Pular para o conteúdo principal

BRB DIVULGA CALENDÁRIO DO CURSO DE EDUCAÇÃO FINANCEIRA

O Banco de Brasília divulga as datas das próximas turmas para o curso de educação financeira. Serão realizados dois cursos, um em maio e outro em julho, conforme cronograma abaixo:
 
 
Ambos são abertos à população e oferecidos de forma gratuita. É necessário, apenas, que os interessados enviem e-mail para o endereço educafin@brb.com.br, informando o nome completo, telefone e e-mail de contato. A confirmação da inscrição também será efetuada via e-mail.
 
Cada curso tem duração de três dias e ocorre no intervalo das 18h45 às 21h45, na Gerência de Desenvolvimento de Pessoas da Instituição, na 410/411 Sul – Sobreloja da Agência L2 Sul. Ao fim do curso, todos recebem um certificado de participação.
 
Ricardo Emmanuel, um dos instrutores de educação financeira do BRB, explica que os cursos convergem para os três pontos principais da Educação Financeira: endividamento, planejamento e investimento. “Durante as apresentações, buscamos explicar primeiramente aos participantes que muitas atitudes que acreditamos estarem corretas sobre o uso do dinheiro, nascem de uma relação de pouco conhecimento e, muitas vezes, acabam prejudicando as finanças pessoais”, ressaltou.
 
Ricardo coloca, ainda, que durante os encontros são apresentadas ferramentas que auxiliam no processo de reeducação financeira e orientações sobre como elaborar um planejamento financeiro. De forma geral, o curso engloba os seguintes temas:
 
  • Entendendo os aspectos comportamentais relacionados ao dinheiro.
  • Trabalhando os aspectos comportamentais que apoiam o compromisso para os resultados financeiros desejados.
  • Compreendendo minha situação financeira atual.
  • Planejamento Financeiro -  Onde quero chegar?
  • Investimento Financeiro – Projetando o futuro.
 
O Projeto
O projeto de educação financeira do BRB teve início em 2011 e, desde então, mais de 23 mil pessoas já participaram dos treinamentos. Alene Araújo já participou do curso e conta o que mais lhe ajudou na prática com as finanças pessoais: “Para mim, o maior desafio do curso foi entender que eu não estava preparada para cuidar das minhas finanças. Durante as aulas, aprendi dicas para lidar melhor com o dinheiro e as melhores maneiras de poupar e de investir, implantando mudanças nos meus hábitos de gastos. Hoje, já consigo colocar em prática alguns dos métodos apresentados, evitando gastos desnecessários”.
 
Novidades
A gerente de desenvolvimento de pessoas do BRB, Karoline Vieira da Cunha, adianta que está em desenvolvimento um novo projeto que atenderá a 6ª série da rede pública de algumas regiões administrativas do Distrito Federal.
 
“Este projeto está sendo estruturado em conjunto com a área de marketing do Banco e em parceria com a Secretaria de Educação do DF. Ele conta também com o auxílio da área de sustentabilidade do BRB, que em parceria com o Portal Brasília Cidadão, da Casa Civil, estará recrutando voluntários para participarem da proposta. O projeto envolverá palestras, distribuição de cofrinhos e de livros educativos, além do desenvolvimento de um jogo educativo virtual com esta temática. A ideia é ensinar essas crianças, desde a infância, sobre a importância de se ter uma educação financeira. Com isso, esperamos contribuir com a formação de adultos mais conscientes financeiramente”, finalizou.
 
Mais informações
E-mail: aimprensa@brb.com.br
Assessoria de Comunicação
Telefone: 3412-8474 (Márcia Macedo)
                 3412-8534 (Lorena Martins)
 


 
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

TAGUATINGA ESTÁ COM 12OO VAGAS EM SEIS CURSOS

Com o objetivo de apoiar o trabalho de lideranças comunitárias, a Administração Regional de Taguatinga, tem o programa Escola da Comunidade, um espaço voltado para a promoção de cursos e palestras para zeladores, porteiros, síndicos, prefeitos comunitários e membros de associações de moradores. A Escola da Comunidade está com inscrições abertas para cursos de formação em cursos de formação de prefeito comunitário, síndico profissional, direito condominial, engenharia condominial, agente de portaria e primeiros socorros.


Andréa Serra, uma ex-aluna do curso de formação para síndicos, aprovou a iniciativa da escola e hoje usa o que aprendeu na gestão de seu condomínio. “Com as palestras de direito e dos engenheiros pude saber mais sobre legislação e engenharia, o que eu estou aplicando em meu condomínio”. O administrador de Taguatinga, Ricardo Lustosa Jacobina afirma que a iniciativa é um programa de sucesso da administração de Taguatinga. “A Escola da Comunidade é uma conquista de toda a p…

O SERVIDOR QUE ESPERA AUMENTO EM OUTUBRO "PODE TIRAR O CAVALINHO DACHUVA"

Escrevo este post com a profunda vontade de estar errado, todavia não sou tão otimista assim. A categoria funcional vinculada ao Governo Do Distrito Federal deverá ter uma visão de águia e planejar qualitativamente suas finanças nos próximos meses. Todos nós temos uma tendência em contar com o "ovo dentro da galinha" e realizar despesas ou pagar dívidas com créditos a receber.
O GDF tem se lastreado e se calçado por uma única linha de defesa e planejamento de governança, a Lei de Responsabilidade Fiscal. Não há outra ação propositiva concreta de desenvolvimento econômico para a capital. A "muleta" utilizada só é esquecida quando o governo anterior, o de Agnelo, se sobre põe ao atual na ingerência econômica social.
Vivemos uma crise, nisso não há novidade. Vivemos uma caos não há novidade alguma nisso. A novidade é na desculpa utilizada para justificar ações sem prumo. Falar que arrecadação não tem suprido as expectativas já não justifica o intenso e sistemático discu…

ECONOMIA E A LEI DA ESCASSEZ

Em Economia tudo se resume a uma restrição quase que física - a lei da escassez, isto é, produzir o máximo de bens e serviços a partir dos recursos escassos disponíveis a cada sociedade. Se uma quantidade infinita de cada bem pudesse ser produzida, se os desejos humanos pudessem ser completamente satisfeitos, não importaria que uma quantidade excessiva de certo bem fosse de fato produzida. Nem importaria que os recursos disponíveis: trabalho, terra e capital (este deve ser entendido como máquinas, edifícios, matérias-primas etc.) fossem combinados irracionalmente para produção de bens. Não havendo o problema da escassez, não faz sentido se falar em desperdício ou em uso irracional dos recursos e na realidade só existiriam os "bens livres". Bastaria fazer um pedido e, pronto, um carro apareceria de graça.
Na realidade, ocorre que a escassez dos recursos disponíveis acaba por gerar a escassez dos bens - chamados "bens econômicos". Por exemplo: as jazidas de minério de…