domingo, 26 de março de 2017

NOTA DO SINDICATO DOS ADVOGADOS DO DF

O Sindicato dos Advogados de Brasília (SINADV-DF) repudia o Projeto de Lei 4302/98, aprovado nesta quarta-feira (22) pelo Plenário da Câmara dos Deputados que permite o uso da terceirização em todas as áreas (atividade-fim e atividade-meio) das empresas, por ter como objetivo achatar a renda do trabalhador brasileiro.

1)  Na prática, o trabalhador em contrato temporário, que hoje é permitido por até três meses, poderá ter seu contrato de trabalho prolongado por até nove meses, gerando a possibilidade de extensão do referido prazo. A lei atual prevê que após noventa dias do término do contrato temporário, o trabalhador poderá ser colocado à disposição da empresa.  Assim, em muitas empresas, todos os funcionários serão temporários e quando demitidos não terão direito à multa do FGTS e ao aviso prévio.

2)  A lei autoriza a contratação de terceirizados para substituir trabalhadores em greve, desde que a greve seja considerada abusiva ou quando atingir serviço considerado essencial. Previsão que acarretará o fim do direito de greve para petroleiros, rodoviários, metroviários, profissionais de saúde, dentre outros.

3) O projeto aprovado  acaba com a exigência de que a empresa terceirizada apresente certidão negativa do INSS. Dessa forma, empresas em débito com contribuições previdenciárias poderão livremente contratar trabalhadores terceirizados.

4) O projeto  também desobriga a empresa terceirizada a comprovar sede própria, acarretando o seguinte problema: os empresários poderão criar empresas fantasmas e contratar funcionários terceirizados para suas empresas.

5) A empresa que contrata o serviço terceirizado responde apenas subsidiariamente por eventuais dívidas trabalhistas e previdenciárias. Isso significa que, somente após a comprovação de que a empresa terceirizada não possui responsabilidade no pagamento que haverá a responsabilização da empresa que terceirizou o serviço. 

Por fim, resta claro que o referido Projeto de Lei prevê o afastamento de limites civilizatórios mínimos para a terceirização no Brasil, reduz direitos trabalhistas elementares e abre largo espaço para aumento do desemprego e da precarização do mercado de trabalho.

Trabalhadores sem direitos trabalhistas e sem o direito de pleiteá-los.

Dr. Klaus Stenius
Presidente SINADV-DF

Ascom

segunda-feira, 20 de março de 2017

NOTAS FISCAIS DA NET PUB TEM CARIMBOS DIFERENTES EM OUTROS GABINETES

Filipe Nogueira Coimbra, ex-servidor do gabinete da deputada Sandra Faraj e proprietário da NetPub, nega que tenha atestado o recebimento na última nota fiscal, que emitiu durante contrato de prestação de serviços com a parlamentar. Segundo ele, o carimbo não confere com o modelo utilizado pela empresa, nem mesmo a assinatura.
Mas documentos similares, aos quais o blog teve acesso, mostram que a prática é comum entre seus clientes. Um deles foi emitido em janeiro deste ano, a um deputado federal de São Paulo, observem que a assinatura é bem diferente daquelas que Filipe aponta como original e,  carimbo utilizado apenas o ateste de PAGO.


Filipe precisa esclarecer também porque trabalhou por quase dois anos no gabinete da parlamentar e só agora, após a exoneração, tirou da gaveta a suposta cobrança dos valores. A ligação de Filipe e o ex-chefe de gabinete, Manoel Carneiro, também deve ser desvendada, ainda mais agora depois que o Correio Braziliense revelou vídeo que flagrou Carneiro arrombando, com a ajuda de um chaveiro, a sala do gabinete de Sandra Faraj.
São novos elementos que devem embasar a decisão da Mesa Diretora da Câmara Legislativa nesta segunda-feira (20). O caso vem ganhando cada dia novos desdobramentos.



Fonte: Ricardo Callado

ESTUDO ABORDA DIFERENÇA SALARIAL ENTRE FUNCIONÁRIOS PÚBLICOS E PRIVADOS

foto: Codeplan
Vencedor do 2º Prêmio Codeplan de Trabalhos Técnico-Científicos, o economista Thiago Mendes Rosa, de 26 anos, abordou em sua pesquisa a diferença salarial entre funcionários públicos e privados. O estudo foi apresentado nesta quinta-feira (16) no auditório da Companhia de Planejamento do Distrito Federal (Codeplan).
O trabalho, um dos três premiados no início de dezembro, destaca uma variação de 55% a 77% entre os dois setores. De acordo com o estudo, um servidor público tende a ganhar mais do que o funcionário de empresa particular.
O autor, que tem graduação em economia e mestrado na Universidade Federal do Paraná, explica que essa diferença foi traçada com base em pesquisa de perfis variados, levando em conta características como idade, escolaridade e tempo de serviço.
Os dados utilizados foram os da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad), do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), e da Relação Anual de Informações Sociais (Rais).
Na abordagem feita pelo economista, o perfil que mais apresenta uma diferenciação salarial entre os setores público e privado são funcionários com idade acima dos 40 anos e com mais tempo de serviço. Outras implicações aparecem no estudo, disponível no site da Codeplan.
Perguntado sobre a escolha do tema, Thiago Rosa afirma que esse é um assunto de extrema importância e ainda pouco discutido. “Estou honrado de ter participado desse concurso e conquistado o primeiro lugar, acredito que meu trabalho possa contribuir e muito para pesquisas futuras.”
Prêmio Codeplan de Trabalhos Técnico-Científicos
Essa foi a segunda edição do Prêmio Codeplan de Trabalhos Técnico-Científicos. Ao todo, 19 pesquisas que tinham como tema geral o desenvolvimento do DF e da Região Integrada de Desenvolvimento do Distrito Federal e Entorno (Ride).
A iniciativa contemplou os três melhores trabalhos com prêmios no valor de R$ 8 mil para o primeiro colocado, R$ 6 mil para o segundo e R$ 4 mil para o terceiro.
 

Nota:  Esse estudo está disponível no seguite endereço: 

EM PROGRAMA DO RICARDO NORONHA O SENADOR REGUFFE FIM DO VOTO OBRIGATÓRIO E SUGERE UM REGIME DE CAPITALIZAÇÃO PARA APOSENTADORIA

Em entrevista bastante esclarecedora o senador Antônio Reguffe (Sem Partido) fala de sua atuação no Senado Federal e sugere através de proposta de reforma política sugere o fim do obrigatório introduzindo o voto facultativo nas eleições em todos os níveis.

Outra proposta que chama atenção é a PEC (Proposta de Emenda a Constituição) que proíbe a tributação sobre medicamentos, mas o que chama mais atenção ainda foi a atitude do senador que vem de encontro à cultura dos político contemporâneos, ou seja, o Reguffe abriu mão em caráter irrevogável sua aposentadoria e de seu plano de saúde patrocinado pelo cofres públicos.

O senador refuta a proposta do governo da reforma da previdência e sugere uma investigação nas contas. e diz que empresas devem uma "fortuna" ao INSS e não se sabe onde está esse dinheiro.

Parece pouco e até soa como "marketing eleitoral", mas estamos acompanhando com lupa todas suas ações. Vamos Assitir o video.



Cortesia dos SOS Brasília- Ricardo Noronha

NOTA DE REPÚDIO




divulgação

A Associação dos Blogueiros de Política do Distrito Federal e Entorno (ABBP) repudia a censura sofrida pelo jornalista Kleber Karpov do Portal de Notícias Política Distrital. Karpov, além de jornalista é blogueiro e vice-presidente da ABBP e é um especialista em saúde pública no Distrito Federal.

Uma Decisão Judicial da 2ª Vara Cível de Brasília retirou do Política Distrital, dezenas de matérias relativas a um servidor público comissionado.

O silêncio jurídico ao qual o Portal foi submetido viola o direito constitucional a informação do qual toda sociedade tem direito.

Segundo a ‘Declaração de Chapultepec’, “não há pessoas nem sociedades livres sem liberdade de expressão e de imprensa. O exercício dessa não é uma concessão das autoridades, é um direito inalienável do povo. Nenhum meio de comunicação ou jornalista deve ser sancionado por difundir a verdade, criticar ou fazer denúncias contra o poder público”.

A ABBP lamenta que a liberdade de imprensa seja silenciada. Destacamos ainda, que o direito à informação, é algo garantido por Lei a todo e qualquer cidadão.

Manifestamos a nossa solidariedade ao jornalista e aos demais colegas que passam por situações semelhantes no exercício da profissão.

Fonte: ABBP

CRISTIANO ARAÚJO HOMENAGEIA MÍDIA COMUNITÁRIA DO DF

foto: Internet blog do Hamilton Silva
Deputado Cristiano Araújo


Profissionais de mídia comunitária do Distrito Federal terão agora um dia para chamar de seu. É que a Câmara Legislativa aprovou o Projeto de Lei 1.529/2013, de autoria do deputado Cristiano Araújo (PSD), que institui o Dia da Mídia Comunitária e o inclui no calendário oficial de eventos do DF, para ser comemorado em 13 de agosto. A proposta agora segue para sanção do governador Rodrigo Rollemberg.

Não é novidade para ninguém que os veículos de comunicação de mídia comunitária fazem parte do cotidiano das pessoas e desempenham papel de relevância na sociedade, ao divulgar informação com rapidez, independência e acessível a todos.

Esse tipo de comunicação, também chamada de mídia alternativa, divide com a escola não só o papel de ensinar, mas também de formar o cidadão. A rádio, a web TV, a revista e o jornal comunitários, além da Internet – com suas redes sociais, blogs, sites e demais canais – podem auxiliar na formação intelectual das pessoas, levando-lhes informação e cultura.

Cristiano argumenta que, em sua grande maioria, essas mídias cumprem esse importante papel de maneira gratuita, garantindo o acesso à informação aos mais diversos setores da sociedade. “A instituição do ‘Dia das Mídias Comunitárias’, além de servir como uma justa homenagem aos profissionais que assumem esse trabalho quase que como uma missão, garantirá a eles um dia de mobilização e divulgação do seu ofício”, afirma o parlamentar.

Fonte: Blog do Sandro Gianelli

RECURSOS RETIRADOS DO IPREV AINDA NÃO FORAM REPOSTOS PELO GDF


foto da internet- Hamilton Silva

Sabe quando uma pessoa chega em uma padaria, pergunta se tem pão e o atendente responde: tem, mas está em falta? É mais ou menos essa a situação do Instituto de Previdência dos Servidores (Iprev). O Governo do Distrito Federal (GDF) usou, entre 2015 e 2016, R$ 1,9 bilhão do superávit do fundo para pagar salários de funcionários públicos. No entanto, a tão prometida recomposição do montante direcionado à folha de pessoal não aconteceu até o momento.

Em 2015, a retirada do fundo que garante a aposentadoria dos concursados admitidos após 2006 no serviço público foi de R$ 1,3 bilhão, sob a condição de que os recursos seriam repostos com imóveis da Companhia Imobiliária de Brasília (Terracap). No ano seguinte, foram R$ 590 milhões também do superávit. Dessa vez, com a promessa de recompensa por meio das ações do Banco de Brasília (BRB). Mas nenhuma das operações se concretizou de fato.

Quase um ano e meio depois da primeira e mais vultosa retirada, ainda falta a avaliação da Caixa Econômica Federal, imprescindível à decisão sobre o destino dos terrenos que poderão repor o fundo dos servidores.

O banco ainda tem seis meses para concluir as análises. Só depois disso, o Iprev dirá o que fazer com o patrimônio. O fundo pode vender, alugar ou empreender para gerar renda.



“A lei que autorizou a retirada do superávit do Iprev já previa a recomposição com imóveis. No entanto, (a operação) está um pouco atrasada”, afirmou o presidente do instituto, Adler Alves. “Como a realidade do mercado imobiliário não é boa no momento, não há perda”, acrescentou.

Em 2016, A Câmara Legislativa aprovou outra retirada do mesmo fundo. Dessa vez, foram R$ 590 milhões, em troca de ações do BRB. A participação societária já foi autorizada, mas os títulos também não foram repassados ao Iprev. “Existe um procedimento de mercado para o valor atualizado de uma determinada companhia e da holding. O próprio BRB deveria contratar uma empresa para avaliar os ativos, mas os trâmites não foram concluídos ainda”, disse o presidente do Iprev.

A situação preocupa o presidente do Sindicato dos Servidores Públicos Civis da Administração Direta, Autarquias, Fundações e Tribunal de Contas do DF (Sindireta), Ibrahim Yussef. “Essa tratativa é muito ruim porque se refere à aposentadoria dos servidores. Lá na frente, pode ter uma repercussão negativa. Só saberemos se esses imóveis conseguirão recompor o fundo no momento em que forem avaliados”, afirmou.

Nova garfada
Em nota encaminhada pela Secretaria de Fazenda do DF, o governo afirma que, em 2016, firmou compromisso para não fazer novos empréstimos. Segundo a pasta, isso está mantido.

Porém, em reunião realizada em 9 de março pelo Conselho Fiscal do Iprev, foi cogitada a possibilidade da retirada de mais recursos do fundo, com a criação de uma nova fonte de receita para o instituto.

A informação foi confirmada pelo conselheiro e presidente do Iprev, Adler Alves. Frente ao drama da falta de vagas para carros na área central da capital, a ideia é que o instituto tenha uma participação ou gerencie os estacionamentos rotativos a serem implantados nas áreas mais nevrálgicas de Brasília.

Entenda
As manobras financeiras do GDF para pegar os empréstimos do superávit consistem na transferência de recursos do fundo capitalizado, que contempla os funcionários contratados depois de 2006, para o deficitário. Assim, o governo local economiza na contrapartida e consegue ter caixa para pagar os servidores em dia.



Embora o fundo capitalizado tenha superávit, o financeiro tem vinculados a ele 100 mil servidores que ingressaram no serviço público até 31 de dezembro de 2006, e um déficit de quase R$ 2 bilhões. O Tribunal de Contas do Distrito Federal (TCDF) tem dois processos em andamento que investigam essas manobras que retiraram dinheiro da Previdência dos servidores brasilienses.

Mandela Alcantara do Metropoles

sábado, 18 de março de 2017

PREÇO DO M² EM BRASÍLIA ATINGE MENOR VALOR DOS ÚLTIMOS 12 MESES

Aguas Claras
Líder no ranking nacional, o metro quadrado para venda em Brasília atingiu, em fevereiro de 2017, o menor valor dos últimos 12 meses. O custo médio no período analisado foi de R$ 8.167, segundo dados da VivaReal, uma plataforma digital que conecta imobiliárias, incorporadoras, corretores e consumidores de todo o país.
Em comparação com janeiro de 2017, houve redução de 2,78% no valor (R$ 8.400). Sobre o mesmo período de 2016, a queda foi de 2% (R$ 8.333). O estudo é feito mensalmente e contempla uma amostra de 30 cidades em diferentes regiões do país, considerando mais de 2 milhões de imóveis usados disponíveis para compra ou aluguel.
No Brasil, o preço médio do metro quadrado para venda custou R$ 4.800 em fevereiro de 2017, ou 60% do valor aplicado no Distrito Federal. O ranking das cidades mais caras ainda é liderado por Brasília (R$ 8.167). A capital federal é seguida por Rio de Janeiro (R$ 7.404), São Paulo (R$ 6.707), Recife (R$ 6.136) e Vitória (R$ 5.765).
O economista Roberto Piscitelli acha que não é uma boa hora para comprar imóveis. “Não houve uma reação do mercado imobiliário à crise econômica. O valor do metro quadrado ainda está elevado e acredito que pode cair mais”, pondera.
O professor de economia da Universidade de Brasília (UnB) Roberto Ellery, por sua vez, diz que a economia vem dando sinais de recuperação e a tendência é que os imóveis fiquem mais caros a partir dos próximos meses. Bom para quem vender e ruim para aqueles que querem adquirir a sua casa própria.
“A queda dos juros deve jogar o preço dos imóveis para cima. Por isso, se a pessoa for comprar à vista, agora é uma boa hora. Mas se for financiar parte do valor, é bom esperar. Os juros devem cair ainda mais nos próximos meses”, explica o especialista.
Segundo dados do Sindicato da Habitação do Distrito Federal (Secovi-DF), referentes a fevereiro deste ano, existem mais de 32 mil imóveis residenciais disponíveis para venda na capital do país. Os valores vão de R$ 160 mil a R$ 2,6 milhões, dependendo do tamanho da casa ou do apartamento.
A movimentação imobiliária continua sendo mais intensa nas áreas nobres de Brasília. Pelo menos é o que mostra o levantamento da VivaReal. As regiões mais procuradas pelos consumidores são as asas Sul e Norte, Sudoeste, Lago Sul e Noroeste, onde o metro quadrado é o mais caro de todo o DF: nada menos que R$ 9.632.
Preço/ m²





Aluguel
No que se refere a aluguel, o preço médio do metro quadrado em Brasília também caiu. Em fevereiro deste ano, atingiu média de R$ 32. Segundo o levantamento da VivaReal, houve leve redução de 0,44% em relação a janeiro de 2017, quando o custo era de R$ 32,14. Comparado ao mesmo período de 2016, os preços caíram 2,82%. Na época, o valor era de R$ 32,93.

No Brasil, a média do metro quadrado para aluguel é de R$ 23,08. São Paulo lidera a lista com valor de R$ 36, seguida por Rio de Janeiro (R$ 32,33/m²); Brasília (R$ 32/m²); Santos (R$ 29,17/m²); e Recife (R$ 25/m²).
Vai comprar um imóvel? Confira algumas dicas
  • Se a compra for de imóvel usado, verifique se a matrícula está no nome de quem está vendendo o apartamento;
  • Confira a certidão atualizada do IPTU, para evitar passivos de débitos;
  • Exija certidão negativa de débitos condominiais, para verificar se não existem pendências no condomínio;
  • Peça ainda informações às concessionárias de serviços básicos para avaliar se não existem débitos nas contas de água, esgoto, energia e gás;
  • Cheque também as condições do imóvel. Converse com vizinhos para saber como é viver naquele ambiente;
  • Se for financiar, procure poupar até 20% do valor do imóvel para dar de entrada;
  • Não comprometa mais que 30% de sua renda com a prestação da casa própria;
  • Lembre-se: quanto mais poupar, menos vai pagar juros.

Fonte: Metrópoles 

sábado, 25 de fevereiro de 2017

ABBP REPUDIA CENSURA NO GOVERNO DE BRASÍLIA


ABBP
A Associação dos Blogueiros de Política do Distrito Federal e Entorno (ABBP) repudia a censura sofrida pelo jornalista Otávio Augusto do jornal Correio Brasiliense.
A censura aconteceu na Secretaria de Saúde do DF e infelizmente a ordem partiu do secretário, Humberto Fonseca, que determinou à sua assessoria de imprensa que não repasse, qualquer informação referente as ações da pasta, ao jornalista.
Segundo a 'Declaração de Chapultepec', "não há pessoas nem sociedades livres, sem liberdade de expressão e de imprensa. O exercício da liberdade não é uma concessão das autoridades, é um direito inalienável do povo. Nenhum meio de comunicação ou jornalista deve ser sancionado por difundir a verdade, criticar ou fazer denúncias contra o poder público".
A ABBP espera que a liberdade de imprensa seja restabelecida na Secretaria de Saúde do Distrito Federal e que esse caso não se torne reincidente em nenhum outro órgão do governo. Destacamos ainda, que o direito a informação está garantido em Lei à todo e qualquer cidadão.
Manifestamos a nossa solidariedade ao jornalista Otávio Augusto do jornal Correio Brasiliense e aos demais colegas que passam por situações semelhantes no exercício da profissão.


Fonte: Sandro Gianelli
                   

quinta-feira, 23 de fevereiro de 2017

CLDF DEFINE NOMES DOS INTEGRANTES DAS COMISSÕES PERMANENTES

CLDF
Câmara Legislativa do Distrito Federal.
A eleição para as comissões da Câmara Legislativa do Distrito Federal (CLDF), realizada nesta quarta-feira (22), mostrou o empenho dos deputados distritais para entrar em um consenso e definir os nomes antes do feriado prolongado com o carnaval.

Para a composição das comissões permanentes foram considerados os blocos União Por Brasília, Trabalho Por Brasília e o Bloco Sustentabilidade e Trabalho.

Confira abaixo a composição de cada uma das comissões da Casa, bem como seus presidentes e vices. As comissões possuem funções legislativas e fiscalizadoras. Além da análise dos projetos em tramitação, os colegiados – integrados por cinco membros titulares e cinco suplentes – promovem debates e discussões com a participação da sociedade em geral, sobre todos os temas ou assuntos de seu interesse.

Confira os nomes dos eleitos para as comissões da CLDF.

Comissão de Constituição e Justiça (CCJ)

TITULARES

Presidente: Prof. Reginaldo Veras (PDT)

Vice-presidente: Sandra Faraj (SD)

Prof. Israel Batista (PV)

Julio Cesar (PRB)

Celina Leão (PPS)

SUPLENTES

Chico Leite (Rede)

Rodrigo Delmasso (Podemos)

Ricardo Vale (PT)

Luzia de Paula (PSB)

Robério Negreiros (PSDB)

Comissão de Economia Orçamento e Finanças (CEOF)

TITULARES

Presidente: Agaciel Maia (PR)

Vice-presidente: Julio Cesar (PRB)

Prof. Israel Batista (PV)

Rafael Prudente (PMDB)

Chico Leite (Rede)

SUPLENTES

Wasny de Roure (PT)

Telma Rufino (Pros)

Juarezão (PSB)

Wellington Luiz (PMDB)

Cláudio Abrantes (Rede)

Comissão de Assuntos Sociais (CAS)

TITULARES

Presidente: Luzia de Paula (PSB)

Vice-presidente: Juarezão (PSB)

Rodrigo Delmasso (Podemos)

Liliane Roriz (PTB)

Robério Negreiros (PSDB)

SUPLENTES

Prof. Israel Batista (PV)

Lira (PHS)

Sandra Faraj (SD)

Julio Cesar (PRB)

Wellington Luiz (PMDB)

Comissão de Defesa do Consumidor (CDC)

TITULARES

Presidente: Chico Vigilante (PT)

Vice-presidente: Liliane Roriz (PTB)

Bispo Renato Andrade (PR)

Ricardo Vale (PT)

Wellington Luiz (PMDB)

SUPLENTES

Julio Cesar (PRB)

Rodrigo Delmasso (Podemos)

Sandra Faraj (SD)

Wasny de Roure (PT)

Raimundo Ribeiro (PPS)

Comissão de Defesa Direitos Humanos, Cidadania, Ética e Decoro Parlamentar (CDDHCEDP)

TITULARES

Presidente: Ricardo Vale (PT)

Vice-presidente: Telma Rufino (Pros)

Agaciel Maia (PR)

Wellington Luiz (PMDB)

Raimundo Ribeiro (PPS)

SUPLENTES

Lira (PHS)

Chico Vigilante (PT)

Rodrigo Delmasso (Podemos)

Celina Leão (PPS)

Rafael Prudente (PMDB)

Comissão de Assuntos Fundiários (CAF)

TITULARES

Presidente: Telma Rufino (Pros)

Vice-presidente: Lira (PHS)

Sandra Faraj (SD)

Robério Negreiros (PSDB)

Rafael Prudente (PMDB)

SUPLENTES

Julio Cesar (PRB)

Cristiano Araújo (PSD)

Luzia de Paula (PSB)

Wellington Luiz (PMDB)

Celina Leão (PPS)

Comissão de Educação, Saúde e Cultura (CESC)

TITULARES

Presidente: Wasny de Roure (PT)

Vice-presidente: Juarezão (PSB)

Luzia de Paula (PSB)

Prof. Reginaldo Veras (PDT)

Raimundo Ribeiro (PPS)

SUPLENTES

Chico Vigilante (PT)

Cristiano Araújo (PSD)

Bispo Renato Andrade (PR)

Cláudio Abrantes (Rede)

Rafael Prudente (PMDB)

Comissão de Segurança (CS)

TITULARES

Presidente: Lira (PHS)

Vice-presidente: Wasny de Roure (PT)

Cristiano Araújo (PSD)

Cláudio Abrantes (Rede)

Wellington Luiz (PMDB)

SUPLENTES

Bispo Renato Andrade (PR)

Ricardo Vale (PT)

Prof. Israel Batista (PV)

Prof. Reginaldo Veras (PDT)

Rafael Prudente (PMDB)

Comissão de Desenvolvimento Econômico Sustentável, Ciência, Tecnologia, Meio Ambiente e Turismo (CDESCTMAT)

TITULARES

Presidente: Bispo Renato Andrade (PR)

Vice-presidente: Chico Vigilante (PT)

Cristiano Araújo (PSD)

Cláudio Abrantes (Rede)

Celina Leão (PPS)

SUPLENTES

Agaciel Maia (PR)

Juarezão (PSB)

Telma Rufino (Pros)

Chico Leite (Rede)

Robério Negreiros (PSDB)

Comissão de Fiscalização Governança Transparência e Controle (CFGTC)

TITULARES

Presidente: Rodrigo Delmasso (Podemos)

Vice-presidente: Agaciel Maia (PR)

Celina Leão (PPS)

Chico Leite (Rede)

Robério Negreiros (PSDB)

SUPLENTES

Lira (PHS)

Wasny de Roure (PT)

Rafael Prudente (PMDB)

Prof. Reginaldo Veras (PDT)

Wellington Luiz (PMDB)

Ascom da deputada Celina Leão