verbo para enfiar um pronome”, da forma que ninguém mais faz – nem quer.
Aprendi que há três colocações dos chamados pronomes oblíquos átonos:
Próclise – Você vai se informar (usada pelas pessoas normais).
Ênclise – Você vai informar-se (usada pelos mais “finos”).
Mesóclise – Você informa-se-á (forma usada pelas pessoas ridículas)


EVOLUÇÃO DA LINGUAGEM ESCRITA NO BRASIL

Na década de 60, um jovem professor de Português, nos Maristas de Salvador, me mostrou que a linguagem e a literatura do Brasil tinham evoluções fantásticas. Isso há 50 longos anos!
Ele nos apresentou o célebre Poema da Pedra, de Drummond (no meio do caminho tinha uma pedra, tinha uma pedra no meio do caminho). Eu, garoto despreparado e conservador, achei horrível!
O que gostei mesmo foi da aula sobre Jorge Amado. O interessante professor (pena não lembrar o nome dele) falou de ênclise, próclise e mesóclise. Esta última foi apontada por ele como em desuso, prestes a desaparecer, pois fora rejeitada pela população brasileira no século XX. Concordei plenamente!
Fiquei fã de Jorge Amado (isso é fácil para um baiano!), quando o professor disse que este escritor comunista, proibido no Colégio Maristas, estava impondo nos seus livros a linguagem das ruas, inclusive com os palavrões (já havia lido Capitães de Areia e me impressionei pela agressividade das palavras).
Fiquei sabendo que Jorge Amado assustou os amantes de Machado de Assis ao usar somente a próclise nos seus textos romanceados. Vejam esta frase do grande romance Jubiabá: “No negro Antônio Balduíno nada se incorporou”.
Se fosse Michel Temer, a frase ficaria assim: “No negro Antônio Balduíno nada incorpora-se-ia”. Que terror!
A mesóclise é tão superada quanto o relógio de bolso, o fraque, a carruagem e a cartola (que muitos de vocês nunca viram). Na verdade, a mesóclise deve ser combatida como a gente combate hoje o fumo – prejudicial e inútil.
É compreensível que a forma pedante de se colocar pronomes seja ainda usada pelos retrógrados integrantes do Supremo Tribunal Federal. Eles estão 200 anos atrás da sociedade. Quase múmias!
Me pergunto: quando aparecerá um ministro corajoso no STF, que possa repudiar o uso da horrível e empoeirada toga, capa de Drácula? Eles se vestem de mesóclise, com molho de latim.
E assim vamos.
Temer pode fazer no Brasil a reforma da Previdência, controlar a inflação, reformar as leis trabalhistas, fazer a economia crescer, etc.
No entanto, far-se-á conhecido pela má idéia de empregar a mesóclise, apenas para se fazer diferente de Dilma Rousseff. Que desperdício! 

POR RENATO RIELLA
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

TAGUATINGA ESTÁ COM 12OO VAGAS EM SEIS CURSOS

Com o objetivo de apoiar o trabalho de lideranças comunitárias, a Administração Regional de Taguatinga, tem o programa Escola da Comunidade, um espaço voltado para a promoção de cursos e palestras para zeladores, porteiros, síndicos, prefeitos comunitários e membros de associações de moradores. A Escola da Comunidade está com inscrições abertas para cursos de formação em cursos de formação de prefeito comunitário, síndico profissional, direito condominial, engenharia condominial, agente de portaria e primeiros socorros.


Andréa Serra, uma ex-aluna do curso de formação para síndicos, aprovou a iniciativa da escola e hoje usa o que aprendeu na gestão de seu condomínio. “Com as palestras de direito e dos engenheiros pude saber mais sobre legislação e engenharia, o que eu estou aplicando em meu condomínio”. O administrador de Taguatinga, Ricardo Lustosa Jacobina afirma que a iniciativa é um programa de sucesso da administração de Taguatinga. “A Escola da Comunidade é uma conquista de toda a p…

O SERVIDOR QUE ESPERA AUMENTO EM OUTUBRO "PODE TIRAR O CAVALINHO DACHUVA"

Escrevo este post com a profunda vontade de estar errado, todavia não sou tão otimista assim. A categoria funcional vinculada ao Governo Do Distrito Federal deverá ter uma visão de águia e planejar qualitativamente suas finanças nos próximos meses. Todos nós temos uma tendência em contar com o "ovo dentro da galinha" e realizar despesas ou pagar dívidas com créditos a receber.
O GDF tem se lastreado e se calçado por uma única linha de defesa e planejamento de governança, a Lei de Responsabilidade Fiscal. Não há outra ação propositiva concreta de desenvolvimento econômico para a capital. A "muleta" utilizada só é esquecida quando o governo anterior, o de Agnelo, se sobre põe ao atual na ingerência econômica social.
Vivemos uma crise, nisso não há novidade. Vivemos uma caos não há novidade alguma nisso. A novidade é na desculpa utilizada para justificar ações sem prumo. Falar que arrecadação não tem suprido as expectativas já não justifica o intenso e sistemático discu…

ECONOMIA E A LEI DA ESCASSEZ

Em Economia tudo se resume a uma restrição quase que física - a lei da escassez, isto é, produzir o máximo de bens e serviços a partir dos recursos escassos disponíveis a cada sociedade. Se uma quantidade infinita de cada bem pudesse ser produzida, se os desejos humanos pudessem ser completamente satisfeitos, não importaria que uma quantidade excessiva de certo bem fosse de fato produzida. Nem importaria que os recursos disponíveis: trabalho, terra e capital (este deve ser entendido como máquinas, edifícios, matérias-primas etc.) fossem combinados irracionalmente para produção de bens. Não havendo o problema da escassez, não faz sentido se falar em desperdício ou em uso irracional dos recursos e na realidade só existiriam os "bens livres". Bastaria fazer um pedido e, pronto, um carro apareceria de graça.
Na realidade, ocorre que a escassez dos recursos disponíveis acaba por gerar a escassez dos bens - chamados "bens econômicos". Por exemplo: as jazidas de minério de…