Pular para o conteúdo principal

ENTIDADES CRIAM CONSELHO PERMANENTE DE COMUNICAÇÃO DO DISTRITO FEDERAL

Foto: Conselho de Comunicação
Ele reúne todos os movimentos independentes e associações na categoria de mídias alternativas que “são os veículos que tem um contato mais direto com o público, adotando de forma transparente, mecanismos e critérios próprios de auto-regulamentação que sejam de conhecimento do público consumidor de informação. ” A reunião de fundação do Conselho ocorreu na noite da última quinta-feira (2/2/2017), na sede da MCB, na Asa Sul.

Um dos objetivos da união das organizações que integram o Conselho Permanente de Comunicação é buscar uma melhor qualificação dos profissionais que atuam na mídia alternativa no Distrito Federal. Uma das ações é trazer as maiores tendências seguidas pela mídia no país e no mundo. A mídia impressa, no mundo, por exemplo, mudou drasticamente e a grande maioria dos veículos seguem experiências bem-sucedidas realizadas pelo The New York Times e o The Guardian que são inspirados e acompanham de perto as empresas de mídias digitais que estão aparecendo e crescendo.

As entidades e movimentos com cadeira do Conselho Permante de Comunicação são: Associação Brasiliense de Blogueiros de Política (ABBP), Associação dos Veículos de Comunicação Comunitária do DF e Entorno (ASVECOM), Associação de Radiodifusão Comunitária do Distrito federal (ABRAÇO), Associação dos Ativistas Digitais do Distrito Federal (ASSAD), Movimento dos Produtores de Conteúdo (MPC), Movimento dos Comunicadores do Brasil (MCB), Movimento Independente de Novas Mídias (MI) e a Cooperativa de Jornais e Revistas Comunitários do Distrito Federal (COOPSARLEDF).

Com o trabalho conjunto das diferentes mídias alternativas, em Brasília, o conteúdo jornalístico vai chegar mais diretamente a seu público-alvo buscando alcançar jovens e adultos que moram nas cidades e periferias e que são grandes consumidores de informação com telefones celulares, mobile, desktop e tablets.

O contexto de mídia hoje mostra crescimento na produção da informação, que vai triplicar nos próximos quatro anos, segundo pesquisas de entidades mundiais de comunicação. Terá ainda mais divisão do tempo entre os meios de comunicação (constante aumento) e as redes sociais (rápido crescimento), segundo afirma Earl J. Wilkinson, diretor executivo e CEO da INMA (International News Media Association). Ele diz que “a conexão mobile vai crescer 110% em dois anos, com aumento de 33% nas conexões móveis. ” Com isso, os veículos que, agora, buscam a unificação, passarão a ser também grandes produtores de conteúdo editorial.

Messenger e WhatsApp também são serviços que estarão em alta com alto fluxo de informações.

Veja o que dizem os presidentes das entidades que integram o Conselho Permanente de Comunicação: Associação Brasiliense de Blogueiros de Política (ABBP), Associação dos Veículos de Comunicação Comunitária do DF e Entorno (ASVECOM), Associação de Radiodifusão Comunitária do Distrito federal (ABRAÇO), Associação dos Ativistas Digitais do Distrito Federal (ASSAD), Movimento dos Produtores de Conteúdo (MPC), Movimento dos Comunicadores do Brasil (MCB), Movimento Independente de Novas Mídias (MI) e a Cooperativa de Jornais e Revistas Comunitários do Distrito Federal (COOPSARLEDF).

Sandro Gianelli, ABBP

“O principal objetivo do Conselho Permanente de Comunicação é unir todos os movimentos independentes e associações numa categoria. A partir de agora nós passamos a ser a categoria das mídias alternativas. Por que mídias alternativas? Porque existe uma lei, hoje, no Distrito Federal que, inclusive, tem sido copiada em outros estados que determina que o poder público tanto legislativo, como executivo, tem que destinar, no mínimo, 10% de suas publicidades para essas categorias. Então, nós estamos aqui sendo representadas por todas elas: Blogueiros, sites, portais, rádios comunitárias, jornais comunitários todos reunidos em torno desta nova categoria. ”

Edvaldo Brito, ASVECOM

“O Conselho está se reunindo porque nós pensamos em melhorar a comunicação direta com o cidadão. O Jornal Comunitário, o jornal alternativo ele tem um contato mais direto com a pessoa que consome a notícia, precisa de informação que é o cidadão. Nossa intenção, primeiro é disciplinar isso, para que seja feito de uma forma produtiva, aglutinar para que as pessoas possam trabalhar melhor neste sentido e qualificar ainda mais os profissionais do setor para que possam melhor informar a população das ações do Governo, Câmara Legislativa, órgãos federais, estatais, enfim, todas as empresas ou seja, criar uma linguagem única, e própria dos jornais alternativos e comunitários. ”

Paulo Melo, MCB

“O Conselho visa unir todas as entidades que estão em Brasília e tem um serviço através de suas associações. Ao unir estas entidades nós estamos unificando os principais comunicadores do Distrito Federal e, com essa unificação, nos tornamos muito mais fortes. E dessa forma vamos promover uma série de ações para promover a comunicação além de realizar encontros, palestras, entrevistas coletivas, fórum, seminários com o objetivo de preparar os comunicadores de Brasília para uma melhor ação em torno da comunidade. ”

Ronaldo Martins, ABRAÇO

“Estamos junto com os blogueiros, com a ideia de criar uma entidade que represente não só os blogueiros, mas as rádios comunitárias, jornais comunitários que são o principal elo entre o Estado e a comunidade. Quero parabenizar os presidentes aqui presentes hoje para promover a unificação das mídias alternativas de Brasília. ”

Ataíde Santos, ASSAD

“A criação do conselho mostra a importância da unificação das diversas associações e veículos para o fortalecimento do segmento da comunicação. Até hoje o Brasil esteve à mercê da chamada mídia tradicional. A mídia alternativa se fortalece com a criação do Conselho, ocupa seu espaço e leva à sociedade uma melhor informação. ”

Eldo Gomes, MPC

“O Movimento Produtores de Conteúdo, agora, focado em sua nova fase, em qualidade e não em quantidade, se une ao conselho Permanente de Comunicação com um único objetivo: chegar aonde as novas mídias não tem condições de chegar. ”

O Conselho de Comunicação através das entidades que o integram representa cerca de 130 veículos de comunicação alternativa do Distrito Federal.
Fonte: Paulo Melo.
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

TAGUATINGA ESTÁ COM 12OO VAGAS EM SEIS CURSOS

Com o objetivo de apoiar o trabalho de lideranças comunitárias, a Administração Regional de Taguatinga, tem o programa Escola da Comunidade, um espaço voltado para a promoção de cursos e palestras para zeladores, porteiros, síndicos, prefeitos comunitários e membros de associações de moradores. A Escola da Comunidade está com inscrições abertas para cursos de formação em cursos de formação de prefeito comunitário, síndico profissional, direito condominial, engenharia condominial, agente de portaria e primeiros socorros.


Andréa Serra, uma ex-aluna do curso de formação para síndicos, aprovou a iniciativa da escola e hoje usa o que aprendeu na gestão de seu condomínio. “Com as palestras de direito e dos engenheiros pude saber mais sobre legislação e engenharia, o que eu estou aplicando em meu condomínio”. O administrador de Taguatinga, Ricardo Lustosa Jacobina afirma que a iniciativa é um programa de sucesso da administração de Taguatinga. “A Escola da Comunidade é uma conquista de toda a p…

O SERVIDOR QUE ESPERA AUMENTO EM OUTUBRO "PODE TIRAR O CAVALINHO DACHUVA"

Escrevo este post com a profunda vontade de estar errado, todavia não sou tão otimista assim. A categoria funcional vinculada ao Governo Do Distrito Federal deverá ter uma visão de águia e planejar qualitativamente suas finanças nos próximos meses. Todos nós temos uma tendência em contar com o "ovo dentro da galinha" e realizar despesas ou pagar dívidas com créditos a receber.
O GDF tem se lastreado e se calçado por uma única linha de defesa e planejamento de governança, a Lei de Responsabilidade Fiscal. Não há outra ação propositiva concreta de desenvolvimento econômico para a capital. A "muleta" utilizada só é esquecida quando o governo anterior, o de Agnelo, se sobre põe ao atual na ingerência econômica social.
Vivemos uma crise, nisso não há novidade. Vivemos uma caos não há novidade alguma nisso. A novidade é na desculpa utilizada para justificar ações sem prumo. Falar que arrecadação não tem suprido as expectativas já não justifica o intenso e sistemático discu…

ECONOMIA E A LEI DA ESCASSEZ

Em Economia tudo se resume a uma restrição quase que física - a lei da escassez, isto é, produzir o máximo de bens e serviços a partir dos recursos escassos disponíveis a cada sociedade. Se uma quantidade infinita de cada bem pudesse ser produzida, se os desejos humanos pudessem ser completamente satisfeitos, não importaria que uma quantidade excessiva de certo bem fosse de fato produzida. Nem importaria que os recursos disponíveis: trabalho, terra e capital (este deve ser entendido como máquinas, edifícios, matérias-primas etc.) fossem combinados irracionalmente para produção de bens. Não havendo o problema da escassez, não faz sentido se falar em desperdício ou em uso irracional dos recursos e na realidade só existiriam os "bens livres". Bastaria fazer um pedido e, pronto, um carro apareceria de graça.
Na realidade, ocorre que a escassez dos recursos disponíveis acaba por gerar a escassez dos bens - chamados "bens econômicos". Por exemplo: as jazidas de minério de…