Pular para o conteúdo principal

GOVERNO FEDERAL PROÍBE O GDF DE USAR AÇÕES DO BRB PARA RECOMPOR IPREV

foto: Internet - Hamilton Silva

A recomposição de recursos do Instituto de Previdência dos Servidores do DF (Iprev) com ações do Banco de Brasília (BRB) foi questionada pela Secretaria de Previdência do governo federal. A pasta alega que a operação não é benéfica para o Iprev, uma vez que o mercado de ações é marcado pela volatilidade, e negou a transação. Indeferiu, inclusive, a emissão do Certificado de Regularidade Previdenciária (CRP) para o GDF. Esse documento atesta que um ente federativo segue normas de boa gestão a fim de garantir o pagamento dos segurados.
Sem ele, o instituto ficaria impossibilitado de realizar diversas operações, como celebrar acordos, contratos ou convênios. Para contornar os problemas e conseguir o CRP, o governo ajuizou uma ação no Supremo Tribunal Federal (STF). Conseguiu liminar para a expedição do documento, mas não garantiu a recomposição do dinheiro. O caso ainda será analisado de maneira definitiva na Corte. Até lá, os servidores públicos do Distrito Federal veem, mais uma vez, o instituto responsável por pagar as futuras aposentadorias mergulhado em incertezas.
O problema atual se refere à última retirada que o GDF fez da reserva. Em dezembro passado, o governo conseguiu aprovar a lei que autorizou a utilização de R$ 493,5 milhões do Iprev. O dinheiro foi usado para pagar salários do funcionalismo, pois o Palácio do Buriti alegava não ter recursos para os servidores.
Como o funcionalismo público do DF tem dois fundos, foi retirado parte do superávit de um deles. Funciona assim: existe a reserva Financeira, composta pelos servidores que entraram no GDF até dezembro de 2006, que hoje tem um deficit de R$ 2,2 bilhões. A outra, chamada de Fundo Capitalizado, é formada pelos funcionários que tomaram posse a partir de janeiro de 2007. Esta tem superávit de R$ 658 milhões. Hoje, 130 mil servidores estão vinculados ao Iprev: 100 mil na Financeira e 30 mil na reserva Capitalizada.
O GDF transferiu o dinheiro do fundo com saldo positivo para o que tem deficit. Assim, “economizou” no pagamento dos servidores da ativa. A promessa era repor o que foi retirado com as ações do BRB, mas a Secretaria de Previdência não achou a medida benéfica para a saúde do Iprev e questionou o ato.
Servidores receosos
A maneira de recompor os ativos foi criticada desde que o projeto chegou à Câmara Legislativa. Os servidores temiam, ainda em 2016, uma desvalorização das ações do BRB e um possível prejuízo para a aposentadoria das categorias.

Representantes do funcionalismo começaram a pressionar os distritais. O presidente do Sindicato dos Agentes de Atividades Penitenciárias (Sindpen), Leandro Allan, chegou a peregrinar pelos gabinetes dos deputados para pedir a rejeição da Lei Complementar nº 920/2016. Não deu certo. “Do jeito que a economia está, não temos previsão de como as ações vão flutuar. Não existe segurança alguma nessa transação”, reclama o sindicalista.
À espera da venda de imóveis
Segundo Leandro Allan, é preciso resolver a situação o mais rapidamente possível. Especialmente porque o GDF sequer conseguiu recompor o Iprev desde a primeira retirada de recursos do fundo, em 2015, também para pagar salários de servidores. Na ocasião, a promessa foi vender terrenos da Agência de Desenvolvimento do Distrito Federal (Terracap). Mas o GDF não conseguiu vender os imóveis até hoje.

“Como esperar a recomposição do Iprev com a venda de ações se o GDF ainda não conseguiu sequer comercializar imóveis da Terracap para devolver o dinheiro retirado em 2015?”, questiona o sindicalista.
Há dois anos, os deputados distritais aprovaram a Lei Complementar nº 899/2015, que autorizou a transferência de cerca de R$ 1,2 bilhão para o Fundo Financeiro, o que correspondia a 75% do valor do superávit de 2014.
Procurado pela reportagem, o Iprev ressaltou que, nos dois casos de transferência, os créditos já estão lançados na contabilidade do instituto. No entanto, falta a inclusão dos ativos ao órgão. “O Iprev-DF está acompanhando os desdobramentos para a conclusão da definitiva incorporação dos imóveis e ações no patrimônio dos fundos previdenciários”, afirmou, por meio de nota.
 Fonte: Metrópoles
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

TAGUATINGA ESTÁ COM 12OO VAGAS EM SEIS CURSOS

Com o objetivo de apoiar o trabalho de lideranças comunitárias, a Administração Regional de Taguatinga, tem o programa Escola da Comunidade, um espaço voltado para a promoção de cursos e palestras para zeladores, porteiros, síndicos, prefeitos comunitários e membros de associações de moradores. A Escola da Comunidade está com inscrições abertas para cursos de formação em cursos de formação de prefeito comunitário, síndico profissional, direito condominial, engenharia condominial, agente de portaria e primeiros socorros.


Andréa Serra, uma ex-aluna do curso de formação para síndicos, aprovou a iniciativa da escola e hoje usa o que aprendeu na gestão de seu condomínio. “Com as palestras de direito e dos engenheiros pude saber mais sobre legislação e engenharia, o que eu estou aplicando em meu condomínio”. O administrador de Taguatinga, Ricardo Lustosa Jacobina afirma que a iniciativa é um programa de sucesso da administração de Taguatinga. “A Escola da Comunidade é uma conquista de toda a p…

CONCURSO PARA CÃMARA LEGISLATIVA TERÁ 100 MIL CANDIDATOS

O tão esperado edital de abertura do concurso da Câmara Legislativa do Distrito Federal (CLDF) deverá ser lançado até o mês de agosto. A informação foi divulgada pela própria Casa, que assinou o contrato com a Fundação Carlos Chagas (FCC) na última sexta-feira (7/7). Mas a espera pela distribuição das vagas nos cargos não é mais necessária. Veja abaixo para quais áreas serão destinadas as 86 oportunidades: divididas entre os cargos de técnico, consultor técnico, consultor e procurador.
O presidente da Câmara, deputado Joe Valle (PDT), espera que o concurso selecione os candidatos mais interessados em fazer carreira na casa, que tem atualmente o salário inicial de nível médio em R$ 10.143,07 e de nível superior em R$ 15.123,30. Segundo ele, a expectativa é de mais de 100 mil candidatos inscritos. Leia também:Mais de 15 mil vagas serão abertas no país até dezembro De acordo com a Casa, não haverá gastos para a realização do certame, pois a seleção será totalmente custeada pelos valores …

O SERVIDOR QUE ESPERA AUMENTO EM OUTUBRO "PODE TIRAR O CAVALINHO DACHUVA"

Escrevo este post com a profunda vontade de estar errado, todavia não sou tão otimista assim. A categoria funcional vinculada ao Governo Do Distrito Federal deverá ter uma visão de águia e planejar qualitativamente suas finanças nos próximos meses. Todos nós temos uma tendência em contar com o "ovo dentro da galinha" e realizar despesas ou pagar dívidas com créditos a receber.
O GDF tem se lastreado e se calçado por uma única linha de defesa e planejamento de governança, a Lei de Responsabilidade Fiscal. Não há outra ação propositiva concreta de desenvolvimento econômico para a capital. A "muleta" utilizada só é esquecida quando o governo anterior, o de Agnelo, se sobre põe ao atual na ingerência econômica social.
Vivemos uma crise, nisso não há novidade. Vivemos uma caos não há novidade alguma nisso. A novidade é na desculpa utilizada para justificar ações sem prumo. Falar que arrecadação não tem suprido as expectativas já não justifica o intenso e sistemático discu…